*

*

*

*

terça-feira, 1 de agosto de 2017

"Por que os russos inventaram a farsa do aquecimento global"

Por Cliff Kincaid 
Um dos meus deveres na Accuracy in Media (AIM) foi expor os esquerdistas nos meios de comunicação e no Congresso, que eram suaves em relação à antiga União Soviética e agora estão agindo como durões contra a Rússia de Vladimir Putin. É um tema fascinante que expõe a duplicidade da obsessão da esquerda com a Rússia.
Essas pessoas, que eram suaves com a União Soviética e agora difíceis com a Rússia, são os piores tipos de hipócritas. Sua hipocrisia é ainda demonstrada pela abundante evidência de que a teoria do aquecimento global ou da mudança climática, que eles agora abraçam, foi concebida pelos comunistas soviéticos como um meio através do qual destruir a base industrial nos Estados Unidos. Este tema da desinformação foi abraçado pelos liberais (esquerdistas) agora afirmando serem duros com a Rússia.
Não aceite apenas a minha palavra. Quando Natalie Grant Wraga morreu em 2002 aos 101 anos de idade, 'The Washington Post' reconheceu sua experiência como especialista soviética, observando que ela "nasceu na Rússia czarista, viu uma grande revolta em sua terra natal e tornou-se uma especialista em desmascarar métodos soviéticos de dissimulação para o Departamento de Estado…"
Mas o 'Post' não admitiria esse fato no clima político de hoje.
A revista 'Economist' escreveu: "Ela era talvez a única pessoa viva no Ocidente que poderia reivindicar um conhecimento tão íntimo do pensamento político russo, desde os tempos tzaristas até o colapso da União Soviética". Ela comentou: "Muitas pessoas estão estudando o passado, mas muito poucos estão estudando o presente. Mantenham seus olhos e ouvidos bem abertos."
Este é um bom conselho. Uma das grandes dissimulações soviéticas/russas, escreveu Wraga, era a ideia de que os humanos estavam mudando o clima e que os humanos poderiam salvar a Terra através do socialismo. Ela disse: "…a proteção do meio ambiente tornou-se a principal ferramenta para o ataque contra o Ocidente".
Em seu artigo de 1998, "Green Cross: Gorbachev and Enviro-Communism", Wraga, que deixou seu sobrenome e escreveu como Natalie Grant, explica em detalhes como a campanha de dissimulação soviética, usando o clima como ferramenta organizadora, foi desenvolvida.
Foi lançado após o chamado colapso do estado soviético, quando Mikhail Gorbachev, o último presidente soviético, embarcou em uma cruzada ambiental, usando as Nações Unidas e outras organizações internacionais.
O veterano jornalista Wes Vernon escreveu sobre a pesquisa de Grant nesta área, em um artigo intitulado "The Marxist Roots of the Global Warming Scare".
O grande evento, como o chamou Grant, foi uma conferência em Moscou em janeiro de 1990. Como a revista 'Time' descreveu: "Numa reunião do Fórum Global em Moscou, em 1990, quando ainda era presidente soviético, Gorbachev propôs uma organização bastante análoga à Cruz Vermelha Internacional para lidar com problemas ambientais que atravessam as fronteiras nacionais. Entre os convidados e oradores estava o então senador e futuro vice-presidente dos EUA Al Gore".
Falar sobre "conluio" com os russos! Onde estava a investigação do FBI?
O conluio ocorreu através do Fórum Global e várias conferências das Nações Unidas, incluindo a Cúpula da Terra de 1992, dando origem ao conceito de "desenvolvimento sustentável", outra maneira de descrever o socialismo.
Grant escreveu: "A proteção do meio ambiente pode ser usada como pretexto para adotar uma série de medidas destinadas a prejudicar a base industrial das nações desenvolvidas. Também pode servir para introduzir mal-estar nas pessoas, que aceitarão reduzir seu padrão de vida, e implantando valores comunistas". Grant previu como esta campanha seria realizada, usando "imagens pesadelo" de inundações, terra arrasada, doença e morte, a menos que ações drásticas fossem tomadas no nível internacional para reduzir a atividade industrial no ocidente capitalista.
Ela disse que a campanha seria conduzida por simpatizantes ou idiotas úteis de Moscou na "ciência", na "academia", e na mídia servilmente obediente ao Establishment, "todos com o propósito de forçar os Estados Unidos e outros países ocidentais a aceitar medidas e regulamentos nocivos para a mundo ocidental."
Em suma, para que o comunismo tenha sucesso, o capitalismo deveria ser retratado como baseado na exploração, mas não do homem, como era a antiga teoria marxista. Em vez disso, o capitalismo agora estava explorando a Terra! O objetivo deste dogma foi inibir o capitalismo global, o único sistema que se mostrou capaz de atender às crescentes necessidades da expansão das populações. Mas desta vez a afirmação era de que o progresso econômico humano ameaçava o meio ambiente devido ao modelo capitalista em que se baseava.
Por isso, o acordo de mudança climática do presidente Obama em Paris foi projetado para reduzir a expansão industrial dos EUA ao mesmo tempo em que este enviava ajuda externa para o resto do mundo. Era um plano marxista que beneficiava a Rússia, um importante produtor de petróleo e gás.
No dia 1º de junho, quando anunciou a retirada do acordo de mudança climática, o presidente Donald Trump colocou o dedo na ferida, que foi deliberadamente parte do plano. Ele atacou "os dramáticos encargos financeiros e econômicos que o acordo impõe ao nosso país", criando um chamado Fundo Verde para o Clima que custaria aos Estados Unidos uma grande fortuna a ser enviada para as outras nações do mundo. Em outras palavras, a retirada de Trump do acordo funciona CONTRA os interesses russos e os dos socialistas globais.
No entanto, a campanha de propaganda continua. Em breve, a Netflix lançará o filme "Chasing Coral", que tenta responsabilizar o homem pela "mudança radical" e a perda de recifes de coral nos oceanos mundiais em uma escala global. Com as emissões de carbono "aquecendo os mares", o público será informado sobre a "catástrofe" que está "ocorrendo silenciosamente debaixo d'água", a menos que as pessoas acordem e restrinjam drasticamente nosso estilo de vida.
Enquanto isso, a Universidade Estadual de Ohio lançou um "estudo" no 'Journal of Peace Research', sugerindo que a mudança climática poderia levar a "violência alimentar". Um dos autores é citado em um comunicado de imprensa da Universidade Estadual de Ohio, dizendo: "O auxílio ao desenvolvimento é importante agora e é provável que seja ainda mais importante no futuro à medida que procuramos formas de aumentar a resiliência climática". Em outras palavras, os Estados Unidos devem pagar mais às outras nações do mundo. Este é o socialismo global.
Parece que os cenários "pesadelos" previstos por Natalie Grant ainda não terminaram. Mas quando os liberais se levantarão? Resposta: nunca.
Como James Hodgkinson (*), um verdadeiro crente na teoria do aquecimento global, eles querem "taxar os ricos" em seu próprio país e atirarão para matar aqueles que se atravessarem o caminho desse esquema de redistribuição global.
(*) Atirador que feriu vários representantes republicanos num jogo de beisebol na Virginia. Também foi voluntário na campanha do comunista Bernie Sanders.
Publicado no AIM.org.
Tradução e divulgação: Papéis Avulsos - http://heitordepaola.com
Fonte: "Mídia Sem Máscara" 

Nenhum comentário: