No Aprisco

No Aprisco

Lançamento nacional

Lançamento nacional
Na próxima quinta-feira, no Orient Cineplace Boulevard

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Lembrando entrevista com Antonia Velloso há 50 anos



A atriz Antonia Velloso (Foto), 80 anos, vai receber da Câmara Municipal a Comenda Maria Quitéria, em sessão solene nesta quinta-feira, 25, às 19h30. O projeto de decreto legislativo de 2015, é de autoria do vereador José Carneiro (PSDB). 
Há pouco mais de 50 anos, em janeiro de 1967, o então iniciante jornalista Dimas Oliveira lançou a revista "Arte & Cultura" - ficou no primeiro número -, para divulgar mensalmente cinema, teatro, música, artes plásticas e literatura.
Na edição, entrevista com Antonia Velloso, "a melhor atriz do teatro feirense, jovem de talento versátil, que se adapta a qualquer personagem que interpreta e sabe conduzir-se a contento".
Dimas Oliveira - O que acha da música moderna?
Antonia Velloso – Aprecio a bossa nova, mas em matéria de música a coisa mais gostosa mesmo é o nosso samba.
DO - Tem algum "hobby"?
AV - A leitura antes de dormir, no máximo 30 minutos.
DO - Qual a sua definição pessoal sobre o amor?
AV - Amor quer dizer paz, compreensão, o único sentimento que salvaria o mundo da guerra atômica. Infelizmente os homens vivem com os corações transbordando de ódio.
DO - Qual a melhor coisa da vida?
AV - É não passá-la em branco. É lutar, de algum modo, em benefício de um povo, principalmente ao que se refere à sua arte e à sua cultura.
DO - Qual o melhor filme que assistiu?
AV – Gosto de filmes realistas onde a verdade fala mais alto, assim como "O Grito da Terra".
DO – Qual o seu ator e atriz preferidos?
AV - Vi Paulo Autran em "Liberdade, Liberdade", é um ator fabuloso.
DO - Gostaria de fazer cinema?
AV - Talvez, o teatro tem uma grande vantagem. O ator tem a possibilidade de corrigir as falhas em cada apresentação que se sucede. Isso acontece comigo. Quando termino uma apresentação digo comigo mesma: na próxima farei melhor.
DO - Que acha do teatro feirense?
AV – É teatro feito na raça. Não temos local de apresentação que é o mais importante. O prefeito Joselito Amorim prometeu um terreno para a construção do teatro... Talvez o Dr. João Durval Carneiro venha cumprir essa promessa que foi esquecida. Quanto ao público, já começa a prestigiar o nosso teatro.
DO - Qual seu melhor desempenho?
AV - Dona Filó em "A Guerra Mais ou Menos Santa", de Mario Brasini.
DO - Qual seu próximo trabalho?
AV - A convite da Scafs farei a mulher do faraó, na peça de Silveira Sampaio, "Só o Faraó Tem Alma".
DO - Alguma observação a fazer?
AV - Um grande elogio a você, pela criação desta revista, principalmente pelo primeiro número experimental, em manuscrito. Você é realmente um jovem inteligente e capacitado.
P. S.: A entrevista foi feita no escritório de contabilidade de Djalma Pereira, no Edifício Pires, onde Antonia Velloso trabalhava.

"Para badernaço, tanto faz polícia ou Exército"



O Exército na rua excitou a imaginação da esquerda, temendo "ameaça autoritária", e da direita, que sonha com militares no poder. O Exército foi acionado porque não havia número suficiente de soldados da Força Nacional em Brasília. Indagado sobre a diferença entre garantir a ordem com o Exército ou a Força Nacional, o ministro Raul Jungmann (Defesa) de longo histórico de esquerda foi curto e grosso: "Nenhuma".
Covardes e burros
Além de covardes, os mascarados são burros. Com suas bombas, pedras, e coquetéis molotov, ajudaram o governo que querem derrubar.
Vanguarda do atraso
Continuam com a cabeça nos anos 1960 os políticos que protestaram contra o Exército nas ruas para restabelecer a ordem. Maior atraso.
Licença para o terror
Há fartura de fotos e imagens dos delinquentes que tentaram incendiar ministérios, veículos etc. Mas, outra vez, ficarão impunes.
Fonte: Cláudio Humberto

"O exército de baderneiros bateu em retirada"

Por Augusto Nunes
O que houve nesta quarta-feira em Brasília nada tem a ver com manifestação política, coisa rotineira em países democráticos. Foi uma explosão de violência concebida para transformar a capital numa versão brasileira da Caracas embrutecida e desfigurada por Hugo Chávez e seus filhotes liberticidas. Foi uma celebração da insolência arquitetada pelo ajuntamento de bolivarianos que se expressam em português de cortiço.
No Congresso e na Esplanada dos Ministérios, viu-se em ação pelegos apavorados com o fim da vida mansa garantida involuntariamente por trabalhadores sindicalizados, parlamentares corruptos em pânico com a Lava Jato, vândalos sem cérebro movidos a mortadela e tubaína, vadios profissionais atraídos pelos pixulecos oferecidos a incendiários amadores e outras abjeções a serviço da seita que quase destruiu o país.
As afrontas ao Estado de Direito alcançaram dimensões tão desafiadoras que, tratada inicialmente como caso de polícia, a ofensiva selvagem virou um caso para as Forças Armadas, cujas funções constitucionais incluem a garantia da ordem pública. Tropas formadas por baderneiros aparentemente incuráveis têm cura: os ataques criminosos são interrompidos pela aparição de tropas militares.
Neste 24 de maio, o remédio produziu efeitos imediatos. Previsivelmente, os vigaristas disfarçados de guerreiros do povo brasileiro bateram em retirada, ou saíram em desabalada carreira, tão logo toparam com soldados de verdade. Países civilizados confiam às Forças Armadas a preservação da normalidade democrática. Assim deve ser num Brasil resolvido a enterrar a era da canalhice.
Fonte: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Salada fantasiosa em "Rei Arthur e a Lei da Espada"



Decepcionante o filme de "Rei Arthur e a Lei da Espada", que entra em segunda semana no país a partir desta quinta-feira, 25 - em Feira de Santana, no Orient Cinemas Boulevard. Foi visto - difícil aguentar até o fim - na noite desta quarta-feira, 24. A ruindade explica o fracasso nas bilheterias norte-americanas, arrecadando tão somente 14,7 milhões de dólares em seu fim de semana de estreia.
A clássica história do Rei Arthur, da Távola Redonda, Excalibur, Camelot, Avalon, já teve várias versões, mas este filme pretensiosamente modernoso é mesmo ruim. Tem ação, violência estilizada. Não tem nenhum intertesse romântico na trama. É um amontoado de inconsistências.
Na trama, não aparecem Guinevere, Lancelot, Galahad, Morgana, Cerdic, Tristan, Gawain. Merlin só é citado. Mas tem personagens africanos, chinês mestre em arte marcial, vikings. Imaginem a salada fantasiosa.
Os cenários não parecem ser da Inglaterra. Os figurinos não parecem em nada de cavaleiros, damas e nobres. Guerreiros são mascarados.
Tem muita magia negra, possessão demoníaca, controle da mente, poder sobrenatural, dimensão alternativa.
Não têm nada a ver também a aparição de monstros e animais gigantes (elefantes, cobras, ratos, morcegos). Ainda aparecem grafiteiros em plena idade média, bem como tatuagens. Por fim, escravidão. Um coquetel despropositado, completado com a aparição do ex-jogador de futebol David Beckham (Foto) numa ponta.

Filmes em Exibição no Orient Cineplace Boulevard



Semana até 31 de maio de 2017
LANÇAMENTOS NACIONAIS

PIRATAS DO CARIBE: A VINGANÇA DE SALAZAR (Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales), de Joachim Ronning e Espen Sandberg, 2017. Com Johnny Depp, Javier Bardem, Geoffrey Rush, Kaya Scodelario, Keira Knightley e Orlando Bloom. Ação e aventura. O capitão Salazar lidera um exército de piratas fantasmas assassinos e está disposto a matar todos os piratas existentes na face da Terra. Para escapar, Sparrow precisa encontrar o Tridente de Poseidon, que dá ao seu dono o poder de controlar o mar. Não recomendado para menores de 12 anos. Duração: 129 minutos. Horários: 13 horas, 15h40 e 18h20, com cópia dublada; e 21 horas, com cópia legendada. Sala 4 (240 lugares).
REAL - O PLANO POR TRÁS DA HISTÓRIA,  de Rodrigo Bittencourt, 2017. Com Emílio Orciollo Neto, Bemvindo Siqueira, Norival Rizzo, Tato Gabus Mendes, Paolla Oliveira e Mariana Lima. A ação de passa em  Brasília, em maio de 1993. Após uma sequência de planos econômicos que não surtiram efeito, o país é levado à hiperinflação. Uma seleta equipe econômica, protegida em um bunker contra pressões políticas, mergulha na missão de reformar o Estado e criar o Plano Real. Não recomendado para menores de 12 anos. Duração: 96 minutos. Horários: 16h20, 18h30 e 20h40. Sala 2 (158 lugares). CONTINUAÇÕES
ROCK DOG: NO FARO DO SUCESSO (Rock Dog), de Ash Brannon, 2016. Animação. Quando um rádio cai do céu nas mãos de um cachorrinho, ele resolve sair de casa em busca da realização de seu sonho: tornar-se músico. Em quarta semana. Classificação: Livre. Duração: 90 minutos. Horário: 13h30. Sala 1. 
REI ARTHUR: A LENDA DA ESPADA (King Arthur: The Legend of the Sword), de Guy Ritchie, 2017. Com Charlie Hunnan, Astrid Bergès-Frisbey e Jude Law. Ação e aventura. Arthur é um jovem que controla os becos de Londonium e desconhece sua predestinação até o momento em que entra em contato pela primeira vez com a Excalibur. Desafiado pela espada, ele precisa tomar decisões, enfrentar seus demônios e aprender a dominar o poder que possui para conseguir unir seu povo e partir para a luta contra o tirano Vortigem. Em segunda semana. Não recomendado para menores de 14 anos. Duração: 126 minutos. Horários:  15h30 e 18h10, com cópia dublada; e 20h50, com cópia legendada. Sala 1 (240 lugares). 
O PODEROSO CHEFINHO (The Boss Baby), de Tom McGrath, 2017. Animação. Um bebê falante que usa terno e carrega uma maleta misteriosa une forças com seu irmão mais velho invejoso para impedir que se acabe com o amor no mundo. Em nona semana. Classificação: Livre. Cópia dublada. Duração: 98 minutos. Horário: 14h10. Sala 2.
ALIEN: COVENANT (Alien: Covenant), de Ridley Scott, 2017. Com Michael Fassbender e Katherine Waterston. Thriller e ficção científica. A tripulação do navio-colônia Covenant descobre o que eles acreditam ser um paraíso inexplorado. Cópia dublada. Em terceira semana. Não recomendado para menores de 14 anos. Duração: 122 minutos. Horário: 13h30. Sala 3 (165  lugares)
GUARDIÕES DA GALÁXIA VOL. 2 (The Guardians of the Galaxy Vol. 2), de James Gunn, 2017. Com Chris Pratt e Zoe Saldana. Ação e Aventura. Os Guardiões têm que lutar para manter sua recém-descoberta família unida enquanto desvenda o mistério da real ascendência de Peter Quill. Em quinta semana. Cópia dublada. Não recomendado para menores de 12 anos. Duração: 137 minutos. Horário: 16 horas. Sala 3.

VELOZES E FURIOSOS 8 (The Fate of the Furious), de F. Gary Gray, 2017. Com Vin Diesel, Jason Statham e Charlize Theron. Ação. Dom e Letty estão em sua lua de mel. Mas quando uma misteriosa mulher seduz Dom, ele não consegue escapar a traição daqueles mais próximos de si. Cópia legendada. Em sétima semana. Não recomendável para menores de 14 anos. Duração: 136 minutos. Horários: 18h45 e 21h30. Sala 3.
ENDEREÇO E TELEFONES
Orient Cinemas Boulevard - Multiplex do Boulevard Shopping, telefax 3225-3185 e telefone 3610-1515 para saber informações sobre programas e horários.
(Com informações do Departamento de Marketing do Orient Cinemas)

Novo lançamento de "Tabuleiro da Maria" em mostra cultural da FTC

O livro "Tabuleiro da Maria", da jornalista e professora Madalena de Jesus (Foto: Divulgação), lançado em março deste ano, volta a ser apresentado ao público nesta quinta-feira, 25, durante a 2ª Mostra Científico-Cultural da FTC. A autora participará de um bate-papo com estudantes, ao lado dos escritores Carlos Magno, Alfredo de Morais e Fernanda Mastrolorenzo.
A jornalista, que é assessora de comunicação da unidade de Feira de Santana da instituição de ensino, estará presente em dois momentos da mostra, às 9 e às 19 horas. Os autores Carlos Magno e Alfredo de Morais são professores da faculdade, enquanto Fernanda Mastrolorenzo é estudante do primeiro semestre do curso de Odontologia.
"Estou muito feliz em poder lançar o 'Tabuleiro' na faculdade. É uma forma de retribuir o apoio ao projeto e reafirmar a convivência de muito de carinho e respeito que tenho com todos em meu local de trabalho", diz Madalena, que também pretende lançar o livro em Conceição do Jacuípe, sua terra natal, em data a ser definida. "Com certeza será mais um momento de grande emoção", prevê.
A programação da Mostra Científico-Cultural contará ainda com atrações musicais, mostra de práticas de metodologias ativas em estandes instalados no campus e apresentação de uma quadrilha temática. O evento terá início pela manhã e se estenderá até a noite, envolve estudantes e professores de todos os cursos da FTC Feira de Santana.                       
Sobre o livro                       
"Tabuleiro da Maria" é uma coletânea de textos da jornalista Madalena de Jesus, publicados no blog que tem o mesmo nome, ao longo de sete anos - entre 2010 e 2017. São "retratos" de pessoas e situações, a maioria de Feira de Santana. A construção simples facilita a leitura e possibilita um passeio pela história da própria autora na Comunicação e na Educação, áreas em que transita simultaneamente. 

terça-feira, 23 de maio de 2017

Morre ator Roger Moore

Roger Moore como James Bond em "007 - Somente Para Seus Olhos"
Foto: IMDB

O ator inglês Roger Moore, famoso por seu papel como James Bond na franquia de filmes "007", morreu aos 89 anos nesta terça-feira, 23, na Suíça. Ele sofria de câncer.
Nascido em Londres em 1927, Roger Moore trabalhou como modelo até o começo dos anos 1950. Depois disso assinou um contrato de sete anos com a MGM, mas suas produções iniciais não fizeram muito sucesso.
A fama só veio com seu papel como Ivanhoé, na série britânica "O Santo", entre 1962 e 1969, e como Brett Sinclair, em "The Persuaders".
A carreira como James Bond começou em 1973, no filme "Só Viva e Deixe Morrer". Moore tinha a missão de substituir Sean Connery, que encarnou o espião por quase uma década.
Roger Moore encarnou o 007 em sete filmes e foi o ator a encenar o agente secreto por mais tempo: durante 12 anos.
Filmografia


Santini e Trio no Festival Caymmi de Música

A quarta edição do Festival Caymmi de Música ocupa o Parque da Cidade neste sábado, 27, e no domingo, 28, com programação gratuita para todos.
Oficinas, feira de trocas, ocupação de coletivos criativos, gastronomia e muita música. Entre as apresentações, a de Santini e Trio (Foto: Divulgação), no sábado, às 11 horas, além de Ana Paula Albuquerque, Retro-Visor, Larissa Luz, Danilo Fonseca, Livia Nery, Sertanília e O Quadro. 

Academia de Educação realiza mais um seminário sobre violência na escola

A Academia de Educação de Feira de Santana realizará no próximo dia 31 de maio a quarta edição do seminário sobre Violência na Escola, com o tema "Violência na Escola Pública: Realidade e Proposições".
O evento ocorrerá no auditório da Associação Comercial e Empresarial de Feira de Santana, no largo São Francisco, das 8 às 12 horas, e contará com a participação, através de abordagens, de duas escolas da rede municipal, uma da rede Estadual e ainda da Guarda Municipal e Policia Militar, que irão subsidiar os debates.
O seminário é aberto ao público, especialmente a docentes, gestores e coordenadores de unidades escolares e alunos. Se você pretende participar e necessita de certificado deve efetuar sua inscrição através do e-mail da Academia de Educação academia.edufsa@gmail.com
Descrição: https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif(Com informações da Academia de Educação de Feira de Santana)

Trailer de "Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar"


Assista

Trailer de "Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar", que tem lançamento nacional nesta quinta-feira, 25, no Orient Cineplace Boulevard.

Trailer de "Real - O Plano Por Trás da História"


Assista
Trailer de "Real - O Plano Por Trás da História", que tem lançamento nacional nesta quinta-feira, 25, no Orient Cineplace Boulevard.

Ação e fantasia e filme sobre o Plano Real

Nesta quinta-feira, 25 de maio, uma das novidades da semana no Orient Cineplace Boulevard, é o novo exemplar da franquia "Piratas do Caribe", que está de volta com "A Vingança de Salazar" (Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales), de Joachim Ronning e Espen Sandberg. Trata-se do quinto filme inspirado na atração dos parques da Disney, "Pirates of the Caribbean". Ação, aventura e fantasia na tela.
Chega seis anos depois de "Navegando em Águas Misteriosas" (Pirates of the Caribbean: On Stranger Tides), de Rob Marshall, 2011; e 14 anos após "A Maldição do Pérola Negra" (Pirates of the Caribbean: The Curse of the Black Pearl), de Gore Verbinski, 2003.
Os outros dois filmes foram "O Baú da Morte" (Pirates of the Caribbean: Dead Man's Chest), e "No Fim do Mundo" (Pirates of the Caribbean: At World's End), ambos de Gore Verbinski. Pode ser o último filme da franquia.
Nesta nova aventura, capitão Jack Sparrow (Johnny Depp) se encontra com os ventos da má sorte soprando com mais força quando um grupo piratas fantasmas são liberados por um inimigo, o capitão Salazar, que depois de escapar do Triângulo do Diabo está determinado a matar todos os piratas, principalmente Sparrow. A única esperança de sobrevivência dele é a busca pelo lendário Tridente de Poseidon - um artefato que dá ao seu possuidor o controle dos sete mares. Para encontrá-lo, ele tem que fazer uma aliança com a astrônoma Carina Smyth e o marujo Henry.
A outra novidade é o Plano Real como tema do drama "Real - O Plano Por Trás da História", de Rodrigo Bittencourt. É baseado no livro do jornalista Guilherme Fiúza, "3000 Dias no Bunker". Segundo as informações, o filme tem um discurso partidário alinhado à direita. A ação de passa em  Brasília, em maio de 1993 e como está claro narra a gênese do Plano. No elenco, Emílio Orciollo Neto interpreta o economista Gustavo Franco, o conhecido Bemvindo Siqueira faz Itamar Franco, Norival Rizzo faz Fernando Henrique Cardoso e Tato Gabus Mendes interpreta Pedro Malan. Ainda no elenco: Paolla Oliveira, Mariana Lima
O filme de ação e aventura "Rei Arthur: A Lenda da Espada", entra em segunda semana.
O thriller e ficção-científica "Alien: Covenant", de Ridley Scott, entra em terceira semana.
Mais continuações: a animação "Rock Dog: No Faro do Sucesso", em quarta semana; o filme de ação e aventura "Guardiões da Galáxia Volume 2", em quinta semana; o filme de ação "Velozes e Furiosos 8", em sétima semana; e a animação "O Poderoso Chefinho", em nona semana.

"JBS pode ter traçado meticulosamente saída do país"



O presidente da J&F e da JBS, Joesley Batista, está sob suspeita de haver preparado meticulosamente sua saída do País, por isso se articula na Câmara a criação de uma CPI para investigar o esquema. Ao vazar a delação, o grupo já havia reduzido o Brasil a apenas 20% de operação, concentrando 70% de tudo nos Estados Unidos, a nova pátria dos delatores. O País que financiou o grupo virou "passado".
Cofres abertos
Financiado pelo BNDES nos governos Lula e Dilma, o grupo J&F/JBS saltou seu faturamento dos R$4 bilhões em 2007 para R$ 170 bilhões.
A jogada
Antes da delação, o "americanófilo" Joesley já vivia a maior parte do tempo nos EUA. Mas precisava se livrar das investigações no Brasil.
100% de perdão
Com o esperto acordo de delação, os controladores da J&F/JBS se livraram de pelo menos 5 operações/ações penais muito cabeludas.
Bye, bye, Brasil
Os delatores também deixam para trás dívida de R$1,8 bilhão junto ao INSS e a devolução dos quase R$13 bilhões que tomaram do BNDES.
'Homem da mala' processado
O lobista da JBS/J&F, Ricardo Saud, é réu agora de uma queixa-crime em razão de suas mentira contra este colunista. Mentiu em depoimento para se vingar da denúncia de sua atividade criminosa, aqui publicada em 2014, como "homem da mala" do grupo acusado de saquear o País. Ele próprio confessou que foi mesmo o "homem da mala" da JBS.
Pensando bem...
...agora só falta o gravador do grampo de Joesley Batista ser extraviado na viagem dos Estados Unidos para o Brasil.
Fonte: Cláudio Humberto

Situação de Colbert Martins

Deu na coluna "Satélite", de Jairo Costa Júnior, no "Correio", edição desta terça-feira:
"Vai ou não vai
Colbert Martins (PMDB) já cogita deixar a vice-prefeitura de Feira para assumir a vaga da deputada federal Tia Eron (PRB), que se licenciou para comandar a Secretaria de Promoção Social de Salvador. Pessoalmente, o peemedebista quer permanecer, de olho em uma iminente candidatura do prefeito José Ronaldo (DEM) nas eleições majoritárias de 2018. O que abriria espaço para comandar a maior cidade do interior. Mas a palavra final, admitiu Colbert, é da cúpula do PMDB
Manda quem pode
A ordem das lideranças governistas no Congresso é reunir o máximo de votos contra um eventual pedido de impeachment do presidente Michel Temer. A recusa de Colbert Martins libera o caminho para Marcos Medrado (PR), aliado do PT. O prazo para a resposta termina na próxima segunda."


segunda-feira, 22 de maio de 2017

"Lula é denunciado e pode se tornar réu pela sexta vez"

A força-tarefa da Operação Lava Jato m Curitiba denunciou nesta segunda-feira, 22, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso envolvendo obras no sítio Santa Bárbara, em Atibaia-SP, frequentado pelo petista e reformado pelas empreiteiras Odebrecht, Schaim e OAS, além do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente. Caso o juiz Sergio Moro aceite a acusação dos procuradores, o petista se tornará réu pela sexta vez, três delas na investigação que apura desvios bilionários na Petrobras.
De acordo com os procuradores, o ex-presidente foi beneficiado ilicitamente com cerca de um milhão de reais nas reformas, que incluíram a construção de anexos e benfeitorias no sítio, como a instalação de uma cozinha de alto padrão. Odebrecht e OAS teriam arcado com 870 mil reais das obras e a Schahin, por meio de Bumlai, teria pago 150.500 reais. O pecuarista foi denunciado pelo crime de corrupção passiva.
O dinheiro teria sido retirado, no caso da Odebrecht, de propinas de 128 milhões de reais em quatro contratos com a Petrobras: dois para construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e dois do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro; no caso da OAS, o dinheiro teria sido contabilizado em vantagens indevidas de 27 milhões de reais pagas sobre três contratos: de construção e montagem dos gasoduto Pilar-Ipojuca e Urucu-Coari e da construção do Novo Centro de Pesquisas da Petrobras, no Rio.
A contribuição da Schahin às obras no sítio no interior paulista teria sido retirada de propinas pagas pela empreiteira no contrato de operação, pela empreiteira Schahin, do navio-sonda Vitória 10.000, da Petrobras.

"Joesley pode ter pago para não depor em CPI"



Deputados do PT e do PMDB livraram o dono da JBS, Joesley Batista, de comparecer à CPI do BNDES, em setembro de 2015. Ao todo, 15 deles votaram contra o requerimento. Os deputados derrotados na votação atribuíram ao então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, o acordo para barrar a convocação de Joesley. Isso explica por que Cunha continuava recebendo de Joesley altas quantias, mesmo preso.
CPI da Caixa Preta
A CPI do BNDES investigava financiamentos generosos a empresas ligadas aos governo Lula e Dilma, como o Grupo JBS e a Odebrecht.
Aliança Lula-Cunha
O ex-presidente Lula e Eduardo Cunha fizeram uma aliança tácita para livrar Joesley de depor à CPI criada para abrir a caixa preta do BNDES.
Faltou contar
A operação para livrar Joesley de depor da CPI do BNDES não foi relatada pelos delatores da JBS ao Ministério Público Federal.
Liderança ativa
O atual líder do PT, Carlos Zarattini (SP), ajudou a blindar Joesley na CPI do BNDES. Em 2014, ele recebeu doação eleitoral de R$240 mil.
Fonte: Cláudio Humberto

sábado, 20 de maio de 2017

Revisão de "A Primeira Vitória"





"A Primeira Vitória" (In Harm's Way), de Otto Preminger, 1965, foi revisto na manhã deste sábado, 20, no TeleCine Cult. Foi visto no Cine Santanópolis, no final dos anos 1960. Em preto e branco, tem 165 minutos de duração, quase três horas.
Drama de guerra com batalhas navais, combates aéreos tem romances e dramas familiares - adultério, estupro, sedução, suicídio. Também tem redenção.
A Segunda Guerra Mundial se aproxima do fim quando o contra-almirante Rockwell Torrey (John Wayne) e o comandante Paul Eddington (Kirk Douglas) são chamados pelo almirante Nimitz (Henry Fonda) para criar uma estratégia de retaliação ao ataque japonês em Pearl Harbor.
Os dramas pessoais acompanham o drama de guerra. Torrey tem uma relação de amizade bastante complexa com seu chefe de estado-maior (Kirk Douglas), apaixona-se pela enfermeira Maggie Haynes (Patricia Neal) e tenta reconquistar o amor de seu filho Jeremiah (Brandon De Wilde).
Outros dramas pessoais são vividos por Eddington, que é traído pela mulher Liz (Barbara Bouchet) e se envolve com Annalee (Jill Haworth), que é namorada de Jeremiah; e pelo capitão-de-corveta Mac McArnold (Tom Tryon), casado com Bev (Paula Prentiss).
"A Primeira Vitória" destaca as virtudes de um comandante militar: coragem, determinação e senso de dever. Torrey representa tudo que todo oficial naval gostaria de ser. 
Faz referências a personalidades americanas, como Abraham Lincoln, Franklin D. Roosevelt, Woodrow Wilson e generais Grant e McClellan.
No início do filme, numa festa o pianista sinaliza a orquestra para parar de tocar. Trata-se de do maestro Jerry Goldsmith, autor da trilha sonora. Teve uma indicação ao Oscar: de Melhor Fotografia para Loyal Griggs.
Ainda no elenco: Patrick O'Neal, Dana Andrews, Burgess Meredith, Stanley Holloway, Franchote Tone, Carroll O'Connor, George Kennedy, Larry Hagman, Hugh O'Brian, Slim Pickens e Bruce Cabot.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Apoio internacional para consolidação da cadeia produtiva de energia solar


 Prefeito José Ronaldo, secretários Carlos Brito e Antonio Carlos Borges Júnior mais cônsul Paloma González e superintendente Marcelo Neves
Foto:Assessoria de Comunicação da Sudene



Em sua estada na Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), na quarta-feira, no Recife, o prefeito José Ronaldo com os secretários de Planejamento Carlos Brito e de Trabalho, Turismo e Desenvolvimento Econômico Antonio Carlos Borges Júnior, tiveram audiência junto à cônsul de Assuntos Políticos e Econômicos dos Estados Unidos no Brasil, Paloma González.
Inicialmente, a pauta foi com o superintendente Marcelo Neves. Sudene e a Prefeitura de Feira de Santana deram os primeiros passos para a construção de uma agenda de atividades para estimular o desenvolvimento econômico do município.
As atividades incluíram a articulação com a cônsul Paloma González para atração de investimentos no setor energético renovável no município.
Contando com o apoio da Sudene, buscamos viabilizar, junto à representante norte-americana, a atração de parceiros e projetos que estimulem a consolidação da cadeia produtiva de energia solar que a cidade busca implantar.
Paloma González explicou que os Estados Unidos possuem centros tecnológicos de excelência para pesquisa na área energética, como o National Wind Technology Center (Centro Nacional de Tecnologia Eólica), no Colorado e citou o exemplo de gestão e atração de investimentos realizados no Estado da Califórnia, que é um dos maiores produtores de energia solar do país.
A cônsul disse estar agradecida pela oportunidade de participar do encontro desta quarta e "poder abrir as portas no sentido de colocar a cidade com em contato com players da Califórnia e Colorado para geração de parcerias comerciais"
Fonte: Página do Prefeito José Ronaldo no Facebook

"Propina gigante de Loures pode complicar Temer"


Na avaliação dos aliados do governo, o trecho mais grave da conversa de 39 minutos de Michel Temer com Joesley Batista, é quando o presidente destaca um deputado ligado a ele, Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), para "ajudar a destravar" problemas do Grupo JBS no Cade, órgão que investiga cartéis. Desse contato com Loures resultou o acerto de propina que é recorde na história da corrupção em todo o mundo: R$500 mil semanais por vinte anos, totalizando R$480 milhões. 
Preso, passarinho pia 
Após a divulgação das imagens do flagrante da PF, a expectativa é que Rocha Loures será preso ao desembarcar da viagem a Nova York. 

Delação previsível
Quem o conhece diz que no primeiro minuto de prisão Loures vai entrar na fila dos acordos de delação. É onde mora o perigo para Temer. 
Não era tudo isso
Para o governo, na gravação, Michel Temer recomenda "tem de manter isso, viu?", após Joesley Batista dizer "tô de bem com o Eduardo". 
Conversa indevida
Para os aliados do governo, pior que a conversa foi o fato de Michel Temer tratar de assuntos inapropriados com um investigado. 
Bem escondido
Para gravar Michel Temer, Joesley Batista escondeu muito bem o gravador. Há vários anos, a segurança presidencial não permite a visitantes nem mesmo manter celular desligado no bolso 
Moleza na segurança
Na gravação, Joesley elogiou a Temer o fácil acesso ao Palácio do Jaburu. "Eu vim chegando e já foram abrindo o portão. Sem nome, sem nada"! Os seguranças foram informados da placa previamente. 
Temer tranquilo
Joesley pergunta ao presidente, na conversa, sobre a ação contra a chapa Dilma-Temer no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Temer não parecia preocupado: "Lá eles têm consciência política". 
Cada dia sua agonia
Assim como Lula no mensalão, cuja renúncia se esperava após o depoimento-bomba do marqueteiro Duda Mendonça na CPI que investigava o mensalão, Temer celebrou outro dia sem renúncia.
Fonte: Cláudio Humberto

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Botafogo é único carioca nas oitavas da Libertadores



O Botafogo venceu o Atlético Nacional, da Colômbia, campeão da Libertadores de 2016, e garantiu sua classificação nas oitavas de final da competição sulamericana. 
O jogo ocorreu na noite desta quinta-feira, 18, no Estádio Nilton Santos e o placar foi de 1 a 0, gol de Rodrigo Pimpão. O público foi de mais de 33 mil pessoas.
O Alvinegro está classificado antecipadament, assim como o Atlético-MG, Atlético-PR e Santos. Chapecoense, Grêmio e Palmeiras estão encaminhados. O Flamengo, até agora, é o único time brasileiro que não avançou para a próxima fase.

"O jardim das aflições"


Por Ruth de Aquino

Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. Boicotam um filme no Festival de Cinema de Pernambuco. E não dizemos nada. Na segunda noite, já não se escondem: pisam o cineasta maldito, matam o contraditório, e não dizemos nada. Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho na sala escura, rouba o projetor e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada.
É uma paródia do poema "No caminho com Maiakóvski" (1968), de Eduardo Alves da Costa. Ajuda a ilustrar a pataquada de diretores de sete filmes que retiraram seus curtas do festival. Começaria no dia 23 de maio para celebrar 21 anos de vida. O motivo maior do boicote foi um documentário de 81 minutos, O jardim das aflições, sobre o filósofo de direita Olavo de Carvalho. Os revoltados afirmaram, em nota, que a escolha "favorece um discurso partidário alinhado a grupos que compactuaram e financiaram o golpe ao Estado democrático de direito ocorrido no Brasil em 2016". O festival foi adiado por causa da debandada. A seleção era de nove filmes. Não seria isso o que se chama diversidade?
"Não é possível ter debate, só entre esquerdistas", me disse o diretor Josias Teófilo. Ele revelou que sua vida ficou "insustentável" em Brasília depois de resolver filmar Olavo de Carvalho. "Grandes festivais disseram que eu não era bem-vindo e que nunca mais eu conseguiria dirigir nada. Esse documentário foi feito com crowdfunding porque seria impossível tentar a Lei Rouanet. Vivemos a tirania da coletividade sobre o indivíduo. Quem está fora desse establishment de esquerda só encontra má vontade no campo do cinema."
A patrulha, de esquerda ou de direita, não é só burra, primária e insuportável. É perigosa. Favorece o obscurantismo, a ignorância. Na chamada esquerda brasileira, há grupos numerosos, especialmente no PT, que fazem distinção entre "a censura do bem" e a "censura do mal". "As ditaduras do bem", como Cuba e Venezuela, e "as do mal", de direita. É de uma insensatez frenética e fanática a forma como tantos intelectuais relativizam prisões, torturas, arbitrariedades, corrupção, censura, preconceito sexual, força do Estado... desde que o regime seja de esquerda.
"Esses cineastas que boicotaram o Festival de Pernambuco conseguem ser piores que Mao e Hitler, que assistiam aos filmes antes de censurar. Leonid Brejnev proibiu um filme de Tarkovski, mas assistiu antes. Esse grupo aí não viu e não gostou", disse o diretor Josias Teófilo. "O jardim das aflições é muito mais metafísico que político. Fala de Aristóteles e Platão. O documentário traz uma mensagem a favor da individualidade. Discorre sobre a morte. Não tem motivo esse desespero todo. Mandei mensagens simpáticas aos colegas revoltados, agradecendo pela divulgação. Eu não podia pagar assessoria de imprensa."
Olavo de Carvalho tem 70 anos, vive hoje em Petersburg, uma cidade americana de 30 mil habitantes com 80% deles negros. Dá curso on-line de filosofia para 3 mil alunos. É apontado como um dos mentores do conservador Movimento Brasil Livre (MBL), embora recuse esse título e critique "a direita emergente". É fervoroso opositor do PT e de Dilma. E crítico do governo Temer, que considera ilegítimo. "Como vice, Temer não tem rabo preso, ele é um rabo preso", disse ao repórter João Fellet, da BBC Brasil, em sua casa.
Militou no Partido Comunista durante a ditadura, foi amigo de José Dirceu, escondeu armas. Já se envolveu com esoterismo e astrologia. Mas se aproximou da Igreja Católica. Hoje, reza antes de dormir. Mantém uma espingarda sobre a cama para defesa pessoal e tem 30 rifles de caça. Olavo de Carvalho é um provocador, um polemista, a favor da "democracia plebiscitária".
Uma das diretoras que se retiraram da mostra em Pernambuco, Gabi Saegesser, do curta Iluminadas, disse que "O jardim das aflições vai contra qualquer possibilidade de diálogo", ao falar sobre “um dos maiores representantes do conservadorismo de direita”. Para a cineasta, a presença do título na programação "é como se o festival desrespeitasse a visão política e social de outros filmes". Não é só Olavo o alvo do boicote. Há outro filme, o longa de Rodrigo Bittencourt sobre as origens do Plano Real. Entre os diretores rebelados, estão Savio Leite, Cíntia Domit Bittar, Eva Randolph, Leo Tabosa.
Na arte, como na política e na vida, o Brasil passa por um momento delicado de torcidas e patotas que urram a favor e contra, distorcem a realidade e tentam calar o outro com discurso de ódio ou de vitimização. Tapar os ouvidos e os olhos a quem discorda de você é um atestado de fraqueza e autoritarismo. Você pode ou não acreditar que Lula não tem nenhuma influência sobre o PT. A cabeça é sua ainda. A aflição também.

"Temer não renuncia, foi renunciado pelos fatos"



Por Josias de Souza
Ao resumir o paradoxo em que se meteu, o próprio Temer falou do sucesso de sua gestão conjugando o verbo no passado: "Meu governo viveu nesta semana seu melhor e seu pior momento. Os indicadores de queda da inflação, os números de retorno do crescimento da economia e os dados de geração de empregos criaram esperanças de dias melhores. O otimismo retornava. E as reformas avançavam no Congresso Nacional."
O otimismo virou desespero. E as reformas foram enviadas ao freezer.
Temer prosseguiu: "Ontem, contudo, a revelação de conversa gravada clandestinamente trouxe de volta o fantasma de crise política de proporção ainda não dimensionada. Portanto, todo um imenso esforço de retirar o país de sua maior recessão pode se tornar inútil. E nós não podemos jogar no lixo da história tanto trabalho feito em prol do país."
As proporções da crise foram, sim, dimensionadas. Nas palavras de um ministro de Temer, "o governo não está no chão, já alcançou o subsolo." Foi Temer quem jogou os esforços no lixo. Fez isso ao imaginar que poderia governar com a cabeça nas reformas e os pés no lodo. Portou-se como se a Lava Jato não existisse. Deu no que deu.
E quanto às explicações? Bem, nessa matéria tão essencial, Temer ficou devendo. "Ouvi, realmente, o relato de um empresário que, por ter relações com um ex-deputado, auxiliava a família do ex-parlamentar." Evitou até mesmo dar nome aos bois. O empresário Joesley Batista, agora um delator, não auxiliava a família de ninguém. As investigações revelam que ele comprava o silêncio do presidiário Eduardo Cunha, um ex-deputado que guarda segredos insondáveis sobre Temer.
"Em nenhum momento autorizei que pagassem a quem quer que seja para ficar calado", disse Temer, sem fazer referência à frase captada no autogrampo de Joesley: "Tem que manter isso, viu?". "Não comprei o silêncio de ninguém. Por uma razão singelíssima: exata e precisamente porque não temo nenhuma delação", vociferou Temer. A demora em prover explicações, só agora expostas de maneira tão vagas, denuncia a precariedade das convicções do orador.
Temer parece viver a neurose do que está por vir depois que o Supremo Tribunal Federal levantar o sigilo da delação do Gripo JBS. E tem fundadas razões para cultivar os seus receios. Um presidente que precisa anunciar à nação que não renunciará perdeu a noção do tempo. Convertido de presidente em personagem de inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal, Temer precisa cuidar dos minutos, porque suas horas já passaram.