No Aprisco

No Aprisco

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Hiper Liquida Feira aquece as vendas do comércio a partir desta terça-feira



A campanha realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Feira de Santana começa nesta terça-feira, 1º. A 13ª edição da campanha conta com o patrocínio da Redecard e o apoio do Sebrae, Bradesco, Caixa Econômica Federal, do Governo do Estado e Governo Municipal.
Quem comprar no comércio feirense entre 1º e 15 de julho, concorre a dois carros e três motos 0Km. Serão 15 dias de promoção que promete aquecer as vendas na maior liquidação. A cada R$ 25,00 em compras, o consumidor tem direito a um cupom, se a compra for efetuada com o cartão de crédito, através da maquineta da Redcard, o consumidor recebe cupom em dobro, e se a compra for realizada com os cartões Hiper ou Hipercard recebe cupom em triplo. Os vendedores indicados nos cupons sorteados, serão premiados com um tablet.
A CDL promoveu nos dias 25, 26 e 27 de junho, treinamento dos vendedores do comércio local para a Campanha Hiper Liquida Feira 2014. A palestra Show Stand-Up Empresarial, ministrada por Gustavo Becker. Novidade no mercado de palestras, o trabalho desenvolvido por Gustavo usa elementos teatrais e o stand-up comedy para reforçar conceitos empresariais importantes de maneira descontraída e didática. Gustavo Becker é ator, administrador de empresas e palestrante motivacional Foi gestor comercial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), atuou em diversos espetáculos teatrais premiados, cinema e TV. 

Lojistas participantes da Liquida poderão parcelar o ICMS

 O decreto de Nº 15.201 de 13 de junho 2014, expedido pelo Governo do Estado da Bahia garante aos contribuintes varejistas inscritos no Cadastro de Contribuintes do ICMS baiano (CAD-ICMS) que aderirem à campanha Hiper Liquida Feira 2014, promovida anualmente pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Feira de Santana , parcelamento do ICMS.
De acordo com o decreto, às saídas de mercadorias realizadas no mês de julho, será parcelada em três vezes mensais, iguais e consecutivas, com datas definidas a partir do mês de agosto. O recolhimento da antecipação tributária prevista no inciso II do art. 352 do Regulamento do ICMS (RICMS), aprovado pelo decreto de nº 6.284, de 14 de março de 1997, também poderá ser efetuado em três parcelas mensais, seguindo os mesmos critérios do parcelamento do ICMS.
(Com informações de Silvana Ferraz, da Assessoria de Comunicação da CDL)

"Em um ano de socialismo, mais 737 mil venezuelanos caem na pobreza extrema"


No primeiro ano do “"ocialismo do século XXI" sob o continuador de Hugo Chávez, mais 737 mil venezuelanos caíram na pobreza extrema, informa o jornal "El País" de Madri.
A inflação anual atingiu 56,2%, e o "índice de desabastecimento" (calculado sobre o total de produtos vendidos no país) 25,3%.
Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), o índice de pobreza extrema passou de 7,1% no segundo semestre de 2012 para 9,8% ao mesmo período em 2013.
Quer dizer, mais 737.364 venezuelanos. No total, 2.791.292 cidadãos estão nessa situação deplorável, num país que supera os 30 milhões de habitantes e que em virtude de suas imensas jazidas petrolíferas ostentava uma riqueza invejável. Em outros termos, mais 189.086 famílias ficaram sem recursos para pagar sua alimentação básica.
O "socialismo do século XXI", que tem tantos admiradores e imitadores no Brasil, orgulhava-se de ter diminuído esses indicadores na última década apelando a planos de redistribuição da riqueza e grandes gastos públicos.
Resultados efêmeros foram obtidos, para alegria dos estatísticos do governo. Mas o artifício não podia durar muitos anos.
Agora, como muitos previam - e por isso eram tidos como profetas de desgraça - a catástrofe aconteceu.
A inflação está sem controle (só 73,8% nos alimentos!!) e a moeda estrangeira não é encontrada em forma legal, mas só a preços astronômicos.
As exportações quase desapareceram. Só fica o petróleo, 96% de cujos proventos vão para o governo, que diz não conseguir pagar suas dívidas mais básicas.
A atividade econômica privada ficou reduzida ao mínimo pela estatização de largos setores e o afogamento cambial, tributário e regulamentar imposto pelo governo "popular".
A produção petrolífera caiu e a Venezuela despencou no ranking mundial de produtores e exportadores.O socialismo vende petróleo a países amigos como Cuba, com grandes perdas para financiar a revolução. Ainda paga à China por empréstimos já embolsados.

Relatório publicado pelo jornal "El Universal", de Caracas, aponta que o governo aprovou uma transferência de moeda a empresas e particulares do setor produtivo no valor de 20 bilhões dólares através da Cadivi (uma desaparecida agência do governo), mas que o dinheiro nunca chegou aos destinatários.
As estimativas falam que o erário público teria sido depenado pela clique socialista num total equivalente a "95% das reservas internacionais".
O governo cria continuamente 'bolsas' ou 'programas sociais' denominados Missões, porém nem estes dão o que prometem.
Os serviços básicos estão diminuindo, faltam alimentos nas prateleiras dos supermercados de Missões, ou ficam inacessíveis no "mercado negro" em que figuras do governo se locupletam.

A Assembleia Nacional (Legislativo), ministros de diversas áreas e até o presidente Maduro são interpelados regularmente, mas fazem caso omisso.

Como explicação, o governo fala de uma fantasmagórica conspiração e uma guerra econômica obviamente desatada pelo "Império" leia-se Estados Unidos, o capitalismo, o imperialismo, os ianques, os oligarcas etc. etc.
Dir-se-ia que um bando de esquizofrênicos apossou-se da Venezuela e a leva para a ruína. Mas não é o caso.
Trata-se de um grupo ideológico teledirigido desde Cuba e afim com a Teologia da Libertação, que quer imergir na miséria e no desespero - que fazem pensar na desgraça eterna do inferno - um continente como a América Latina tão largamente dotado de recursos naturais pela Providência Divina.

Calendário eleitoral

Pelo calendário eleitoral de 2014, no sábado, 5 de julho, data limite para os registros dos candidatos, pelos partidos ou coligações. No dia seguinte, domingo, 6, passa a ser permitida a realização de propaganda eleitoral.

Lista dos 100 melhores filmes

Quem melhor para julgar os melhores filmes da história do que as pessoas que trabalham com cinema? A partir dessa pergunta, a revista "The Hollywood Reporter" pediu que atores, produtores, diretores, roteiristas e executivos da indústria do cinema e da TV apontassem os 100 melhores filmes de todos os tempos.
"O Poderoso Chefão", de Francis Ford Coppola, aparece em primeiro lugar. "Cidadão Kane", que é primeiro em outras listas, aparece em terceiro lugar.
A lista completa - os títulos em negrito não foram vistos pelo jornalista Dimas Oliveira
1. "O Poderoso Chefão" (1972)
2. "O Mágico de Oz" (1939)
3. "Cidadão Kane" (1941)
4. "Um Sonho de Liberdade" (1994)
5. "Pulp Fiction" (1994)
6. "Casablanca" (1942)
7. "O Poderoso Chefão 2" (1974)
8. "E.T." (1982)
9. "2001: Uma Odisséia no Espaço" (1968)
10. "A Lista de Schindler" (1993)
11. "Guerra nas Estrelas" (1977)
12. "De Volta Para o Futuro" (1985)
13. "Os Caçadores da Arca Perdida" (1981)
14. "Forrest Gump" (1994)
15. "... E o Vento Levou" (1939)
16. "O Sol É Para Todos" (1962)
17. "Apocalypse Now" (1979)
18. "Noivo Neurótico, Noiva Nervosa" (1977)
19. "Os Bons Companheiros" (1990)
20. "A Felicidade Não Se Compra" (1946)
21. "Chinatown" (1974)
22. "O Silêncio dos Inocentes" (1991)
23. "Lawrence da Arábia" (1962)
24. "Tubarão" (1975)
25. "A Noviça Rebelde" (1965)
26. "Cantando na Chuva" (1952)
27. "Clube dos Cinco" (1985)
28. "A Primeira Noite de um Homem" (1967)
29. "Blade Runner - O Caçador de Andróides" (1982)
30. "Um Estranho no Ninho" (1975)
31. "A Princesa Prometida" (1987)
32. "Star Wars: Episódio V - O Império Contra-Ataca" (1980)
33. "Fargo" (1996)
34. "Beleza Americana" (1999)
35. "Laranja Mecânica" (1971)
36. "Curtindo a Vida Adoidado" (1986)
37. "Dr. Fantástico" (1964)
38. "Harry & Sally - Feitos um Para o Outro" (1989)
39. "O Iluminado" (1980)
40. "O Clube da Luta" (1999)
41. "Psicose" (1960)
42. "Alien" (1979)
43. "Toy Story" (1995)
44. "Matrix" (1999)
45. "Titanic" (1997)
46. "O Resgate do Soldado Ryan" (1998)
47. "Quanto Mais Quente Melhor" (1959)
48. "Os Suspeitos" (1995)
49. "Janela Indiscreta" (1954)
50. "Jurassic Park" (1993)
51. "O Grande Lebowski" (1998)
52. "A Malvada" (1950)
53. "Gênio Indomável" (1997)
54. "Butch Cassidy" (1969)
55. "Taxi Driver" (1976)
56. "Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças" (2004)
57. "O Cavaleiro das Trevas" (2008)
58. "Crepúsculo dos Deuses" (1950)
59. "Thelma & Louise" (1991)
60. "O Fabuloso Destino de Amelie Poulain" (2001)
61. "Amor, Sublime Amor" (1961)
62. "Intriga Internacional" (1959)
63. "Feitiço do Tempo" (1993)
64. "Mary Poppins" (1964)
65. "Touro Indomável" (1980)
66. "O Rei Leão" (1994)
67. "Avatar" (2009)
68. "Monty Python e o Cálice Sagrado" (1975)
69. "Gladiador" (2000)
70. "Um Corpo Que Cai" (1958)
71. "Quase Famosos" (2000)
72. "O Jovem Frankenstein" (1974)
73. "Todos os Homens do Presidente (1976)
74. "Banzé no Oeste" (1974)
75. "A Ponte do Rio Kwai" (1957)
76. "Brokeback Mountain" (2005)
77. "Os Caça-Fantasma" (1984)
78. "12 Homens e uma Sentença" (1957)
79. "Wall-E" (2008)
80. "Sindicato dos Ladrões" (1954)
81. "Amadeus" (1984)
82. "O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel" (2001)
83. "Duro de Matar" (1988)
84. "Inception" (2010)
85. "Seven" (1995)
86. "A Bela e a Fera" (1991)
87. "O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei" (2003)
88. "Quem Quer Ser um Milionário" (2008)
89. "Coração Selvagem" (1995)
90. "Amnésia" (2000)
91. "Rocky: O Lutador" (1976)
92. "Up" (2009)
93. "Contatos Imediatos do Terceiro Grau" (1977)
94. "O Franco Atirador" (1978)
95. "Doutor Jivago" (1965)
96. "O Labirinto do Fauno" (2006)
97. "Apertem os Cintos... O Piloto Sumiu" (1980)
98. "Cães de aluguel" (1992)
99. "Bonnie e Clyde (1967)

100. "Os Sete Samurais" (1954).

"A Marcha dos Infames"



Música de Lobão
Aqueles que não são
E que jamais serão
Abusam do Poder
demência e obsessão

Insistem em atacar
Com as chagas abertas do rancor
E aos incautos fazer crer
Que seu ódio no peito é amor

Tanto martírio em vão
Estupro da nação
Até quando esse sonho ruim,
esse pesadelo sem fim?

Apedrejando irmãos
E os que não são iguais
A destruição é a fé,
E a morte e a vida, banais

E um céu sem esperança
a Infâmia cobriu
com o manto da ignorância
o desastre que nos pariu

E o sangue dos ladrões
De outros carnavais
Na veia de vilões
Tratados como heróis

E até quando ouvir
Cretinos e boçais
Mentir, mentir, mentir
Eternamente mentir

Mas o dia chegará
em que chão da Pátria irá tremer
e o que não é, não mais será
em nome do povo, o Poder


"Candidato azedo"



Heraldo Rocha, do Democratas de Salvador, disse que a candidatura de Rui Costa (PT) para o governo baiano é como remédio azedo em boca de criança. "Só desce se tiver alguém mais forte pressionando para que não seja cuspido", disse, referindo-se ao governador Jaques Wagner.
Fonte: Cláudio Humberto

domingo, 29 de junho de 2014

Seleções 100 por cento



A Holanda, 100 por cento na Copa do Mundo, avança para as quartas de final, onde vai enfrentar Costa Rica ou Grécia. Acaba de ganhar do México, de virada, por 2 a 1. A Colômbia também vai às quartas com 100% de aproveitamento. Argentina e Bélgica também podem avançar com 100 por cento.

Antecipando lembrança de Maria Quitéria



Maria Quitéria retratada na pintura de Domenico Failutti (1872-1923)  
Acervo: Fundação Biblioteca Nacional
 
Com o 2 de Julho se aproximando, nesta quarta-feira, a lembrança de Maria Quitéria de Jesus (Feira de Santana, 27 de julho de 1792 - Salvador, 21 de agosto de 1853).
A feirense foi heroína da Guerra da Independência. A imagem a óleo de Maria Quitéria, 1,55 x 2,535, obra do italiano Domenico Failutti (1873-1923), foi presenteado pela Câmara Municipal de Cachoeira e integra o acervo do Museu do Ipiranga, em São Paulo-SP, por Decreto da Presidência da República, de 28 de junho de 1996. Maria Quitéria foi reconhecida como Patronesse do Quadro Complementar de Oficiais do Exército Brasileiro. A sua imagem encontra-se em todos os quarteis e repartições da Arma, por determinação ministerial, bem como reproduzida em livros de História do Brasil.
Em sua terra tem seu nome em distrito, no Paço Municipal, em uma das principais avenidas, em Colégio Estadual, em monumento, em comenda da Câmara Municipal.
Na revista "Veja", edição de 25 de dezembro de 2011, uma matéria especial sobre História, "50 grandes brasileiros e seu legado", que insere a feirense Maria Quitéria entre os personagens "que ajudaram a construir o Brasil e que ainda inspiram as gerações atuais na tarefa de antecipar o futuro".
Maria Quitéria (1792-1835)
Nascida em São José das Itapororocas, na Bahia, ficou orfã da mãe aos 9 anos e assumiu o comando da casa. Na juventude, montava, caçava, manejava armas de fogo e dançava lundus com os escravos. Em 1822, vestida com a farda do tio, alistou-se nas tropas que lutavam pela causa da independência do Brasil. Adotou o nome do cunhado, soldado Medeiros, e ingressou no Regimento de Artilharia. Mais tarde, foi transferida para o Batalhão dos Periquitos. No combate de Pituba, em fevereiro de 1823, destacou-se por ter feito prisioneiros. Depois da entrada no Exército Libertador, em Salvador, foi condecorada no Rio de Janeiro com a insígnia de Cavaleiro da Imperial Ordem do Cruzeiro pelo imperador dom Pedro I. Retornou à fazenda Serra da Agulha, onde foi aclamada como heroína pela família e pela população local. Casou-se com o lavrador Gabriel Pereira de Brito e teve uma única filha, Luísa da Conceição. Morreu em Salvador, onde vivia de seu soldo de alferes, já quase cega. (Verbete escrito pela historiadora Mary Del Priore)
Como pioneira no desafio ao preconceito de gênero, ficaria impressionada com a participação das mulheres em todas as esferas da vida profissional.
*
1. Além de Maria Quitéria, apenas outra personagem mulher, a princesa Isabel.
2. Além de Maria Quitéria, mais quatro baianos entre os 50: Frei Vicente do Salvador, Luís Gama, Rui Barbosa e Anísio Teixeira. 

"Bolsa Família custou R$ 2,1 bilhões só em maio"



Em pleno ano eleitoral, o governo Dilma havia distribuído até abril R$ 8,45 bilhões a famílias "em condição de pobreza e extrema pobreza", segundo dados do Portal Transparência. Somados os gastos de maio à conta da Bolsa Família, o total dispara para R$ 10,54 bilhões. A Bahia, do correligionário petista Jacques Wagner, não é o maior Estado, mas foi o que mais recebeu verbas do programa em 2014: R$ 1,36 bilhão.
Ano de gastos
Se continuar no mesmo ritmo, Dilma deve gastar com o Bolsa Família, no seu último ano de governo, quase o dobro do governo Lula.
Fonte: Claudio Humberto

sábado, 28 de junho de 2014

Promessas: imagina na campanha eleitoral!

Por Heitor Scalambrini Costa

Em Pernambuco, terra do "caçador de raposas políticas" - o ex-governador e candidato a presidente da Republica pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), Eduardo Campos - a disputa eleitoral tem como marca o "racha" no aglomerado de partidos políticos denominado Frente Popular, que garantiu sua base de apoio durante os dois mandatos consecutivos, de 2006 a 2014.
Com o rompimento, a polarização promete ser acirrada com o outro candidato, do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Armando Monteiro, ex-presidente da Federação da Industria do Estado de Pernambuco (FIEPE) e da Confederação Nacional da Industria (CNI) e senador eleito por uma outrora e agora dividida Frente Popular, que está sendo apoiado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), e pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), ambos ex-associados da Frente.
O ex-governador Campos escolheu, como candidato, alguém de dentro da sua "entourage familiar", o que demonstra seu interesse de criar um grupo serviçal e de irrestrita confiança, para atender a seus interesses políticos. O ungido, Paulo Câmara, foi seu ex-secretário (Administração, Turismo e Fazenda) nos dois mandatos.
Nestes dois últimos meses (maio-junho) de campanha eleitoral não autorizada, o que surpreendeu e me chamou a atenção, a ponto de escrever este artigo, foi a desenvoltura do candidato governista como criador de ilusões, devida ao número de promessas feitas em tão pouco tempo. Imaginem o que não fará até as eleições!!!.
Muito pouco é questionado sobre o por que, como membro do governo nos últimos oito anos, não fez o que agora promete na campanha eleitoral. Parece a todos que guardou para as eleições a promessa de atendimento às demandas da população, às quais não apoiou enquanto esteve no governo.  Por que agora se deve acreditar que irá cumpri-las caso eleito?
Para cada região, para cada município, para cada grupo político que coopta, ele oferece um pacote de bondades disfarçado em promessas. É triste ver o toma lá dá cá fisiológico como moeda corrente da política brasileira. No vale-tudo, onde o objetivo principal é a conquista do poder, tudo é permitido. Relato a seguir algumas das pródigas promessas feitas pelo candidato Câmara em poucos dias de campanha não oficial, já que esta somente começará a partir de 6 de julho.
1) Reunido com produtores de caprinos e ovinos da cidade de Parnamirim, Sertão do Estado (23 de maio), prometeu fortalecer o setor pecuário do município incluindo carne na merenda escolar. Afirmou que aumentará para três vezes por semana o número de fornecimento de carne. Somente agora! Porque não quando estava no governo? Disse ainda que analisará, junto com sua equipe, a implantação de uma escola técnica no município.
 2) No documento em que constam às diretrizes para o seu programa de governo na área de Saúde (27 de maio), prevê investimentos de R$ 478 milhões no setor. Inclui a construção de três novos hospitais: o Hospital Geral de Cirurgia, no Grande Recife; o Hospital Geral do Sertão (HGS), em Serra Talhada; e o Hospital da Mulher do São Francisco, em Petrolina. Também se compromete a tirar do papel o projeto do Hospital Regional Mestre Dominguinhos, em Garanhuns, o que já havia sido prometido pelo governo anterior. Além disso, prometeu transformar o Hospital Professor Agamenon Magalhães, em Serra Talhada, no Hospital da Mulher do Sertão. No Recife, o Hospital Geral de Areias viraria o novo Hospital do Idoso. Sem contar com a construção de seis novas Unidades de Pronto-Atendimentos (UPA´s), estas que, depois de construídas com dinheiro público, serão entregues, como as UPA´s anteriores, sem qualquer custo, à iniciativa privada.
3) Em sua viagem pelo Sertão do São Francisco, em Cabrobó (30 de maio), o candidato assumiu o compromisso de pavimentar a chamada Estrada da Cebola, que liga aquela cidade a Terra Nova. Garantiu ainda que será a primeira estrada a ser pavimentada, caso eleito. Também prometeu transformar duas escolas municipais em estabelecimentos de referência. Além de se empenhar para levar uma extensão da Universidade de Pernambuco (UPE) para o município e viabilizar a construção de uma escola técnica local. A bem da verdade, o Conselho Universitário da Universidade de Pernambuco (UPE) já decidiu que não vai abrir novos cursos e campus no próximo ano, por falta de professores, servidores e de investimentos em infraestrutura deficientes (laboratórios, bibliotecas, etc.).
4) Em Petrolina (31 de maio), reforçou a promessa de criação do Hospital da Mulher do São Francisco, que consta nas diretrizes para a Saúde apresentadas no dia 27 de maio. Com um investimento de R$ 84 milhões, contaria (segundo a assessoria de comunicação do candidato), com 110 leitos, e uma capacidade projetada de realizar 2,8 mil atendimentos de urgência por mês, 10 mil exames de imagem e 26 mil consultas. A proposta é realmente importante para a região, todavia o hospital e os equipamentos somente funcionam com pessoas qualificadas e motivadas. Hoje os hospitais existentes carecem de infraestrutura, manutenção e pessoal. Por que não se projeta melhoria também para esses hospitais? Será que somente novas construções atraem o voto do eleitor?
5) Durante visitas pelo Agreste Meridional, em Garanhuns (7 de junho), prometeu construir ainda um outro hospital para atender pacientes da região, o Mestre Dominguinhos, assegurando que o equipamento atenderá à demanda de alta complexidade existente na região. Além de “assegurar ações com o programa Doutor Chegou, com mutirões de cirurgias, consultas e exames; Medicamento em Casa; e a ampliação do Pernambuco Conduz, humanizando e aproximando o serviço de saúde para quem mais precisa, especialmente no interior”, conforme suas palavras. Prometeu que irá levar para o interior a qualidade que o serviço de saúde tem na Região Metropolitana do Recife (sic!). Saúde é apontada pela população com um dos maiores problemas.
6) No município de Calçado (8 de junho), no Agreste Meridional, assumiu o compromisso de, quando (se) eleito, uma de suas primeiras ações será a implantação da adutora que levará água da barragem Pau Ferro à cidade, assim como ás vizinhas Jupi e Jucati. Garantiu que esta obra será (também) uma das primeiras coisas que irá fazer em 2015.
7) No município de Arcoverde (18 de junho), prometeu a duplicação da rodovia federal BR 232 de Caruaru a até aquele município (100 km). Talvez tenha "outra Celpe" para vender, e assim levantar recursos para cumprir sua promessa.
8) Em Glória do Goitá (20 de junho), comprometeu-se a investir para ampliar o desenvolvimento da cidade. Garantiu vagas para todos os alunos que quiserem estudar em escolas de tempo integral e em escolas técnicas. Também prometeu que levará a sua equipe a proposta de construir uma segunda escola de referência, a pavimentação da PE-50 e a ampliação do hospital municipal.
9) Em viagem á região Agreste (21 de junho), passando por quatro cidades, garantiu que, se eleito, fará o recapeamento da estrada entre Serra da Capoeira e Machados, além de viabilizar a duplicação da PE-90, rodovia que liga Limoeiro a Toritama. Não se pode esquecer o Plano de Infraestrutura Rodoviária de Pernambuco – Caminhos da Integração, anunciado em setembro de 2011, que previa investimentos de R$ 1,98 bilhões em 73 rodovias do estado. O projeto visava obras de restauro, implantação, requalificação e duplicação de 1.973 km de rodovias em Pernambuco. Frustrou muitos municípios. Mas agora as promessas voltam, "requentadas".
10) Na cidade de Vertentes (22 de junho), integrante do pólo de jeans do estado, que também inclui os municípios de Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe, afirmou que isentará do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) as lavanderias de jeans. Diminuir impostos é uma promessa recorrente entre candidatos. E por que não o fez como secretario da Fazenda?  Naquela região não se pode ainda esquecer o grave problema ambiental causado por estas industrias, cuja solução caminha a "passos de tartaruga".
Paulo Câmara segue o figurino de seu criador e mentor, hoje candidato à presidência da Republica, que percorre o Brasil afora prometendo ações e realizações, mostrando Pernambuco como exemplo de sua "gestão moderna e eficiente". Esta tecla repetida insistentemente, de que Pernambuco difere do governo federal e de outros estados da federação na área da gestão, é uma falácia. De que, aqui, os “meninos de ouro” comandados pelo candidato Campos têm "capacidade de tirar do papel e transformar em realidade" e que "o modelo de gestão prima pela meritocracia, com indicações de pessoas técnicas para cargos públicos chaves e valorização do serviço público com metas e cobranças", conforme o candidato Câmara mais uma vez repetiu na sabatina promovida pela TV Jornal (29 de maio). Basta um mínimo de seriedade e honestidade para comprovar como o governo de Pernambuco não difere administrativamente em nada de outros estados do país e do governo federal. Como exemplo recente, citemos as obras prometidas para antes da Copa e que não foram entregues.
Como visto, promessas não faltam, e não faltarão, até o dia da eleição. Câmara já fez três grandes promessas em poucos dias, além de várias outras acima relatadas: duplicar uma estrada federal, a BR-232, de São Caetano até Arcoverde (100 km), instituir o bilhete único na área metropolitana e construir três novos hospitais regionais e seis UPA´s.
Candidatos com o texto do seu marqueteiro prometem resolver todos os problemas. O eleitor acredita, vota e desanima, ao ver que foi enganado. Não devemos esquecer que somos nós, os eleitores, que escolhemos aqueles que irão nos governar. Portanto, "olho neles". Cabe ao eleitor/cidadão valorizar seu voto, não se deixando iludir com candidaturas que vendem ilusões.
Heitor Scalambrini Costa é professor da Universidade Federal de Pernambuco

Visão de "Tudo o Que o Céu Permite"



O melodrama clássico "Tudo o Que o Céu Permite" (All That Heaven Allows), de Douglas Sirk, 1955, foi visto no TeleCine Cult, na manhã deste sábado, 28. Estrelado por Jane Wyman e Rock Hudson. Ela faz uma respeitável viúva na faixa de 40 anos, de alta classe média, com dois filhos crescidos (William Reynolds e Gloria Talbot) e ele um jardineiro. Mesmo ele sendo 15 anos mais novo, ela assume a paixão, enfrentando preconceitos de seus amigos e até mesmo dos filhos, que não aceitam a sua relação com um jovem de classe social diferente.
Aborda a questão da hipocrisia e da submissão às convenções sociais. Antes, em 1954, Jane Wyman e Rock Hudson atuaram juntos em outro filme de Douglas Sirk, "Sublime Obsessão" (Magnificent Obsession).
Ambos foram exibidos em Feira de Santana no Cine Santanópolis, entre o final dos anos 50 e início dos anos 60.

Assista ao trailer: http://youtu.be/WxKb0QsUtNY

Ainda no elenco: Agnes Moorehead, Conrad Nagel, Virginia Grey, Charles Drake, Jacqueline deWit e em rápidas aparições Merry Anders, David Janssen e Gia Scala. 
Uma seqüência destacada é quando a viúva recebe do filho um aparelho de televisão como presente de Natal. Ele diz à mãe que a tevê vai ajudá-la a combater a solidão, proporcionando "uma janela para o mundo". A questão é que ela não quer uma janela para olhar. Seu sentimento é querer amar e ser amada. Assim, também uma crítica ao surgimento do veículo.
Por filmes como "Tudo que o Céu Permite", Douglas Sirk se tornou um dos mais influentes cineastas dos anos 50, com seu estilo extravagante, marcado pelo uso do Tecnicolor de cores fortes e explosivas (fotografia de Russell Metty). Sirk é reconhecido pela utilização de técnicas do melodrama, como música abundante (tem até peças de Franz Liszt - "Consolação Nº 3 em Dó Maior", e Johannes Brahms - "Sinfonia Nº 1" -, emoções ilimitadas e lágrimas para emocionar o público, atingindo-o diretamente no coração.
Em 1974, Rainer Werner Fassbinder homenageou Sirk com o filme "O Medo Devora a Alma" (Fear Eats the Soul); em 2002, Todd Haynes faz referência a "Tudo o Que o Céu Permite" com "Longe do Paraíso" (Far From Heaven), e o espanhol Pedro Almodóvar, no mesmo ano, com "Fale Com Ela" (Hable Con Ella).

Deu em Claudio Humberto


sexta-feira, 27 de junho de 2014

"Dilma tenta, mais uma vez, usar o ódio como um ativo eleitoral! Lula conta piadas involuntárias"



Por Reinaldo Azevedo
A presidente Dilma Rousseff, a criatura, participou da convenção do PT baiano que oficializou a candidatura de Rui Costa ao Governo do Estado. Disse que estava feliz por estar lá no momento em que seus "adversários apelam para o ódio, apelam para os xingamentos e apelam para a política desqualificada".
De novo essa conversa! Muito bem! Desafia-se aqui qualquer petista a demonstrar em que momento as oposições recorreram a esses expedientes. Isso nunca aconteceu! O PT, sim, é um "odiador" profissional. Quando, em 2003, Lula, o criador, lançou a tese vigarista da "herança maldita", estava fazendo o quê? Amando? Até porque a herança era bendita. Quem xingou Dilma no Itaquerão não foi a oposição, mas os torcedores.
Lula também estava presente, claro! O homem falou, ora vejam, da necessidade de uma reforma que moralize a política. O chefão petista que, até agora, nega a existência óbvia do mensalão, se apresenta como um moralizador. Parece piada. O PT, como sabemos, insiste em fazer um plebiscito para arrancar uma constituinte exclusiva para fazer tal reforma. O expediente só seria benéfico ao próprio partido.
O ex-presidente estava mesmo propenso à piada. Afirmou que o tal "mercado" nunca apoiou o PT, o que, obviamente, é mentira. Basta ver as doações que os petistas receberam e recebem do tal "mercado". Aliás, é do próprio Lula a frase de que o setor financeiro nunca lucrou tanto como em sua gestão, o que é verdade.
Fonte: "Blog Reinaldo Azevedo"

"Copa 2014: Assessor da CBF tem piti e faz voltar clima de 'Ame-o ou deixe-o' da ditadura para cima de jornalista chileno"


Por Ricardo Setti
Uma pergunta absolutamente normal e corriqueira de um jornalista do Chile dirigida hoje ao técnico Felipão e ao capitão da Seleção Brasileira, Thiago Silva, durante entrevista coletiva em Belo Horizonte provocou uma reação intempestiva e absurda do assessor de imprensa da CBF, Rodrigo Paiva.
O jornalista queria saber a reação de Felipão e Thiago à preocupação existente no Chile quanto à possibilidade de não haver uma arbitragem isenta na partida que o Brasil disputará amanhã, no Maracanã, contra a seleção chilena, pelas oitavas de final.
Paiva, encastelado na CBF há 21 anos, amigão de Ricardo Teixeira - o mesmo Teixeira escorraçado da CBF sob uma nuvem de denúncias após 23 anos de mando e desmandos, hoje em exílio milionário na Flórida - que o sucessor, José Maria Marín, manteve no cargo, censurou a resposta e investiu contra o jornalista chileno:
- Esse tema é primitivo e imaturo - atacou ele. - Soa até ridículo. Não é apenas um desrespeito com a Fifa, é um desrespeito com a história da seleção brasileira e com o povo brasileiro. O Brasil não precisa de árbitro para ganhar título e nós não vamos mais falar sobre isso -, avisou, enquanto Felipão e Thiago permaneciam calados e imóveis.
Desrespeito "ao povo brasileiro" como, cara-pálida?
Quando, como e por que esse camarada acha que pode se arvorar em alguém que fala "pelo povo brasileiro"?
Por acaso estamos na época infeliz e negra do "Ame-o ou deixe-o"?
Paiva praticamente mandou o jornalista chileno calar a boca, quando deveria ficar quietinho em seu canto e deixar que Felipão e Thiago Silva respondessem - até porque perguntar é obrigação de jornalista e, como se sabe, não ofende.
Além de que o repórter chileno fez uma pergunta absolutamente pertinente, devido ao peso da camisa verde-amarela ao qual se soma o fato de o Brasil ser o anfitrião da Copa. Tão pertinente que basta lembrar o pênalti inexistente em Fred contra a Croácia, causa do primeiro gol da Seleção na Copa.
A pergunta era mais pertinente ainda sendo o jornalista do Chile, país onde o Brasil conquistou a Copa de 1962, sendo bicampeão deixando atrás de si, porém, um rastro de irregularidades. No terceiro e decisivo jogo da fase de grupos, por exemplo, em que a Seleção precisaria pelo menos empatar com a Espanha mas, já no segundo tempo, perdia por 1 a 0, houve um pênalti escandaloso de Nilton Santos no ponta Collar que o juiz assinalou como falta fora da área.
Na sequência da jogada, a falta que não foi falta, batida pelo grande Puskas, resultou em gol de Peiró, que o árbitro anulou até hoje não se sabe por quê. Um 2 a 0 para a Espanha já passada a metade do segundo tempo seria um problemaço, meio caminho andado para a eliminação do time do técnico Aymoré Moreia. (A Seleção jogou sem Pelé, contundido no 0 a 0 anterior contra o Tchecoslováquia.)
Na semifinal contra o próprio Chile, vencida pelo Brasil por 4 a 2, Garrincha - o principal craque do time com a ausência de Pelé - foi expulso por falta violenta e, obviamente, não deveria jogar a final, que seria contra a mesma Tchecoslováquia. Ao Tribunal Disciplinar da Fifa, o juiz peruano Arturo Yamasaki informou que mandara Garrincha para o chuveiro por informação do bandeirinha uruguaio Esteban Marino, já que não vira direito o lance.
A Fifa tentou ouvir Marino, mas ele havia sumido do Chile. Até hoje não se sabe direito o que ocorreu, embora haja grandes suspeitas - inclusive porque Marino fez proveitosa carreira como árbitro, posteriormente, no Brasil.
Então, onde é que está o desrespeito?
Seria desrespeito "ao povo argentino" falar do gol de mão de Maradona contra os ingleses na Copa de 1986?
Desrespeito ao povo brasileiro não é fazer perguntas, tarefa e obrigação de jornalistas.
Desrespeito ao povo brasileiro são as práticas, hábitos e forma de agir, em nome do Brasil, que a CBF faz, impunemente, há décadas. Desrespeito é ter tido João Havelange e Ricardo Teixeira como presidentes. Desrespeito é ter no comando, desde 2012, um político aposentado de terceira, cria do malufismo e ex-governador biônico de São Paulo durante alguns meses por imposição da ditadura militar.
Fonte: "Coluna do Ricardo Setti"

"Só um intervalo"



Por J. R. Guzzo

 Um jogo de futebol, mesmo um jogo de abertura de Copa do Mundo e com o time brasileiro em campo, é apenas um jogo de futebol. Para a maioria da população brasileira, as aflições da luta diária e silenciosa pela sobrevivência são bem maiores, na prática, do que qualquer tristeza esportiva; ninguém tem tempo para ficar chorando quando é preciso encarar, logo na madrugada seguinte, três horas de ônibus, metrô e trem para ir até o trabalho. O ex-presidente Lula pode achar que é uma "babaquice" pensar em transporte público de primeira classe para quem vive na terceira, nesta bendita Copa que inventou de trazer para o Brasil sete anos atrás. Pode achar o que quiser, mas não vai aliviar em um grama a selvageria imposta à população para que ela exerça seu direito constitucional de ir do ponto A ao ponto B - e muitos outros prometidos em troca dos 30 bilhões de reais que custará a Copa mais cara da história, num país onde a classe média começa nos 290 reais de renda por mês. Do mesmo modo, as alegrias da vitória são apenas momentos que brilham, depois de leve oscilam, e se desfazem num prazo médio de 48 horas.
A vitória do Brasil sobre a Croácia por 3 a 1, em sua estreia na mais grandiosa e emocionante disputa esportiva do planeta, foi um desses momentos que valem enquanto duram. Não garante nada, é claro, numa competição de alpinismo em que cada passo rumo ao topo é mais difícil que o passo anterior; garante mais, em todo caso, que uma derrota. Mas para a vida do Brasil e dos brasileiros é apenas um intervalo que não muda nada – justamente numa hora em que é urgente mudar tanto. É urgente porque o Brasil se encontra, neste mês de junho de 2014, em estado de desgoverno. A questão, a esta altura, não é dizer que o governo da presidente Dilma Rousseff tem tudo para ficar entre os piores que o país jamais teve. Isso muita gente, e cada vez mais gente, já está cansada de saber - segundo a última pesquisa do Pew Institute, organização americana de imparcialidade e competência indiscutíveis, mais de 70% dos brasileiros estão hoje descontentes com o governo; eram 55% em 2013. Esse nível de frustração, segundo o instituto, "não tem paralelo em anos recentes". Que mais seria preciso dizer? O problema real, seja qual for o resultado final da Copa, é que o governo federal deixou de existir como autoridade responsável; traiu os eleitores, suprimindo o seu direito de ser governados sob o império da lei, e passou a agir no mundo da treva. Não se sabe se os donos do poder estão sonhando em arrastar o Brasil para uma aventura totalitária. Mas certamente dão a impressão de quererem algo muito parecido com isso.
Lula, Dilma, o PT e as forças postas a seu serviço não aceitam, por tudo o que dizem e sobretudo pelo que fazem, a ideia de perder a eleição presidencial de outubro. Por esse objetivo, mandaram a governança do país para o diabo e empregam 100% de suas energias, sua capacidade de cometer atos ilegais e seu livre acesso ao dinheiro público para impedir que a massa dos insatisfeitos possa eleger para a Presidência qualquer candidato que não se chame Dilma Rousseff. Uma greve ilegal e abusiva dos agentes do metrô de São Paulo, armada na zona escura dos apoios clandestinos ao governo, fez algo inédito: montou piquetes para impedir que os passageiros chegassem aos trens - dentro da estratégia de impor a desordem nos serviços públicos paulistas e, com isso, prejudicar candidatos da oposição. Um decreto da presidente criou, e quer tornar efetivos, uns "conselhos populares" com poderes e competências acima dos do Congresso Nacional e do Judiciário. Num país com 55 000 assassinatos por ano, o governo nega aos cidadãos o direito fundamental à vida, ao tornar-se cúmplice dos criminosos com sua tolerância máxima ao crime - em quase doze anos de governo, Lula e Dilma não disseram uma única palavra contra esse massacre, e muito menos tomaram a mínima providência a respeito. Ambos tiveram, ou compraram, o apoio de 70% do Congresso; o que fizeram de útil com essa imensa maioria? Zero. Ela foi usada apenas para impedir investigações sobre seus crimes, como na espetacular sequência de escândalos na Petrobras, por exemplo, e encher o PT e seus aliados com empregos públicos, verbas e oportunidades de negócio. O uso sistemático da mentira tor­nou-se a forma mais praticada de ação política. A presidente da República não fala ao público na abertura da Copa - fica num discurso pré-fabricado de elogio a seu governo.
Um Brasil como esse perde se perder e perde se ganhar.
Fonte: Edição impressa da revista "Veja"