*

*

No Orient Cineplace

No Orient Cineplace
13h20 - 15h50 - 16h30 - 18h20 - 19 - 21h30 (Dub) - 20h50 (Leg)

Rede Orient - 14 de dezembro

Rede Orient - 14 de dezembro
Orient Cineplace Boulevard - 15 - 18 (Dub) - 21 (Leg)

terça-feira, 22 de agosto de 2017

'"Fundão' é soma de Alemanha, México e EUA"



O relator da reforma política, Vicente Cândido (PT-SP), contou lorota ao afirmar ontem que o valor do "fundão" de R$ 3,6 bilhões retirados dos cofres públicos para custear campanhas eleitorais, "está em sintonia" com "grandes democracias". Não é verdade. Os R$ 3,6 bi que ele imagina tungar do Tesouro Nacional é mais dinheiro que a soma do custo das eleições na Alemanha, no México e nos Estados Unidos.
A mais cara do mundo
O "fundão" deve retirar dos cofres públicos R$ 11,2 bilhões a cada quatro anos. Nenhuma eleição no mundo custa tanto dinheiro.
Sem dinheiro público
Os EUA têm a eleição mais cara: US$ 2,5 bilhões (R$ 7,9 bilhões) para eleger o presidente. Mas nenhum centavo sai dos cofres públicos.
Na Alemanha
A eleição na Alemanha custa 450 milhões de euros (R$ 1,6 bilhão) por cada um dos quatro anos da legislatura. Só um terço é dinheiro público.
México
O ciclo eleitoral no México, em 2015, custou US$ 558 milhões (R$ 1,7 bi), segundo o jornal 'El Universal', tudo pago com dinheiro público.
Prepare o seu bolso
Pelo projeto de reforma política, que pode ser votado nesta terça (22), os R$ 3,6 bilhões do "fundão" serão distribuídos a cada dois anos entre os partidos políticos. Ou seja, R$ 7,2 bilhões por legislatura.
Pode ser maior (e pior)
O relator petista Vicente alega candidamente que o "fundão" não custará R$ 3,6 bilhões e sim 0,5% da receita corrente líquida, dinheiro dos impostos. O valor que pode chegar aos R$ 4 bilhões em 2018.
Pensando bem...
...o relator petista da reforma política teria apoio popular se equivalesse o sistema que planeja à China, onde corrupção dá em pena de morte.
Fonte: Cláudio Humberto

Nenhum comentário: