Terceira semana

Terceira semana
No Orient Cineplace Boulevard - 18h50

*

*

sábado, 30 de junho de 2007

Deu na mídia de Aracaju

Deu no "InfonetNotícias", de Aracaju, edição deste sábado, 30:
O presidente do Confiança, Milton Dantas, anunciou ontem a contratação de um novo gerente de futebol. Trata-se Cláudio Boaventura, um profissional que vem do futebol baiano e teve passagens no Fluminense de Feira de Santana e na Federação Baiana de Futebol.
Boaventura disse que veio para o Confiança, com o objetivo de conquistar títulos e fazer uma grande campanha na Série C do Campeonato Brasileiro e se possível com a classificação para a Segunda Divisão.
“Espero que todos departamentos trabalhem no sentido de classificar o time na Série C”, disse o gerente, ressaltando que o Bahia tem nome, mas não atravessa uma boa fase e o Confiança tem que se aproveitar disso para alcançar o resultado positivo.
Na mesma nota, informação sobre a contratação do atacante Nino:
O atacante Nino afirmou que sabe da importância em atuar numa equipe grande como o Confiança, mas ressaltou que já está preparado para as cobranças e espera fazer sucesso na nova agremiação.
Nino revelou que é um atacante que fica preso na área segurando os zagueiros. Para ele, não tem bola perdida, no entanto, destaca o entrosamento como uma das armas para melhorar ainda mais o seu futebol.
O artilheiro já atuou no Bahia, Irati, Fluminense de Feira e Palmeiras do Nordeste.
Na quinta-feira, 28, este Blog Demais postou nota com a informação da ida de Cláudio Boaventura para o Confiança.

Nada como um dia após o outro

Quem diz o que quer ouve o que não quer. O técnico do Fluminense Renato Gaúcho falou antes do jogo que o Botafogo não havia ganhado nada este ano, ao contrário do seu time. Depois da vitória por 2 a 1, neste sábado, o técnico Cuca respondeu à provocação do colega, ressaltando que "de fato não ganhamos nada em 2007, mas nenhum torcedor do Botafogo saiu do estádio até agora. Essa festa toda que a torcida e os jogadores estão fazendo, essa identificação toda vale como a conquista de um título".

Bois para lá, bois para cá

Este artigo de Bezerra Couto está publicado no site do PPS (www. pps.org.br):
O Senado... muuu... está com aftosa. O surto foi provocado pela falta de correspondência entre o (elevado) volume de transações pecuárias e negócios mal explicados dos seus parlamentares e o (baixíssimo) nível de percepção que eles demonstram quanto aos sentimentos dos eleitores.
Obcecado em preservar o cargo, Renan Calheiros (PMDB-AL) fez mais do que oferecer uma defesa contraditória, cabalmente desmentida pelos fatos. Com suas notas fiscais frias, explicações insustentáveis e a cegueira com que se agarra à cadeira de presidente, não apenas lambuzou sua biografia, mas levou para a sarjeta todo o Senado.
Tem suas impressões digitais, por exemplo, esse ridículo Conselho de Ética no qual presidentes e relatores são anunciados num dia para no outro saírem de cena, sob alegações inacreditáveis. Um Conselho, pasmem, presidido pelo Sr. Leomar Quintanilha (PMDB-TO)! E dominado pelo PMDB de Wellington Salgado (MG) e Valdir Raupp!
Renan acha que é senador e presidente do Senado. Não é mais nem uma coisa nem outra. É apenas o burlesco personagem de uma farsa boboca que só faz rir aquela parte do público que é mais boboca ainda do que os tristes artistas que se revezam no picadeiro.
A vantagem é que suas renanzices são pedagógicas. De cara, tiraram a roupa da bancada partidária que o abriga. Como mostrou o Congresso em Foco, o grupo de senadores do PMDB é simplesmente um espanto (confira). Há honrosas exceções, como Pedro Simon (RS) e Jarbas Vasconcelos (RS), mas, sem dúvida, impressiona a folha corrida dos senadores peemedebistas.
Em meio ao estouro da boiada, tem servido de consolo a atuação demonstrada no episódio por outros parlamentares, como José Nery (Psol-PA), Jefferson Péres (PDT-AM), Demóstenes Torres (DEM-GO), Eduardo Suplicy (PT-SP) e Renato Casagrande (PSB-ES).
Graças ao Renan, também, sabemos o vexatório papel que a líder do PT, Ideli Salvati (SC), é capaz de cumprir quando se vê às voltas com aquilo que ela deve imaginar ser uma missão partidária em prol da governabilidade. Suplente no Conselho de Ética e peça-chave da amalucada operação de salvamento do presidente do Senado, ela já anunciou seu voto favorável ao relatório de Epitácio Cafeteira (PTB-MA). Aquele que inocentou Calheiros com a velocidade de um cometa e, um pouco mais rápido, deixou o palco ostentando uma licença médica.
E o corregedor (?????!!!!!!) Romeu Tuma (DEM-SP), que proclamou aos quatro cantos a inocência de Renan sem sequer ter iniciado uma investigação sobre o assunto! E que agora, com a mesma pressa, joga Joaquim Roriz (PMDB-DF) às feras!
Roriz, você sabe, foi flagrado conversando sobre a melhor maneira de receber uma partilha de R$ 2 milhões. Nada contra apurar os atos do histriônico, suspeitíssimo e ultrapassado ex-governador do Distrito Federal. O que soa como afronta é o tratamento distinto que o corregedor (?????!!!!!!) Tuma dispensa aos dois senadores.
O senador das Alagoas conseguiu mais: levou a crise para dentro do Palácio do Planalto, a ponto de Lula sair a campo em sua defesa. Bola fora total! Devia deixar Renan cair de podre, até para não deixar no ar a sensação de que o governo tem medo dele. Porque, conforme é voz corrente aqui em Brasília, o presidente do Senado está ameaçando levar com ele muita gente - ou seriam bois? - se cair. Nessa briga, Lula só poderia entrar se fosse pra despachar o serviço de inspeção animal, que certamente teria muito a fazer no Senado.
De resto, considerando que o Senado (nele incluída a vasta população bovina dos seus integrantes) está quase todo contaminado, cassar agora apenas Renan - ou Renan e Roriz - é muito pouco. Para assegurar condições mínimas de saneamento, a limpeza deveria atingir pelo menos mais quatro: Tuma e Cafeteira, pelos motivos antes citados; Wellington Salgado, pelo comportamento absurdo que demonstrou em sua breve passagem pela relatoria; e Quintanilha, por afrontar toda a sociedade brasileira ao convidar e desconvidar Casagrande para o mesmo cargo. Quem dirá que todos eles não feriram o decoro parlamentar com seus atos e declarações funestos?

"Atolado em torpor"

O governo Lula parece "atolado em torpor", em função de sua reação lenta aos principais fatos do país. A avaliação incisiva é da revista britânica "The Economist", em sua edição desta semana. O texto publicado é intitulado "Dias preguiçosos para o sortudo Lula".

Botafogo mantém liderança

Dodô comemora seu segundo gol no jogo
Reprodução/O Globo

O Botafogo acaba de ganhar mais uma partida e mantém a liderança e a invencibilidade - é o único invicto na competição - no Campeonato Brasileiro da Série A. A vítima foi o Fluminense, de virada, por 2 a 1, gols marcados por Dodô (vice artilheiro do certame, com sete tentos). Em oito jogos, são seis vitórias e dois empates, 20 gols marcados e oito tomados, aproveitamento de 83%. O alvinegro está com cinco pontos de vantagem em relação ao segundo colocado.
Há quase dois anos que o Botafogo não perde para o adversário - em seis jogos, desde outubro de 2005, são três vitórias e três empates.
O jogo deste sábado, 30, marcou a inauguração do Estádio Olímpico João Havelange, o Engenhão, no Rio de Janeiro. O Botafogo levou o Troféu João Havelange por ser o primeiro time a ganhar um jogo no novo equipamento esportivo.
O Botafogo continua como o melhor time do momento no futebol brasileiro.

Cinco leitores premiados

Cinco leitores - Charles Cesar, Geraldo Oliveira, Gilson Almeida, Lívia Souza e Maria Fonseca - do Blog Demais ganharam brindes (blocos de notas) alusivos ao filme “Zodíaco”, que esteve em cartaz no Orient Cineplace, até quinta-feira, 28. A promoção foi em parceria com a Espaço/Z Marketing de Entretenimento e a distribuidora Warner Bros.

Golpe do fim das leis de incentivo

Por Felipe Atxa, publicado em "Mídia Sem Máscara" (midiasemmascara.org), em 25 de junho.
Esquerdistas são, antes de tudo, golpistas que se aproveitam da ingenuidade e da desatenção da parcela genericamente desorganizada da sociedade para, especialmente, tomar para si todo poder decisório e locupletar-se com o dinheiro alheio. Quando eles dizem que é preciso “democratizar os meios de comunicação”, na verdade querem dizer que é preciso dar mais dinheiro para os órgãos de mídia favoráveis ao governo; quando dizem que é preciso regular o que as emissoras de televisão exibem segundo faixas de horário, sua real intenção é forjar mecanismos disfarçados de censura e colocar a imprensa num “cercadinho jurídico”; e quando eles dizem que as leis de incentivo à cultura estão distorcidas e dotam a iniciativa privada de um papel que deveria ser do poder público, no fundo o que estão querendo é controlar através de um poder absoluto todas as iniciativas culturais que acontecem no país.
O maior problema da terceira idéia acima listada é que muita gente inteligente e até da “oposição” acaba caindo nessa conversa fiada, especialmente alguns teóricos do liberalismo.
É óbvio que o Estado não deveria subsidiar a produção de peças de teatro e filmes, principalmente quando se mostra incapaz ou simplesmente desinteressado em cuidar de outros aspectos prioritários da vida coletiva, como a segurança pública. Mas é fato, também, que a moderna gestão do orçamento público tornou praticamente impossível fazer com que uma pequena parcela da montanha de recursos públicos usada para tocar a máquina pública não seja usada para a tal “política cultural”, que serve, também, para que algumas centenas de “artistas” não morram de fome - ou alguém em sã consciência imagina que um artista performático ou ator fracassado de telenovelas convertido em diretor de cinema, por exemplo, sobreviveria sem essas benesses do Estado provedor?
As leis de incentivo criam, de certa forma, um obstáculo entre o poder absoluto tão ambicionado pelos esquerdistas e eles mesmos, pois coloca um intermediário ativo - no caso, as empresas privadas, que podem escolher em quais projetos querem investir sua renúncia fiscal - entre a militância culturete e o cofre cheio de dinheiro público.
Hoje, embora improvável, é sim possível, por exemplo, que um projeto de um espetáculo teatral com fortes críticas aos governos de esquerdas e ao coletivismo seja levado a cabo. O projeto é analisado segundo aspectos técnicos, não sendo permitido, por lei, que se observem suas características estéticas ou “ideológicas”. Após aprovado, um projeto sem inspiração socialista pode encontrar um patrocinador entre as milhares de pessoas físicas ou jurídicas habilitadas a optar pela renúncia fiscal. O dinheiro seria destinado à sua produção, sem que a burocracia de esquerda que infesta o aparelho cultural pudesse impedir.
O que aconteceria, contudo, se o modelo de leis de incentivo fosse substituído por outro, onde o próprio Estado controla a destinação da totalidade dos recursos (porque atualmente já controla a maior parte dela, especialmente através do dinheiro das estatais), tomando da iniciativa privada uma parte dessa prerrogativa? Simplesmente todos os projetos passariam pelo crivo decisório dessa burocracia esquerdista que compõe as comissões, comitês, conselhos curadores etc., impedindo para sempre que qualquer projeto de filme, livro ou peça de teatro não-alinhado pudesse ser novamente realizado com verba pública.
Em resumo: hoje, por conta das leis de incentivo fiscal, uma pequena parcela das centenas de milhões anuais destinados à cultura ainda pode beneficiar um projeto sem inspiração esquerdista, totalitária, coletivista ou qualquer porcaria equivalente: basta que exista um patrocinador privado disposto a beneficiar-lhe e, logicamente, um empreendedor cultural de coragem disposto a apresentá-lo. O fim das leis de incentivo, contudo, não irá diminuir a montanha de dinheiro, e possivelmente irá até aumentá-la (“se o cofre agora é nosso, por que não aumentar ainda mais o seu tamanho?”, pensariam os esquerdistas): a maior modificação é que o poder de decisão que antes era compartilhado pelo investidor privado ficará integralmente nas mãos do Estado (e, por conseqüência, dos “especialistas”, dos sindicatos, dos “representantes da sociedade civil”, dos acadêmicos com “notório saber na área” etc.). Não é preciso dizer mais nada quanto às conseqüências práticas disso, não é mesmo?
O que costuma, muitas vezes, atrapalhar os devaneios liberais são alguns dados da realidade prática que não se comportam como ordena a teoria. É bonito se falar em acabar com as leis de incentivo, como é interessante, da mesma forma, se pregar o voto nulo em massa para renovar a classe política ou o fim da justiça trabalhista. O dado ruim da história toda é que isso jamais irá acontecer, e a resultante de ambas as coisas é que os esquerdistas continuam predominando no discurso e no terreno das ações práticas porque não há um contraponto concreto e consistente a seu gigantesco projeto de poder.
No caso das leis de incentivo, ao invés de cair na armadilha do discurso do “fim das leis de incentivo”, o que a banda honesta da sociedade brasileira precisa fazer é inteirar-se da situação e finalmente perceber que as distorções e desperdícios cairiam pela metade se o volume de verbas também fosse reduzido na mesma proporção, e que seriam virtualmente eliminados caso o conceito de “fundo perdido” do investimento em cultura com dinheiro público fosse substituído por outro paradigma, que obrigasse o beneficiado pelo incentivo fiscal (no caso, o produtor de cinema, de teatro, de exposições etc.) a pagar de volta ao Estado, com as receitas resultantes de cada projeto, uma parcela minimamente significativa da verba pública obtida. No momento atual, acabar com as leis de incentivo à cultura significa muito mais que entregar aos esquerdistas a chave do cofre das verbas públicas de cultura: é convidá-los a morar dentro dele para sempre

Lucas da Feira merece homenagem?

“Adeus Saco do Limão”.
Em 2004, não foi lembrado o bicentenário de Lucas Evangelista (1804-1849). Feira de Santana não comemorou os 200 anos de nascimento de Lucas da Feira.
Os que defendem Lucas da Feira até que fizeram lobby para tal finalidade e voltaram a fazer este ano, pois argumentam que o ano em que ele nasceu foi 1807 e não 1804. A data de seu nascimento é 18 de outubro, dia de São Lucas, daí o seu nome em cima do calendário católico.
Muitos consideram Lucas da Feira como um temível chefe de um bando, terror de Feira de Santana e região durante 20 anos, um cangaceiro, um bandido cruel, que não merece nem ser lembrado e sim ser esquecido para sempre. Ele acabou condenado à forca.
Pelos seus feitos criminosos, Lucas tornou-se personagem da literatura, até mitificado, como se fosse um Robin Hood sertanejo, que roubava dos ricos para dar aos pobres. Por ser negro, também virou símbolo de luta contra a escravidão.
Ele foi retratado em “Lucas, O Demônio Negro”, romance folclórico de Sabino de Campos, em 1957, no “ACB de Lucas da Feira”, cordel de Souza Velho, e em “Lucas, O Salteador”, de Virgílio Martins Reis e Artur Cerqueira Lima.
O bandido Lucas da Feira nunca foi retratado no cinema brasileiro, que é tão afeito a personagens do cangaço e bem voltado para personagens marginais e bandidos. O cineasta feirense Olney São Paulo até que tinha projeto de fazer um filme sobre Lucas, mas morreu antes de concretizar o intento.
“Para findar o meu destino”.
Obs.: Reescrito a partir de texto de Dimas Oliveira publicado no jornal "Folha do Estado", em 2 de setembro de 2003.

Contra os viadutos

Em um comentário crítico em relação a saúde, Eduardo Leite, agora diretor geral do Hospital Geral Clériston Andrade, colocou no meio a construção dos cinco viadutos pelo Governo Municipal e afirmou que gostaria de contratar um advogado que topasse abraçar a sua pretensão, impedindo que o prefeito José Ronaldo de Carvalho direcionasse os "recursos municipais na construção dos terciários e egoícos (sic) viadutos que implicarão em mais de 10 milhões de dólares num município cuja educação e saúde estão em situação de calamidade”.

Crítico agora vira vidraça

Para o jornal "Tribuna Feirense", um "mordaz crítico", para o "Folha do Estado", um "crítico ferrenho" das condições da saúde pública em Feira de Santana. Assim, está moldado um ligeiro perfil de Eduardo Leite, que assumiu a direção do problemático - ainda mais no governo petista - Hospital Geral Clériston Andrade.
Ele atacava os problemas na sua área, criticando bastante a situação. Agora, vira vidraça.
Wagner Bonfim não durou seis meses na direção do Hospital Geral. Fica a pergunta: Qual será o período de duração da gestão de Eduardo Leite?

No "Diário Oficial"

A exoneração, “a pedido” de Wagner Oliveira Bonfim, do cargo de diretor do Hospital Geral Clériston Andrade, e a nomeação de Eduardo de Freitas Leite para o mesmo cargo, pelo governador Jaques Wagner, em 29 de junho, foi publicada na edição deste sábado, 30, e domingo, 1º de julho, do “Diário Oficial do Estado”.

sexta-feira, 29 de junho de 2007

Parece que

Parece que a recomendação do promotor de Justiça Cristiano Chaves foi atendida. O secretário da Saúde Jorge Solla exonerou Wagner Bonfim - de pálida e tumultuada gestão, que não chegou a durar nem seis meses - do cargo de diretor do Hospital Geral Clériston Andrade. Parece que quem não gostou foi o vereador Getúlio da Silva Barbosa (PP), que considerou "precipitada" a intervenção do promotor.

Informação incorreta causa prejuízo

O Blog Demais reitera que procura informar corretamente - com as informações recebidas - sobre programações, a exemplo de roteiro de filmes em cartaz. É que jornais locais e sites na Internet também colocam programação de cinema em seus espaços.
Já postamos aqui que quem se orienta por alguns deles pode ficar desinformado, pela confusão que fazem com o material recebido.
Visitando sites nesta noite de sexta-feira, 29, lemos em “Cinema” no “FS Canais” do “FS Online” que o filme “Não Por Acaso” está em cartaz, no Orient Cineplace. Esteve até quinta-feira, 28, não está mais em exibição. Outro equívoco é que no filme “Treze Homens e um Novo Segredo”, o texto colocado é do filme “O Hospedeiro”, que foi exibido entre 15 e 21 de junho.
No “Blog da Feira”, quem clica em “Cinema” vê uma programação defasada, de duas semanas atrás, anunciando os filmes “O Hospedeiro”, “Totalmente Apaixonados” e “Piratas do Caribe: No Fim do Mundo”.
No “Infocultural”, a programação não foi atualizada e continua a referente a semana de 22 a 28.
Informação incorreta causa prejuízos ao cinema e ao público. Os colegas precisam estar antenados com as informações.

Alunos do Galpão de Arte na abertura do XVII Seminário Internacional de Dança em Brasília

Grupo do Galpão de Arte em espetáculo de dança
Cau Preto

O ritmo está ainda mais acelerado. Depois do sucesso da prévia do espetáculo "Spiral", que será apresentado no dia 8 de julho, na abertura do XVII Seminário Internacional de Dança, em Brasília-DF, os alunos do Galpão de Arte de Feira de Santana voltam a se apresentar nesta segunda-feira, dia 2 de julho, no Centro de Cultura Amélio Amorim (CCAA). O evento acontece às 20 horas e é aberto à toda comunidade.
Os alunos seguem para Brasília no dia 6. Além de se apresentarem na abertura do evento eles participam das atividades e workshops no Distrito Federal. Os estudantes também participam das mostras competitivas. Vanessa Moreira, de 10 anos vai fazer uma apresentação acompanhada do bailarino cubano Luiz Gonzáles. O trio composto pelos alunos Daisyane Soares e Jameson Lima e pelo professor Marcos Cerqueira também competem no evento.
O espetáculo "Spiral" conta com a presença de 54 alunos dos cursos de dança do Galpão de Arte, com idades entre nove a 25 anos e foi idealizado por Ana Lúcia Bahia, coreógrafa e presidente da instituição. Ana Lúcia também é responsável pela direção do espetáculo juntamente com os professores Elisa Medeiros e Marcos Cerqueira. “A idéia é mostrar as várias linguagens da dança e a busca constante do ser humano pela paz”, explicou a coreógrafa.
Do balé à street dance o espetáculo conta os mais variados tipos de dança e também a evolução artística dos alunos que participam do Galpão de Arte. Segundo Ana Lúcia, essa é a forma de mostrar para a comunidade de Feira o trabalho desenvolvido no Galpão. “É com orgulho que digo que nossos alunos estão cada vez melhores”, enfatizou.
O espetáculo faz parte também das comemorações pelos cinco anos do Galpão de Arte. Depois da apresentação no Teatro Nacional de Brasília, no dia 8 de julho, às 20 horas, a mostra de dança voltará em cartaz em Feira. “Vamos ampliar o espetáculo para uma temporada no segundo semestre deste ano”, informou.
Sobre o Seminário
O Seminário Internacional de Dança de Brasília acontece desde 1991 e conta com o apoio de embaixadas e instituições culturais nacionais e internacionais. O evento reúne participantes do país e do exterior, entre bailarinos, alunos e professores e é considerado um dos mais importantes do Brasil. O evento reúne as características de um festival e de um congresso acadêmico, com a finalidade de dar uma oportunidade de carreira internacional aos talentos nacionais, por meio do aperfeiçoamento no Brasil ou no exterior. Além de prêmios no valor de R$ 20 mil nas mostras competitivas, o seminário oferece mais de 20 bolsas de estudo e seis estágios no exterior. Os bolsistas selecionados recebem a passagem internacional ou um valor mensal para despesas.

Reforma e ampliação do Teatro Margarida Ribeiro

O prefeito José Ronaldo de Carvalho dá início no dia 11 de agosto, às 8 horas, às obras de reforma e ampliação do Teatro Municipal Margarida Ribeiro.

Inscrição para oficinas do programa "Arte de Viver" inicia em 3 de julho

A partir de terça-feira, 3 de julho, início de inscrição para as oficinas do segundo semestre do programa “Arte de Viver”, promovido pela Secretaria da Cultura, Esporte e Lazer e a Fundação Cultural Municipal Egberto Tavares Costa. Os interessados devem procurar o Departamento de Atividades Culturais, no Centro de Cultura Maestro Miro, das 9 às 11 e das 14 às 17 horas, de segunda-feira a sexta, com a documentação necessária: duas fotos 3x4, cópia de comprovante de residência, cópia da carteira de identidade ou CPF, sendo que em caso de menor, a documentação do responsável. O período vai até o dia 13 de julho.
São dez oficinas oferecidas pelo Município: Artes Plásticas (Sílvio Portugal), Balé (Denise Damasceno), Canto/Coral (Célia Zaiin), Dança Flamenca/Dança do Ventre (Adriana Vasconcelos), Dança de Salão (Saulo Rangel e Adrise Emanuela), Jazz Moderno (Marcos Cerqueira), Teatro Adolescente (Luciano Freire), Teatro Adulto (Roberval Barreto), Teatro Infantil (Tacira Coelho) e Violão/Cavaquinho (Antônio Fernando).
As aulas para este segundo semestre serão iniciadas no dia 6 de agosto e serão aplicadas nos três turnos em dependências do próprio Centro de Cultura Maestro Miro.
O programa “Arte de Viver” foi implantado desde o primeiro ano de governo do prefeito José Ronaldo de Carvalho, em 2001. Ele tem como objetivo incentivar o fazer artístico de forma acessível à comunidade, descobrindo e oportunizando novos talentos. Cerca de oito mil pessoas foram inscritas nas oficinas nos seis anos de existência e mais de dois mil foram certificadas.

quinta-feira, 28 de junho de 2007

Onze ganham porta-retratos de "Não Por Acaso"

Adailton Gonçalves de Santana, Áurea Celeste Barbosa, Eliete Reis Pedreira e Solon Andrade foram sorteados nesta quarta-feira, 27, entre 12 ouvintes que ligaram para o programa para participar da promoção deste Blog Demais e do “Rádio Repórter”, na Rádio Subaé AM, e ganharam brindes (porta-retratos) do filme “Não Por Acaso”, em cartaz no Orient Cineplace, até esta quinta-feira, 28. A promoção foi em parceria com a Espaço/Z Marketing de Entretenimento e a distribuidora Fox Film do Brasil.
Alessandra Souza, Iolanda Soares, Miranita Rabelo, Priscila Souza de Freitas, Rozilene Agostinho, Thaís Santos e Uedson Luís Lima da Silva mandaram mensagens para o blog e foram contempladas com os brindes.

Roteiro de Filmes

Semana de 29 de junho a 5 de julho


LANÇAMENTO NACIONAL
QUARTETO FANTÁSTICO E O SURFISTA PRATEADO
(Fantastic Four: The Rise of the Silver Surfer), de Tim Story, 2007. Com Ioan Gruffudd, Jessica Alba, Chris Evans e Michael Chiklis. Aventura. Durante a cerimônia de um casamento, algo estranho surge nos céus de Nova York. Trata-se do Surfista Prateado, um ser alienígena que possui grandes poderes e que trabalha como arauto de Galactus, o destruidor de planetas. Ele veio para a Terra com o objetivo de prepará-la para ser destruída por seu mestre, mas para atingir seu objetivo precisará enfrentar o Quarteto Fantástico (Sr. Fantástico, Mulher-Invisível, Homem-Tocha e Coisa). Classificação indicativa: Livre. Duração: 98 minutos.
Sala 1 (243 lugares), com cópia dublada. Horários: 14h20, 16h20, 18h25 e 20h30.
Sala 4 (264 lugares), com cópia legendada. Horários: 13 horas, 15h05, 17h10, 19h15 e 21h20.
CONTINUAÇÕES
TREZE HOMENS E UM NOVO SEGREDO
(Ocean’s Thirteen), de Steven Soderbergh, 2007. Com George Clooney, Brad Pitt, Matt Damon, Al Pacino, Andy Garcia, Ellen Barkin. Aventura. Danny Ocean e sua trupe se reúnem mais uma vez para iniciar um plano de vingança contra o dono de um cassino que está sendo inaugurado. Ele traiu um dos integrantes do grupo, aquele que bancou financeiramente o assalto triplo aos cassinos de Terry Benedict no filme anterior. Em segunda semana. Classificação indicativa: 12 anos. Duração: 122 minutos. Horários: 13h40, 16h10, 18h40 e 21h10. Sala 2 (160 lugares).
SHREK TERCEIRO (Shrek The Third), de Chris Miller e Raman Hui, 2007. Animação. A súbita morte do rei faz com que Shrek seja coroado no Reino de Tão, Tão Distante. Sem querer ocupar o trono, ele parte em busca de um substituto para a função, com a ajuda do Burro e do Gato de Botas. Uma série de personagens de contos de fadas participada ação, como Bela Adormecida, Branca de Neve, Cinderela, Pinóquio, Rapunzel, Três Porquinhos, entre outros. Cópia dublada. Em terceira semana. Classificação: Livre. Duração: 99 minutos. Horários: 14h50, 16h50, 18h50 e 20h50. Sala 3 (167 lugares).
ENDEREÇO E TELEFONES
Orient Cineplace - Shopping Iguatemi, telefax 3225-3056 e telefone 3610-1515 para saber informações sobre programas e horários.
As informações sobre programação e horário são prestadas pela empresa exibidora, a Orient Filmes.


Lista fechada rejeitada

Com 252 votos contrários e 181 a favor, a Câmara dos Deputados rejeitou, na noite de quarta-feira, 27, o chamado voto em lista fechada, o primeiro dos itens da reforma política. Concordo com o jornalista Reinaldo Azevedo, que em seu blog, disse que "é uma daquelas medidas supostamente civilizadas que só concorreriam para fortalecer as burocracias dos partidos e criar o deputado sem rosto".

Concorrência dos viadutos adiada

A concorrência internacional para a construção dos cinco viadutos em Feira de Santana foi adiada para o dia 24 de julho, às 15h30, na Sala de Treinamento do Centro de Atendimento ao Feirense (Ceaf). Estava marcada para a tarde desta quinta-feira, 28. O pedido de impugnação ao Edital feito pelo Consórcio Celi e GMEC, de Aracaju, foi um dos motivos que levaram a Comissão Especial de Licitação a adiar a concorrência.
Levou-se em consideração, também, que houve muitas consultas formuladas e que as respostas aos questionamentos foram disponibilizados 48 horas antes da sessão e que houve alterações no edital. “O questionamento apresentado pelo Consórcio Celi e GMEC foram pertinentes e não tinham características protelatórias”, afirmou a presidente da CEL, Dayse Brandão.
Ela enfatizou que a Procuradoria Geral do Município vai se manifestar com relação aos argumentos apresentados no pedido de impugnação. “Também deverá ser apresentado parecer técnico da Secretaria de Planejamento, com relação ao questionamento da empresa, que se refere ao concreto ralado”. Além do Consórcio Celi GMEC, se habilitou o Consórcio Top – Tranenge.
Para Dayse Brandão, o adiamento e as respostas aos interessados poderão contribuir para que as empresas apresentem propostas melhores. “Isto também está relacionada à transparência desta licitação”. Ela salientou que o motivo da impugnação foi técnico. “Apenas não concordamos com a resposta a um questionamento”, afirmou a representante da Celi e GMEC, Grace Munique Souza Cardoso.
A empresa vencedora vai construir cinco viadutos em Feira de Santana. O projeto de integração de vias urbanas prevê estes equipamentos nos cruzamentos das avenidas Maria Quitéria/Eduardo Fróes da Motta/Francisco Maia; João Durval/Eduardo Fróes da Motta/Ayrton Senna; Getúlio Vargas/Eduardo Fróes da Motta/Noide Cerqueira; Getúlio Vargas/João Durval e na rotatória da Cidade Nova.

Iguatemi expõe "Barbie na Moda"

O Iguatemi está trazendo para Feira a exposição "Barbie na Moda". Trata-se de uma mostra lúdica e educativa que exibe as transformações dos padrões de beleza e costumes através dos tempos, retratando importantes períodos da moda por meio da boneca Barbie e de belíssimos registros fotográficos. A versatilidade da boneca, aliada ao seu glamour e elegância, lhe confere o papel ideal para apresentar a riqueza e criatividade dos costumes do Egito Antigo ao Século XXI.

Esta exposição inédita em Feira de Santana estará no Shopping Iguatemi de 12 a 29 de julho de 2007. “Barbie na Moda” foi elaborada em conjunto com o Senac Moda São Paulo, um dos principais centros de difusão de moda do Brasil. O Senac supervisionou a escolha de temas através do seu professor de História de Moda João Braga, que selecionou as principais transformações da indumentária para serem representadas nesta exposição através da boneca Barbie. O conteúdo das legendas das bonecas expostas apresenta ao público extensa informação sobre a história da moda.
Desde que foi criada, em 1959, sempre fez parte da essência de Barbie incorporar as últimas tendências de moda e comportamento, além de assumir personagens ícones de toda a história. Ela transforma-se no desejo de cada época. O apelo do Iguatemi: "Não perca. Venha para o Iguatemi conferir".

Atleta da Unimed Feira no Campeonato Brasileiro de Natação

Evelyn Gleika Gomes Amarante, 14 anos, atleta patrocinada pela Unimed Feira de Santana, foi a única da Bahia a alcançar o índice, na categoria Infantil 2, para o Campeonato Brasileiro Infantil de Natação. Ela viaja nesta quinta-feira, 28, para o Rio de Janeiro, onde participa da competição, que acontece entre os dias 30 de junho a 1º de julho.
A atleta, que nada desde os 10 anos de idade, vem superando sua marca a cada competição que participa. Na última, realizada no Recife, Pernambuco, Evelyn ficou com a terceira colocação na travessia Troféu Dr. Milton Medeiros. A atleta também foi convocada para a Seleção Baiana de Natação.
No Campeonato Brasileiro Infantil, no Rio de Janeiro, Evelyn vai competir nadando 400 metros livres, 200 metros borboletas e 100 metros também no estilo borboleta. A expectativa da nadadora é de retornar a Feira mais medalhas.

quarta-feira, 27 de junho de 2007

Cláudio no Confiança

O desportista Cláudio Boaventura deixou o Fluminense de Feira. Ele assume o cargo de diretor de futebol no Confiança, de Sergipe, time que tem 15 títulos e é bi-vicecampeão sergipano (2007 e 2006).

Seleção de empresários perde

Mexiacanos comemoram vitória
Reprodução/Terra

Um catado de jogadores (indicados por empresários, como se comenta), como Doni, Maicon, Alex, Juan, Gilberto, Gilberto Silva, Mineiro, Elano, Ânderson, Afonso e Vágner, com camisa amarela representando o Brasil só poderia fazer feio e perder para o México, por 2 a 0, na estréia da Copa América, nesta noite na Venezuela. No meio de tanta gente ruim de bola até Robinho desapareceu e Diogo também. Triste futebol brasileiro de Dunga. Se o México fosse um pouco melhor ainda aplicaria uma goleada. Gols incríveis foram perdidos pelos mexicanos. Com os resultados da rodada, o Brasil está na lanterna do Grupo B. Desde agosto de 1999, o Brasil só venceu o México uma vez em sete confrontos (quatro derrotas e dois empates).

Mídia fascista e o "sem-limite"

Postagem do Blog Reinaldo Azevedo, que transcrevemos:
E o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), segue firme na tática aprendida com os companheiros: é tudo culpa da mídia. Não de toda a mídia. Só daquela que noticia as coisas de que ele não gosta. Ele a chama de "fascista”. É um troço formidável. Segundo diz, ele apresentou todas as provas. Ocorre que as “provas” só complicaram a sua vida. Por que não explica a verdadeira devastação que seu caso provocou no Conselho de, digamos assim, Ética? Se tudo é tão claro, por que os governistas, que têm a maioria, não votam logo e o inocentam? Seria só por medo da “mídia fascista”? Renan diz outra coisa interessante: “O que for necessário fazer eu faço para que a verdade prepondere, eu não tenho limites, o meu limite é esse. Não vou permitir ser assassinado moralmente sem provas. Não vou permitir calúnias, maledicências, vou mostrar ao Brasil que não tenho nada a ver com isso". Não sei direito o que quer dizer "não ter limites" - todo mundo tem -, mas posso imaginar. A mídia precisa mesmo parar de acusar homens honrados “sem provas”. Primeiro foi José Dirceu; agora, é Renan Calheiros. O jornalismo tem esse antigo hábito de pegar no pé de reputações sólidas e inquestionáveis. Paulo Maluf, Orestes Quércia e Fernando Collor, por exemplo, já foram vítimas das mesmas armações, dos mesmos “fascistas”.

Ponte em Natal

De Celso e Edna Boaventura recebemos esta bela foto da ponte que liga a Praia do Forte (na altura do Forte dos Reis Magos) à Praia de Redinha, em Natal, Rio Grande do Norte, onde moram.
Eles informam que ainda não está totalmente pronta, estão terminando os acabamentos de acesso.

Nesta quinta acontece concorrência internacional para viadutos


Imagem do projeto do viaduto da rótula da Cidade Nova
Divulgação
A concorrência internacional para a construção dos cinco viadutos em Feira de Santana será iniciada nesta quinta-feira, 28. Dois consórcios e duas empresas individuais se habilitaram. O credenciamento será iniciado às 15h30, na sala de eventos do Centro de Atendimento ao Feirense (Ceaf).
A empresa vencedora vai construir os viadutos nos cruzamentos entre as avenidas Getúlio Vargas e João Durval Carneiro; Ayrton Senna/João Durval/Eduardo Fróes da Motta; Getúlio Vargas/Eduardo Fróes da Motta/Noide Cerqueira; Maria Quitéria/Eduardo Fróes da Motta/Francisco Maia e na rótula da Cidade Nova.
Será a maior concorrência da história do município. “Por isso acredito que todos os detalhes serão minuciosamente analisados”, disse a presidente da Comissão Especial de Licitação, Deyse Brandão.

Autonomia nas ações

"Cada dia é o dia do julgamento, e nós, com nossos atos e nossas palavras,
com nosso silêncio e nossa voz,
vamos escrevendo continuamente o livro da vida.
A luz veio ao mundo e cada um de nós deve decidir
se quer caminhar na luz do altruísmo construtivo ou nas trevas do egoísmo.
Portanto, a mais urgente pergunta a ser feita nesta vida é:
'O que fiz hoje pelos outros?'"
Martin Luther King
Conta um escritor que certo dia acompanhou um amigo até à banca de jornais onde este costumava comprar o seu exemplar diariamente. Ao se aproximarem do balcão, seu amigo cumprimentou amavelmente o jornaleiro e como retorno recebeu um tratamento rude e grosseiro.
O amigo pegou o jornal, que foi jogado em sua direção, sorriu, agradeceu e desejou um bom final de semana ao jornaleiro.
Quando ambos caminhavam pela rua, o escritor perguntou ao seu amigo:
- Ele sempre o trata assim, com tanta grosseria?
- Sim, respondeu o rapaz. Infelizmente é sempre assim.
- E você é sempre tão polido e amigável com ele? Perguntou novamente o escritor.
- Sim, eu sou, respondeu prontamente seu amigo.
- E por que você é educado, se ele é tão grosseiro e inamistoso com você?
- Ora, respondeu o jovem, por que não quero que ele decida como eu devo ser.
.........................................................
E você, como costuma se comportar diante de pessoas rudes e deseducadas?
Importante questão esta, que nos oferece oportunidade de refletir sobre a nossa maneira de ser, nas mais variadas situações do dia-a-dia.
É comum as pessoas justificarem suas ações grosseiras com o comportamento dos outros, mas essa é uma atitude bastante imatura e incoerente.
Primeiro, porque, se reprovamos nos outros a falta de educação, temos a obrigação de agir de forma diferente, ou então somos iguais e de nada temos que reclamar.
E se já temos a autonomia para nos comportar educadamente, sem nos fazer espelho de pessoas mal-humoradas deveremos ter, igualmente, a grandeza de alma para desculpar e exemplificar a forma correta de tratar os outros.
Se o nosso comportamento, a nossa educação, depende da forma com que somos tratados, então não temos autonomia, independência, liberdade intelectual nem moral para nos conduzir por nós mesmos.
Quando agimos com cortesia e amabilidade diante de pessoas agressivas ou deseducadas, como fez o rapaz com o jornaleiro, estaremos fazendo a nossa parte para a construção de uma sociedade mais harmoniosa e mais feliz.
O que geralmente acontece, é que costumamos refletir os atos das pessoas com as quais vivemos, sem nos dar conta de que acabamos fazendo exatamente o que tanto criticamos nos outros.
Se as pessoas nos tratam com aspereza, com grosseria ou falta de educação, estão nos mostrando o que têm para oferecer. Mas nós não precisamos agir da mesma forma, se temos uma outra face da realidade para mostrar.
Assim, lembremos sempre que, quando uma pessoa nos ofende ou maltrata, o problema é dela, mas quando nós é que ofendemos ou maltratamos, o problema é nosso.
Por isso, é sempre recomendável uma ação coerente avalizada pelo bom senso, ao invés de uma reação impensada que poderá trazer consigo grande soma de dissabores.
Pense nisso!
Se lhe oferecem grosseria, faça diferente: seja cortês.
Se lhe tratam com aspereza, responda com amabilidade.
Se lhe dão indiferença, doe atenção.
Se lhe ofertam mau humor, retribua com gentileza.
Se lhe tratam com rancor, responda com ternura.
Se lhe presenteiam com o ódio, anule-o com o amor.
Agindo assim você será realmente grande, pois quanto mais alguém se aproxima da perfeição, menos a exige dos outros.

Equipe do site www.momento.com.br, com base em história de John Powell.

Arrasa-quarteirões

Em seus primeiros três dias de estréia no Brasil, entre sexta-feira e domingo, 24, “Treze Homens e um Novo Segredo” foi visto por 217.279 espectadores, com 240 cópias, uma delas em Feira de Santana, no Orient Cineplace. Nos Estados Unidos, em três semanas, arrecadou 91.079.577 dólares.
Com duas semanas em exibição no país, até domingo passado, a animação “Shrek” foi vista por público de 2.618.857 espectadores, com 660 cópias em circulação, inclusive nesta cidade, no Multiplex do Iguatemi, rendendo R$ 6.026.122,00. Nos Estados Unidos, em seis semanas, já arrecadou 307.807.439 dólares.
Esses dois filmes continuam em cartaz, a partir desta sexta-feira, 29.
Já “Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado”, que tem lançamento no país na sexta-feira, também em Feira, arrecadou nos Estados Unidos, em duas semanas, 97.463.035 dólares.
Só como comparativo, o filme brasileiro "Não Por Acaso", em cartaz até esta quinta-feira, 28, no Orient Cineplace, atraiu em três semanas no país, o público de 78.313 pessoas, mesmo com Rodrigo Santoro no elenco.

Pesquisa

Deu na coluna de Dora Kramer, na edição desta quarta-feira, 27, em "A Tarde":

Quanto pior fica o país em matéria de padrão de comportamento, mais baixo é o nível de exigência da população. E se o Parlamento ainda fornece matéria-prima para o desafogo de consciências, prestando-se voluntariamente ao papel de saco de pancadas da Nação, aí mesmo é que prevalece o conformismo.

terça-feira, 26 de junho de 2007

Um lançamento nacional e duas continuações

Ioan Gruffudd e Jessica Alba em “Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado”, em lançamento nacional
Divulgação


Depois da pré-estréia, entre sexta-feira e domingo passado, o filme de aventuras “Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado” entra em lançamento nacional, no Orient Cineplace, nesta sexta-feira, 29. Dois filmes continuam em tela: “Treze Homens e um Novo Segredo”, em segunda semana e o filme de animação “Shrek Terceiro”, em terceira semana.
O Quarteto Fantástico (Sr. Fantástico, Mulher-Invisível, Homem-Tocha e Coisa) neste segundo filme da franquia entra em ação para enfrentar o ser alienígena do título, que chega na Terra para preparar a destruição do nosso planeta. O primeiro “Quarteto Fantástico” foi lançado há dois anos.
Em “Treze Homens e um Novo Segredo” o público tem diversão garantida. No filme, Ocean (George Clooney) é o charmoso ladrão que comanda uma trupe de amigos. O grupo está envolvido em um golpe, que todos participam como se estivessem se divertindo, com uma dose de vingança, desta vez.
Em comentário postado no sábado passado, depois da visão do filme, destacamos a trilha sonora, de David Holmes, que é predominantemente instrumental e com canções belas e famosas, como “Lara's Theme”, de Maurice Jarre (do filme “Doutor Jivago”), “A Man and a Woman”, de Pierre Barouch e Francis Lai (do filme “Um Homem e uma Mulher”), “This Town”, cantada por Frank Sinatra, que é citado no filme.
Este Blog Demais reitera que é um filme de puro entretenimento. Fica a questão: será que vem outra seqüência da turma de Ocean?
Outra continuação nesta semana que marca os últimos dia de junho e os primeiros de julho, é "Shrek Terceiro", uma animação realmente deliciosa, prioncipalmente pelas referências cinematográficas.

Governo demite mais 16 na Cesta do Povo

A Cesta do Povo demitiu mais 16 funcionários em Feira de Santana, com mais de 10 anos de trabalho na empresa, segundo informações prestadas pelo vereador Etevaldo de Jesus (PRP) em discurso na Câmara Municipal, nesta terça-feira, 26. Ele lembrou que, agora, o total de demissões chega a 45 no município, no governo Jaques Wagner.
O vereador afirmou que o deputado federal Colbert Martins Filho (PMDB) e deputado o estadual José Neto (PT) sabiam das demissões, "porém não fizeram nada para tentar evitar". Ele frisou que “os funcionários foram avisados das demissões na semana passada”.
“Antigamente, o deputado José Neto andava pregando a estabilidade, a defesa do emprego. Agora, a coisa é diferente”, ironizou Etevaldo de Jesus.

segunda-feira, 25 de junho de 2007

População de Feira de Santana

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) deverá divulgar no início do mês de julho, a população estimada 2007 de Feira de Santana, como das demais cidades brasileiras. Em 1º de julho de 2006, a população deste município era de 535.820 pessoas.

Colbert não defende companheiros de partido

O deputado federal Colbert Martins Filho (PMDB) ainda não se pronunciou sobre as denúncias que envolvem os senadores Renan Calheiros, presidente da Casa, e Joaquim Roriz. O parlamentar também não deu um pio sobre a atitude do prefeito de Salvador João Henrique Barradas de censurar a imprensa. Todos os três são correligionários dele.
Como aliado, ele ainda não defende o governo Jaques Wagner, que sofre todo o tipo de ataque, pelo marasmo existente.

Jaques e não Jacques

A Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal continua grafando errado o nome do governador Wagner, que é Jaques e não Jacques. Não existe a letra c.

Vereador repudia corte de salários de grevistas

O vereador Luciano Paim (PTN) discursou na manhã desta segunda-feira, 25, na Câmara Municipal, protestando contra o corte de salários dos professores em greve, conforme determinação do Governo do Estado. “Pela primeira vez, os professores passaram um São João sem um real no bolso. É um absurdo”, destacou.
Ele considerou uma incoerência do governo Jaques Wagner a determinação do corte. “Foi uma atitude precipitada, inadmissível e absurda, incoerente com as promessas de campanha”, disse. “O governador só está viajando, não está nem um pouco preocupado com o que está acontecendo com a educação na Bahia. A greve já tem mais de 40 dias e há risco de perda do ano letivo”, acrescentou.
Em aparte, o vereador Alcione Cedraz (DEM) cobrou do vereador Marialvo Barreto (PT) um pronunciamento a respeito, mas o petista ficou calado. Na semana retrasada, o vereador petista fez um discurso condenando o governo pelo aumento concedido aos professores e apoiando a greve.

Artista plástico na coordenação do Centro de Cultura Amélio Amorim

Este Blog Demais dá uma notícia de primeira mão: Silvio Roberto Silva Portugal, o conhecido artista plástico Silvio Portugal, foi designado para o cargo de coordenador do Centro de Cultura Amélio Amorim, através de portaria (nº 332/07), publicada no "Diário Oficial do Estado", edição de 16 e 17 de junho.
Ninguém deu conta pois uma portaria assinada pela diretora geral da Fundação Cultural do Estado da Bahia, Gisele Merchiori Nussbaumer, e não um decreto assinado pelo governador Jaques Wagner.

Carta em cordel de um professor ao governador

Na postagem “Quem te viu quem te vê”, um comentário em cordel de um professor baiano (Antônio Carlos de Oliveira Barreto) ao governador Jaques Wagner, que merece ser postado no Blog Demais, para maior visibilidade. Também atendendo pedidos de leitores:
Meu prezado Jaques Wagner,
sou Toinho de Mariinha,
professor da Rede Pública,
petista de carteirinha.
Então peço que o senhor
analise esta cartinha.
Eu não serei radical
nesses versos de cordel
por saber que a vida
émistura de açúcar e fel,
só não posso acreditar
que o senhor seja infiel.
Vou lhe fazer um pedido
em nome da nossa classe:
ficaria satisfeito
se o senhor não nos negasse
sua promessa de aumento,
acabando todo o impasse.
Durante sua campanha,
o senhor nos garantiuu
m reajuste decente
mas ainda não cumpriu.
Será que já se esqueceu
depois que ao poder subiu?
Eu que fui discípulo seu,
dei meu voto e lhe aplaudi,
depositei confiança
nas promessas que eu ouvi.
Agora, nós, professores,
que vamos fazer aqui?
Me lembro dos velhos dia
sem que fui seu companheiro,
criticando os inimigos
desse povo brasileiro,
sonhando que a Educação
não ficasse no estaleiro.
Excelência era um guerreiro
com palavras e ação,
dizendo ser defensor
de uma nova educação.
Mas, de repente, me vejo
cheio de decepção.
Parece contradição
esse seu comportamento
dando um reajuste frouxo
de quatro e meio por cento.
Será que nós, professores,
temos cara de jumento?
Vossa Excelência sempre
defendeu os professores,
concordando com as greves,
conquistando os eleitores,
dizendo que a culpa era
dos outros governadores.
Não pense que nós estamos
aqui de braços cruzados;
os sonhos não terminaram
pois podem ser alcançados,
tudo nesta vida muda:
não vamos ficar parados.
Sim, estamos chateados,
mas queremos muita paz;
a nossa batalha é justa
nós vamos correr atrás.
Talvez um dia apareça
alguém que seja capaz!
Seguiremos nossa luta
a favor da Educação,
mesmo com o salário baixo
que mal dá para o pirão.
Vamos esperar melhoras
com a próxima eleição.
No passado era o senhor
que muito me incentivava
a reclamar reajuste
que ao professor faltava,
mas vejo que desse jeito
era eu quem me enganava.
Agora a APLB
e todos nós professores
estamos órfãos de ti
nesse momento de dores.
De modo que nos sentimos
verdadeiros sofressores.
Nossas perdas de salário
são de oitenta e três por cento
e o senhor nos garantiu
compensá-las com aumento,
mas agora estando eleito
já caiu no esquecimento.
E a justiça antigamente
era menos radical,
com 30 dias mandava
uma Ação Judicial.
Agora o prazo encurtou:
o que houve, general?
Prezado governador,
faça uma reflexão:
procure ser flexível,
reveja sua decisão,
pois se assim continuar
não haverá reeleição.
Muita sorte lhe desejo,
Que seja feliz também
Mas cumpra sua palavra
Para não virar refém
Dos professores baianos
que ainda lhe querem bem.
Ilustríssimo Jaques Wagner,
procure ser moderado,
não esqueça o educador,
seu fiel eleitorado,
que lhe deu bastante apoio
mas se encontra desprezado.
Ainda não desisti
seguirei com a esperança
de que nunca se desfaça
a nossa forte aliança,
pois o senhor fez promessa
e nós faremos cobrança.
Fale com seus deputados
que aprovaram a proposta
que na próxima eleição
daremos nossa resposta
porque nós fomos traídos
justamente pelas costas.
Me despeço, companheiro,
na certeza de que um dia
Vossa Excelência tenha
Muita paz, muita harmonia,
Mas saiba que todos nós
perdemos nossa alegria.
Portanto seja fiel,
corajoso e eficiente,
porque isso é traição
que você faz com a gente.
Aproveite a sugestão
reveja sua posição:
Barreto cordialmente.

domingo, 24 de junho de 2007

Blog Radio Repórter

O radialista e jornalista Renato Ribeiro está com o Blog Rádio Repórter no ar. Quem quiser saber um pouco mais sobre o programa que mantém diariamente na Rádio Subaé AM deve visitar o seguinte endereço:
www.programaradioreporter.blogspot.com

sábado, 23 de junho de 2007

Assunto quente

Deu no Blog de Cláudio Humberto:
Parlamentares com filhos fora do casamento reclamam que estão sendo pressionados a renegociar pensões. É a inflação do assunto.

Diversão garantida




George Clooney e Brad Pitt em “Treze Homens e um Novo Segredo”
Divulgação

“Treze Homens e um Novo Segredo” (Ocean’s Thirteen) segue “Doze Homens e Outro Segredo” (Ocean’s Twelve), de 2004, que seguiu “Onze Homens e um Segredo” (Ocean’s Eleven), de 2001, que é uma refilmagem de “Onze Homens e um Segredo”, de 1960. Ocean (George Clooney) é o charmoso ladrão que comanda uma trupe de amigos (Brad Pitt, Matt Damon, Don Cheadle, Elliott Gould, Carl Reiner, entre outros), cada qual com uma habilidade.
Na trama, o grupo está envolvido em um golpe, que todos participam como se estivessem se divertindo. Desta vez, com dose de vingança. A franquia se tornou um fenômeno de bilheteria - mais de 180 milhões de dólares para o primeiro, cerca de 124 milhões para o segundo e, até agora, 70 milhões de dólares em duas semanas nos Estados Unidos para o terceiro filme. Além do elenco de estrelas tem o charme das locações em Las Vegas, a atração pelos jogos e pela situação fora-da-lei do grupo. O humor está presente em todo o filme, que fala de amizade e lealdade entre amigos.
A trilha sonora, de David Holmes, é predominantemente instrumental, inspirada no jazz dos anos 1970. Também tem canções, como "Lara's Theme", de Maurice Jarre (do filme "Doutor Jivago"), "A Man and a Woman", de Pierre Barouch e Francis Lai (do filme "Um Homem e uma Mulher"), “This Town”, cantada por Frank Sinatra, que é citado no filme - o personagem Reuben (Elliott Gould) acredita que pode confiar em Bank (Al Pacino) apenas porque ambos apertaram a mão dele.
Um filme que é puro entretenimento. Será que vem outra seqüência da turma de Ocean?
"Treze Homens e um Novo Segredo" está em cartaz no circuito nacional desde sexta-feira, 22. Foi visto na tarde deste sábado, 23, no Orient Cineplace.





Roteiro de Filmes




PRÉ-ESTRÉIA
QUARTETO FANTÁSTICO E O SURFISTA PRATEADO
(Fantastic Four: The Rise of the Silver Surfer), de Tim Story, 2007. Com Ioan Gruffudd, Jessica Alba, Chris Evans e Michael Chiklis. Aventura. Durante a cerimônia de um casamento, algo estranho surge nos céus de Nova York. Trata-se do Surfista Prateado, um ser alienígena que possui grandes poderes e que trabalha como arauto de Galactus, o destruidor de planetas. Ele veio para a Terra com o objetivo de prepará-la para ser destruída por seu mestre, mas para atingir seu objetivo precisará enfrentar o Quarteto Fantástico (Sr. Fantástico, Mulher-Invisível, Homem-Tocha e Coisa). Cópia dublada. Pré-estréia aberta ao público entre esta sexta-feira, 22, e domingo, 24. Classificação indicativa: Livre. Duração: 98 minutos. Horários: 17 horas e 19h10. Sala 3 (167 lugares).
LANÇAMENTO NACIONAL
TREZE HOMENS E UM NOVO SEGREDO
(Ocean’s Thirteen), de Steven Soderbergh, 2007. Com George Clooney, Brad Pitt, Matt Damon, Al Pacino, Andy Garcia, Ellen Barkin. Aventura. Danny Ocean e sua trupe se reúnem mais uma vez para iniciar um plano de vingança contra o dono de um cassino que está sendo inaugurado. Ele traiu um dos integrantes do grupo, aquele que bancou financeiramente o assalto triplo aos cassinos de Terry Benedict no filme anterior. Classificação indicativa: 12 anos. Duração: 122 minutos. Horários: 13h30, 16 horas, 18h30 e 21 horas. Sala 1 (243 lugares).
LANÇAMENTOS
ZODÍACO
(Zodiac), de David Fincher, 2007. Com Jake Gyllenhaal, Mark Ruffalo, Robert Downey Jr., Brian Cox e Dermot Mulroney. Thriller. Um assassino serial provoca as autoridades de quatro jurisdições através de cartas com códigos e enigmas, colocando a população de San Francisco, na Califórnia, em pânico, durante décadas. Baseado na história verídica. Classificação indicativa: 16 anos. Duração: 158 minutos. Horários: 14h30, 17h35 e 20h40. Sala 2 (160 lugares).
NÃO POR ACASO, de Philippe Barcinski, 2007. Com Rodrigo Santoro, Leonardo Medeiros, Cássia Kiss e Letícia Sabatella. Drama. Um acidente de trânsito muda a vida de dois homens que gostam de levar a vida de forma programada. Classificação indicativa: 10 anos. Duração: 102 minutos. Horários: 14h50, 17 horas, 19h10 e 21h20. Obs.: Entre esta sexta-feira e domingo, as sessões das 17 horas e 19h10 não serão exibidas. Sala 3.
CONTINUAÇÃO
SHREK TERCEIRO
(Shrek The Third), de Chris Miller e Raman Hui, 2007. Animação. A súbita morte do rei faz com que Shrek seja coroado no Reino de Tão, Tão Distante. Sem querer ocupar o trono, ele parte em busca de um substituto para a função, com a ajuda do Burro e do Gato de Botas. Uma série de personagens de contos de fadas participada ação, como Bela Adormecida, Branca de Neve, Cinderela, Pinóquio, Rapunzel, Três Porquinhos, entre outros. Cópia dublada. Em segunda semana. Classificação: Livre. Duração: 99 minutos. Horários: 14h50, 16h50, 18h50 e 20h50. Sala 4 (264 lugares).

Obs. 1: Semana de 22 a 28 de junho.
Obs. 2: Neste sábado, 23, véspera de São João, somente serão efetivadas sessões iniciadas até às 17 horas.
ENDEREÇO E TELEFONES
Orient Cineplace - Shopping Iguatemi, telefax 3225-3056 e telefone 3610-1515 para saber informações sobre programas e horários.
As informações sobre programação e horário são prestadas pela empresa exibidora, a Orient Filmes.

Aquele-que-não-pode-ser-nomeado

Como não pode falar o nome do prefeito João Henrique Barradas (PMDB), o jornalista Mário Kértèsz agora se refere ao prefeito como “inominável”, “inqualificável” e “aquele-que-não-pode-ser-nomeado”.
Com o imbróglio, o prefeito de Salvador está sendo comparado ao presidente da Venezuela Hugo Chávez, por cercear a liberdade de expressão. O caso é notícia internacional, com reação da organização Repórteres Sem Fronteiras. Conseguiu atrair para si um turbilhão de críticas de todos os lados.
Não se deve estranhar a atitude de João Henrique. Ele é filho de João Durval, hoje senador, que quando prefeito pela segunda vez em Feira de Santana, logo no início de seu mandato, em 1993, pediu a cabeça de dois jornalistas do então “Feira Hoje”, por fazerem críticas durante a campanha.

Quem te viu quem te vê

Quando estava na oposição, o então sindicalista Jaques Wagner incentivava greves, participava de paralisações. Agora, no governo, mudou o discurso que o ajudou a se eleger. Corta salários de servidores, ingressa na Justiça e faz outras ameaças.

Ovelha negra em rebanho contaminado

O odontólogo e professor Júlio Motta, sempre antenado com o que acontece no país. É dele o texto a seguir, como se fosse uma mensagem para o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL):
Senador, aproveita as fogueiras juninas, queima o teu lado podre, corrupto, imoral, e se sobrar alguma coisa além das cinzas, descontaminadas pelo fogo, recomeça como UM HOMEM ÍNTEGRO, DO BEM, com o respeito dos teus pares, da família brasileira, dos filhos que fizeste acredito num gesto animal, porque os insanos não carregam amor.
Se redime dos continuados erros, das apropiações indevidas das coisas alheias, à ponto de não ter vergonha de se olhar no espelho, de fazer vergonha aos teus filhos, que não têm culpa do erros do pai, mas que se envergonham de tantos. Será que em voce, não bate o remorso?
É sempre a mesma cara de pau que exibe nas telas de tv, falando que é isso e aquilo, quando o Brasil todo sabe que é somente mais um picareta que povoa esta casa com quase todos iguais a você, com raríssimas excessões, num Brasil que não mais os cabe.
Já se deu bem demais, Renan, envergonha-te das tuas falcatruas e volta para casa.

sexta-feira, 22 de junho de 2007

Sobre Renan

Da amiga Suzana Maciel este Blog Demais recebeu o seguinte texto, sobre quem é Renan Calheiros:
Uma qualidade eu admiro em você: o conhecimento da alma humana. Você sabe manipular as pessoas, as ambições, os pecados e as fraquezas. Do menino ingênuo que fui buscar em Murici para ser deputado estadual em 1978, que acreditava na pureza necessária de uma política de oposição dentro da ditadura militar, você, Renan Calheiros, construiu uma trajetória de causar inveja a todos os homens de bem que se acovardam e não aprendem nunca a ousar como os bandidos.
Você é um homem ousado. Compreendeu, num determinado momento, que a vitória não pertence aos homens de bem, desarmados desta fúria do desatino que é vencer a qualquer preço. E resolveu armar-se. Fosse qual fosse o preço, Renan Calheiros nunca mais seria o filho do “seo” Olavo, a digladiar-se com os poderosos Omena, na Usina São Simeão, em desigualdade de forças e de dinheiros.
Decidiu que não iria combatê-los de peito aberto, descobriria um atalho, um ou mil artifícios para vencê-los, e, quem sabe um dia, derrotaria a todos eles, os emplumados almofadinhas que tinham empregados, cujo serviço exclusivo era abanar, por horas, um leque imenso, sobre a mesa dos usineiros para que os mosquitos de Murici (em Murici até os mosquitos são vorazes) não mordessem a tez rósea de seus donos. Quem sabe um dia, com a alavanca da política, não seria Renan Calheiros, o dono único, coronel de porteira fechada, das terras e do engenho, onde seu pai, humilde, costumava ir buscar o dinheiro da cana, para pagar a educação de seus filhos, e tirava o chapéu para os Omena, poderosos e perigosos. Renan sonhava ser um big shot, a qualquer preço. Vendeu a alma, como o Fausto de Goethe, e pediu fama e riqueza, em troca.
Quando você e o então deputado Geraldo Bulhões, colegas de bancada de Fernando Collor, aproximaram-se dele, aliaram-se, começou a ser parido o novo Renan. Há quem diga que você é um analfabeto de raro polimento, um intuitivo. Que nunca leu nenhum autor de economia, sociologia ou direito. Os seus colegas de Universidade diziam isto. Longe de ser um demérito, esta sua espessa ignorância literária, faz sobressair, ainda mais, seu talento de vencedor. Creio que foi a casa pobre, numa rua descalça de Murici, que forneceu a você o combustível do ódio à pobreza e a ser pobre. E Renan Calheiros decidiu que se a sua política não serviria ao povo em nada, a ele próprio serviria, em tudo. Haveria de ser recebido em palácios, em mansões de milionários, em congressos estrangeiros, como um príncipe, e quando chegasse a esse ponto, todos os seus traumas banhados no rio Mundaú, seria rebatizados em fausto e opulência. “Lá terei a mulher que quero, na cama que escolherei. Serei amigo do Rei”.
Machado de Assis, por ingênuo, disse na boca de um dos seus personagens: “A alma terá, como a terra, uma túnica incorruptível”. Mais adiante, porém, diante da inexorabilidade do destino do desonesto, ele advertia: Suje-se gordo! Quer sujar-se? Suje-se gordo!”.
Renan Calheiros, em 1986, foi eleito deputado federal pela segunda vez. Neste mandato nascia o Renan globalizado, gerente de resultados, ambição à larga, enterrando, pouco a pouco, todos os escrúpulos da consciência. No seu caso nada sobrou do naufrágio das ilusões de moço! Nem a vergonha na cara. O usineiro João Lyra patrocinou esta sua campanha com 1.000.000 dólares. O dinheiro era entregue, em parcelas, ao seu motorista Milton, enquanto você esperava bebericando, no antigo Hotel Luxor, avenida Assis Chateaubriand, hoje Tribunal do Trabalho. E fez uma campanha rica e impressionante, porque entre seus eleitores havia pobres universitários comunistas e usineiros deslumbrados, a segui-los nas estradas poeirentas das Alagoas, extasiados com a sua intrepidez em ganhar a qualquer preço. O destemor do alpinista, que ou chega ao topo da montanha, e é tudo seu, montanha e glória, ou morre. Ou como o jogador de pôquer, que blefa e não treme, que blefa rindo e cujos olhos indecifráveis intimidam o adversário. E joga tudo. E vence. No blefe.
Você, Renan não tem alma, só apetites, dizem. E quem na política brasileira a tem? Quem neste Planalto, “centro das grandes picaretagens nacionais”, atende no seu comportamento a razões e objetivos de interesse público? ACM, que na iminência de ser cassado, escorregou pela porta da renúncia e foi reeleito como o grande coronel de uma Bahia paradoxal, que exibe talentos com a mesma sem cerimônia com que cultiva corruptos? José Sarney, que tomou carona com Carlos Lacerda, com Juscelino, e, agora, depois de ter apanhado uma tunda de você, virou seu “pai velho”, passando-lhe a alquimia de 50 anos de malandragem? Quem tem autoridade moral para lhe cobrar coerência de princípios? O presidente Lula, que deu o “golpe do operário”, no dizer de Brizola, e hoje “hospeda” no seu Ministério um office boy do próprio Brizola? Que taxou os aposentados, que não o eram, nem no governo de Collor, e dobrou o Supremo Tribunal Federal? No velho dizer dos canalhas, “todos fazem isto”, mentem, roubam, traem. Assim, senador, você é apenas o mais esperto de todos, que, mesmo com fatos gritantes de improbidade, de desvio de conduta, pública e privada, tem a quase unanimidade deste Senado de Quasímodos morais para “blindá-lo”. E um moço de aparência simplória, com um nome de pé de serra, Siba, é o camareiro de seu salvo conduto para a impunidade, e fará de tudo, para que a sua bandeira, absolver Renan no Conselho de Ética, consagre a “sua carreira”. Não sei se este Siba é prefixo de sibarita, mas, como seu advogado in pectore, vida de rico ele terá garantida. Cabra bom de tarefa, olhem o jeito sestroso com que ele defende o “chefe”. É mais realista que o rei. E do outro lado, o xerife da ditadura militar, que, desde logo, previne: “quero absolver Renan”. Que corregedor! Que Senado!
Vou reproduzir aqui o que você declarou possuir de bens em 2002 ao TRE. Confira, tem a sua assinatura: 1) Casa em Brasília, Lago Sul, R$ 800 mil, 2) Apartamento no Edifício Tartana, Ponta Verde, R$ 700 mil, 3) Apartamento no Flat Alvorada, DF, de R$ 100 mil, 4) Casa na Barra de São Miguel de R$ 350 mil e SÓ. Você não declarou nenhuma fazenda nem uma cabeça de gado! Sem levar em conta que seu apartamento no Edifício Tartana vale, na realidade, mais de R$ 1 milhão e sua casa na Barra de São Miguel, comprada de um comerciante farmacêutico, vale R$ 3.000.000.
Só aí, Renan, você DECLARA POSSUIR UM PATRIMÔNIO DE CERCA DE R$ 5.000.000. Se você, em 24 anos de mandato, ganhou BRUTOS, R$ 2 milhões, como comprou o resto? E as fazendas, e as rádios, tudo em nome de laranja? Que herança moral você deixa para seus descendentes. Você vai entrar na história de Alagoas como um político desonesto, sem escrúpulos e que trai até a família. Tem certeza de que vale a pena?
Uma vez, há poucos anos, perguntei a você como estava o maior latifundiário de Murici. E você respondeu: “Não tenho uma tarefa de terra. A vocação de agricultor da família é o Olavinho”. É verdade, especialmente no verde das mesas de pôquer!O Brasil inteiro, em sua maioria, pede a sua cassação. Dificilmente você será condenado. Em Brasília, são quase todos cúmplices. Mas olhe no rosto das pessoas na rua, leia direito o que elas pensam, sinta o desprezo que os alagoanos de bem sentem por você e seu comportamento desonesto e mentiroso.Hoje, perguntado, o povo fecharia o Congresso. Por causa de gente como você!
Mendonça Neto

Circo Brasil

Na coluna "Canal 1", de Flávio Ricco, na "Tribuna Feirense" desta sexta-feira, 22:
Esse pessoal de Brasília marca reunião para decidir quando será a próxima reunião. Ninguém mete o dedo na ferida. É o festival do rabo preso.

Imagem de São José










Multidão lota praça no distrito de Maria Quitéria, na primeira noite do São João de São José, quinta-feira, 21.
Foto: ACM/Secom


quinta-feira, 21 de junho de 2007

Mídia exagera os números da Parada Gay e minimiza os números da Marcha Para Jesus

Texto de Matthew Cullinan Hoffman, publicado em 17 de junho pelo site "Mídia Sem Máscara" (midiasemmascara.org)
Uns três milhões de cristãos marcharam pelas ruas da metrópole brasileira de São Paulo na semana passada, apenas três dias antes da parada gay anual, cantando frases contra o homossexualismo e afirmando suas convicções religiosas. A Marcha Para Jesus, realizada no dia 7 de junho, foi organizada por um grande ministério evangélico no Brasil e incluía mais de trinta bandas ao vivo tocando música religiosa, muitas em cima de caminhões trio elétrico rodando pelas principais avenidas da cidade.
Um pastor conduzia a multidão, parafraseando uma oração de exorcismo tradicional em latim com “Xô, Satanás!”, acrescentando “Xô, homossexualismo!”. Embora a Associated Press, Reuters e outros noticiários de língua inglesa afirmassem que só um milhão de pessoas estiveram presentes na marcha, a grande imprensa brasileira noticiou amplamente que três milhões participaram, citando a Polícia Militar.
Quando questionados pela mídia, os participantes da Marcha Para Jesus negaram que foram hostis aos homossexuais, e expressaram preocupação com o bem-estar deles. “Por meio da Bíblia, sabemos que Deus não concorda com o que eles fazem”, membros de um grupo evangélico da Vila Carrão disseram ao serviço noticioso G1. “Condenamos as ações, e nunca as pessoas. O que queremos é que eles conheçam Deus”.
Outro pastor que trouxe um grupo de sua igreja negou que a marcha tivesse algo a ver com a parada gay, frisando o aspecto positivo da marcha: “Essa é uma demonstração no nome de Jesus. As duas não têm nada a ver uma com a outra”. Não houve registro de nenhum incidente violento durante a marcha.
Três dias depois, a Parada Gay anual apresentou um contraste completo com a Marcha para Jesus. Mais de um milhão de mulheres e homens homossexuais marcharam pela principal via da cidade, muitos sem camisa e vestidos em assessórios de drag queens e usando penas.
Eles carregavam bandeiras imensas com o símbolo do arco-íris, que o movimento homossexual internacional adotou, e exigiram o fim “do machismo, racismo e homofobia”. A parada do ano passado trouxe como conseqüência a criação de um projeto de lei, atualmente pendente no Congresso Nacional, que criminaliza como “homofobia” todas as condenações à conduta homossexual. Os organizadores da parada gay deste ano exigiram que tais medidas sejam adotadas sem demora.
Diferente da Marcha Para Jesus, a Parada Gay foi manchada por vários episódios de violência entre participantes, de acordo com os meios de comunicação homossexuais do Brasil. G Online (a versão online da Revista G, uma publicação homossexual brasileira) observou que “a equipe G Online, que cobriu o evento durante o dia inteiro e por todo o trajeto da parada, investigou várias cenas desagradáveis ao longo da avenida. Empurrões, brigas, bebedeiras e roubos eram comuns durante a parada”.
O site homossexual MixBrasil declarou mal-humoradamente que “neste ano, marcado pela violência entre os participantes da parada, as famílias desapareceram” do evento. “Agressões, brigas em cada esquina, roubos, violência pura… uma tragédia”.
Embora a grande mídia geralmente citasse a estimativa de 3,5 milhões de participantes, fornecida pelos organizadores da parada, tanto a Reuters (citada no jornal The Australian) quanto o serviço noticioso Último Segundo declararam que a polícia contou apenas um milhão de participantes, ainda que admitindo que provavelmente milhares teriam ficado nas ruas paralelas sem serem contados.
Em contraste total também com a Marcha Para Jesus, a Parada Gay deste ano recebeu imenso apoio financeiro do governo e de instituições financeiras brasileiras. Diferente das paradas de anos anteriores, o evento deste ano foi patrocinado por órgãos públicos federais como a Petrobrás e a Caixa Econômica Federal.
Importantes autoridades governamentais estavam presentes no evento, inclusive o governador de São Paulo, José Serra, e o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. A Prefeitura de São Paulo gastou mais de 400 milhões de reais em apoio ao evento, embora os lucros dos turistas participantes tenham sido calculados em 130 milhões de reais, rendendo ganhos de impostos de apenas 70 milhões.
O governo investiu recursos públicos também na confecção de um panfleto contendo a programação da parada, assim como orientações de como evitar doenças ao usar drogas injetáveis. Em determinado momento os organizadores suspenderam a distribuição do panfleto, ao que parece devido a controvérsias [sobre a conveniência política de se usar um documento oficial do governo com o propósito de orientar os homossexuais sobre a forma mais segura de consumir cocaína].

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com.br; www.juliosevero.com
Revisão final de Jael Savelli: http://jaelsavelli.blogspot.com

Renan e aliados perderam o eixo

Postagem do Blog Reinaldo Azevedo, que transcrevemos:
Renan Calheiros (PMDB-AL), hoje um cadáver adiado na presidência do Senado, e seus aliados perderam o eixo. Suas palavras na tarde desta quinta soam como uma declaração de guerra. Agora, se o relatório que o inocenta for mesmo aprovado, está na cara que houve, sim, chantagem e que ela funcionou.
O homem disse que não renuncia à presidência do Senado de jeito nenhum e que ficará justamente para preservar a Casa como instituição; para impedir que “a vida privada dos senadores seja devassada”. Qualquer pessoa razoavelmente treinada em lógica entenderá que, caso ele deixe o cargo, então a vida privada dos senadores será devassada. Simples, não é? Dois mais dois são quatro.
Ao mesmo tempo em que entrolava esse discurso confuso, negou que ele e seu grupo façam chantagem. Informa a Folha On Line: “Apontado como um dos supostos ‘alvos’ da chantagem de Renan, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) disse que aqueles que ‘partem para a truculência têm mais chances de afundar’. Demóstenes tem sido, no Conselho de Ética, um dos adversários mais ferrenhos de Renan ao defender maiores investigações sobre o presidente da Casa. ‘Se ele realmente partiu para este caminho, tem o risco de afundar. Melhor esquecer o cangaço e se portar como presidente do Senado’, disse.”

O bebê de Renan

O texto abaixo é uma criação do jornalista Walter Navarro, do jornal "Em Tempo", de Belo Horizonte-MG:
Quem tem fama deita na Gautama. Por isso eu não compraria um submarino usado do Renan Calheiros, mesmo porque minha carteira de habilitação venceu em 2002. Todavia, acho uma covardia o que estão fazendo com o presidente do Senado. No fundo, bem no fundinho, tudo isso não passa de inveja do pênis: ilações, ignomínias e complô das elites. Querem o quê? Que Renan seja condenado à morte como o corrupto funcionário chinês ou que se suicide como o ministro japonês corrupto? Daqui a pouco vão dizer que o Renan mandou fechar o SBT da Venezuela... Se bem que, pra acabar com o “Domingão do Faustão”, eu cortaria a concessão da Globo.
Afinal de contas, o que fez de mais Renan, o Menestrel das Alagoas? Nada! Seu pecado foi ser fervoroso católico. Não usou camisinha, nem fez aborto... E não sejamos hipócritas. Que atire a primeira pedra quem nunca engravidou uma jornalista bonita e gostosa que queria se dar bem na vida trabalhando deitada.
Quando eu crescer, quero ser filho do Renan Calheiros. O problema é que eu ia querer ser bebê a vida inteira, para ficar mamando naquela beleza de jornalista, orgulho da raça. Esta Mônica Veloso Lewinski é um gênio! Ao perceber que jornalismo não dá dinheiro, tratou logo de dar... Dar... Digamos... Dar um jeito, mas um jeitinho bem gostoso no salão oval do Senado, onde Renan, inimigo de Onan, não só acendeu, como apertou, fumou, tragou e emprenhou. Sem querer, Mônica ensinou o caminho das pedras para suas colegas de profissão.
Se eu fosse jornalista, mulher, bonita e gostosa eu sairia dando meus jeitinhos por aí ao primeiro senador que aparecesse. Deputado também serve, mas só se for da base aliada. Minha única saída é inventar que sou filho do Renan. Falsificar umas certidões, umas ideologias e, de quebra, umas carteirinhas da UNE pra ver filme de mulher pelada com meia-entrada...
Deve ser ótimo ser filho do Renan Calheiros... Já me imagino encontrando com ele, nos corredores de Brasília, correndo, abrindo os braços e gritando, sem medo de ser feliz: “Papai!”. E minhas festinhas de aniversário? Eu ia ganhar tanto presente quanto o filho do Michael Corleone, no “Poderoso Chefão 2”: um caminhãozinho cheio de euros (dólar é dinheiro de pobre, de cueca), um banco imobiliário de verdade, uma conta no exterior e uma ponte inacabada ligando o nada a lugar nenhum, quer dizer, Alagoas ao Maranhão. Sem falar nos mimos dos empreiteiros pra eu vender quando precisar de um bom advogado, como o Kakay e o Márcio Thomaz Bastos. Se bem que eles nunca cobrariam do filho do Renan e do afilhado do Lula, do Sarney, do Silas Rondeau, do Cláudio Gontijo Mentes Jr... Um monte de padrinhos, como no “Poderoso Chefão 3”. E a mesada das construtoras para minha educação e cultura? R$ 100 mil aqui, 200 acolá... Fora o apartamento, o mensalão, perdão, a pensão e uns R$ 50 mil pras aulas de piano, balé e solfejo.
E quando eu crescesse e tivesse filhos, cada um com uma jornalista, eu ganharia ainda mais dinheiro, desde que, tal pai tal filho, eu fosse o senador Walter Calheiros. Se não der certo, numa Operação Walter Navalha, posso ter um filho com o Zuleido Veras. E que do nosso amor nasça apenas um bigodão soltando gases, que é pra gente descolar uns créditos de carbono por fora. Zuleido is beautiful. Zuleido é meu personal Delúbio. Zuleido agora pode ir à Dança dos Famosos do Faustão?, por enquanto. Zuleido não gosta de chegar em segundo lugar.
Zuleido é a Campanha do Agasalho. Zuleido é gente que faz. Zuleido é um jeito Zuleido de ser. Um jeito pasta de amendoim. Zuleido é uma liberdade azul e desbotada que não tem cheiro, não deforma, nem solta as tiras. Chega de intermediários! Zuleido lá! Zuleido Já! Agora é Zuleido! Zuleido para presidente, o resto é peido! Zuleido e Renan, como todos nós, têm um lado B, o lado Brastemp. O lado B é o autêntico, aquele que está nem aí para o que os outros vão pensar. É o lado que vê final de novela, que não tem vergonha, que não tem governo, nem nunca terá. Zuleido e Renan têm cheque especial Banespa. Renan e Zuleido são o blefe do jogador, a placa de contramão, o sangue no olhar do vampiro alquimista. As contas do Maluf no exterior, a beira do abismo e a Lady Murphy. O caseiro Francenildo e a dona de casa, nos pegue-pagues do mundo. O Waldomiro Diniz, os Correios, o Mensalão e as ambulâncias. A mosca na sopa, o dente do tubarão, o Legacy, a CPI, o Apagão Aéreo, a venda de sentenças, a bala perdida, a falsa bala de festim e o Judiciário amigo. A mãe, o pai, o avô e o filho que ainda não veio. A Telemar, o Lulinha, o Severino, o Marcos Valério, o início, o fim, o meio e mais 20%.
PS: Quem tem medo de Paul Wolfowitz.

Dica de moda Iguatemi

A década de 60 volta com tudo neste inverno 2007.
A doçura e a ingenuidade dos anos 60 influenciam os looks deste inverno. Na década de 60 novas atitudes, novas formas, novos valores, novos tecidos e estampas surgiram. No inverno 2007 as tendências e peças desta época reaparecem, trazendo de volta os minivestidos, trapézios, as sapatilhas, as calças skinny e o legging.
O cinza está em alta nesta estação, a cor aparece misturada a diferentes tons de roxo, como uva e berinjela e também às cores verde, mostarda e vermelho. Além disso, os tons bege e preto também marcam presença neste inverno, vale fazer várias combinações com essas cores.
Aproveite a temporada para exibir toda a sua feminilidade.



Iguatemi tem horário especial pelo São João

Em função do feriado do São João o Shopping Iguatemi funcionará em horário especial durante o sábado e domingo. Confira o horário: Sábado, dia 23, lojas e praça de alimentação, abertas das 10 às 18 horas. Multiplex funciona com sessões iniciadas até às 17 horas.
Domingo, lojas e praça de alimentação fechadas. Multiplex funciona normalmente.

"Cidadão Kane" continua como o melhor filme de todos os tempos

Orson Welles e Dorothy Comingore em "Cidadão Kane"

Reprodução

Obra-prima de Orson Welles, “Cidadão Kane”, de 1941, foi eleito mais uma vez o melhor filme de todos os tempos. A escolha é do Instituto Americano de Filmes. O resultado foi divulgado na quarta-feira, 20, em programa especial de televisão de três horas de duração, “Cem Anos, Cem Filmes - Décimo Aniversário”. Somente filmes em língua inglesa fazem parte da lista.
A relação foi feita por um grupo de críticos, historiadores e especialistas. A carreira de “Cidadão Kane” como melhor filme do mundo dura quase cinqüenta anos. A primeira vez que o longa-metragem recebeu o título foi em 1958, durante uma feira de cinema em Bruxelas, na Bélgica.
“Cidadão Kane”, dirigido, escrito, produzido e estrelado por Orson Welles, em sua estréia no cinema, é inspirado na biografia do magnata da imprensa norte-americana William Randolph Hearst. Foi indicado a nove Oscar da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, incluindo a de melhor filme e melhor direção. Porém, apenas ganhou um prêmio, o de roteiro original.
Completam os dez primeiros títulos da lista de 100: “O Poderoso Chefão”, de Francis Ford Coppola, 1972; “Casablanca”, de Michael Curtiz, ; “Touro Indomável”, de Martin Scorsese, 1980; “Cantando na Chuva” (1952), de Gene Kelly e Stanley Donen, 1952; “...E o Vento Levou”, de Victor Fleming, 1939; “Lawrence da Arábia”, de David Lean, 1962; “A Lista de Schindler”, de Steven Spielberg, 1993; “Um Corpo Que Cai”, de Alfred Hitchcock, 1958; e “O Mágico de Oz”, de Victor Fleming, 1939.

Ataque de nervos

Os quase seis meses de governo Jaques Wagner - já é um tempo considerável - têm servido de justificativa para o marasmo, a lentidão existente. Quem confiou (professores e policiais, por exemplo) nas promessas de mudança na campanha já está à beira de um ataque de nervos.

Onde anda?

Ninguém sabe, até agora, se o governador Jaques Wagner já chegou de sua viagem à Europa - a quinta ao exterior em cinco meses. Nem sua assessoria sabe.

Escândalos em cascata

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), que perdeu o cargo de ministro outro dia, por envolvimento em escândalo, é o principal defensor do colega Renan Calheiros (PMDB-AL), envolvido com lobista em mais um escândalo federal, que sangra o Senado com a falta de decoro.

Prefeito de Salvador censura imprensa

A Rádio Metróple, em Salvador, não pode mais citar o nome do prefeito João Henrique Barradas (PMDB) em suas transmissões, sob pena de suspensão de sua programação e multa. Primeiro, out-doors da revista “Metrópole” foram retirados das ruas a pedido dele.
E ainda dizem que não existe cerceamento da liberdade de expressão.

quarta-feira, 20 de junho de 2007

Futebol da Argentina é melhor que o do Brasil

Riquelme comemora
Reprodução

Boca Juniors campeão da Taça Libertadores, com vitória de 2 a 0 sobre o Grêmio, em Porto Alegre, nesta quarta-feira, 20, e ainda perdendo um pênalti. O craque, de verdade, Riquelme, fez os dois gols. O Boca é campeão pela sexta vez. Mais uma demonstração que o futebol argentino é melhor do que o brasileiro. Em 48 edições da competição sul-americana, a 21ª conquista da Argentina contra 13 do Brasil. Os números são insofismáveis.
Cleber Machado, Falcão e José Roberto Wright, da Globo, torceram e distorceram na transmissão do jogo. No final, nem reconheceram a superioridade técnica do Boca.
No seu projeto para tentar ganhar a Libertadores, o Grêmio perdeu os três últimos jogos do torneio, quando tomou oito gols e só fez um, e também quatro jogos do Campeonato Brasileiro, quando não fez nenhum e tomou 12 gols.
O resultado deixou atordoada a mídia brasileira. Chamada do site "Terra": Com dois gols de Riquelme, time argentino segura empate sem gols no Estádio Olímpico e leva título. Com os dois gols, o Boca ganhou o jogo...

PPS ingressa com ação no STF contra classificação indicativa

O PPS ingressou nesta quarta-feira, 20, no Supremo Tribunal Federal (STF), com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra a portaria do Ministério da Justiça que cria a classificação indicativa para filmes e programas de televisão. A medida do Governo Federal, segundo o PPS, cria na verdade um mecanismo de censura prévia que precisa ser anulado para "evitar prejuízos aos dispositivos constitucionais violados e à própria democracia".
"Sob o imponente e eufêmico nome de 'classificação indicativa', o Ministério da Justiça busca ressuscitar, por meio de um ato normativo, a vetusta e famigerada censura, abolida pela ordem constitucional de 1988", está contido no texto da ação, entregue pelo presidente do PPS, Roberto Freire.
Sobre a argumentação para se criar a portaria, o PPS rebate afirmando que "o Ministério da Justiça, a pretexto de regulamentar disposições da lei 8.069 (Estatuto da Criança e do Adolescente)", que tratam da classificação indicativa de programas de TV e filmes acaba por exorbitar sua competência "e cria direito novo e inconstitucional".

A revolta de um estagiário

Do odontólogo Júlio Motta o recebimento desta mensagem, que o Blog Demais transcreve.
A recomendação dele é que se pense duas vezes antes de dar esmolas em sinais de trânsito e a "guardadores" de carros.
Tenho que dar meus parabéns a esse estagiário que elaborou essa pesquisa tão perfeita, pois, para mim, o resultado que ele conseguiu obter reflete a mais pura realidade. Prestem atenção nessa interessante pesquisa de um estagiário:
Um sinal de trânsito muda de estágio em média a cada 30 segundos (trinta segundos no vermelho e trinta no verde). Então, a cada minuto, um mendigo tem 30 segundos para faturar pelo menos R$0,10 o que, numa hora, dará: 60 x 0,10 = R$6,00. Se ele trabalhar oito horas por dia, 25 dias por mês, num mês terá faturado: 25 x 8 x 6 = R$1.200,00. Será que isso é uma conta maluca? Bom, 6 reais por hora, é uma conta bastante razoável para quem está no sinal, uma vez que, quem doa, nunca dá somente 10 centavos e sim 20, 50 e às vezes até 1 real. Mas, tudo bem. Se ele faturar a metade, 3 reais por hora, terá R$600,00 no final do mês, que é o salário de um estagiário com carga de 35 horas semanais ou sete horas por dia. Ainda assim, quando ele consegue uma moeda de R$1,00 (o que não é raro), ele pode descansar tranqüilo debaixo de uma árvore por mais nove viradas do sinal de trânsito, sem nenhum chefe para encher por causa disto ou daquilo.
Mas isto é teoria, vamos ao mundo real. De posse desses dados fui entrevistar uma mulher que pede esmolas e que sempre vejo trocar seus rendimentos na Panetiere (padaria em frente ao Cefet). Então lhe perguntei quanto ela faturava por dia. Imaginem o que ela respondeu?
É isso mesmo, de 35 a 40 reais em média, o que dá, 25 dias por mês x 35 = 875 ou 25 x 40 = 1000, então, na média, R$937,50. E ela disse que não mendiga oito horas por dia.
Moral da história: É melhor ser mendigo do que estagiário, e pelo visto, ser estagiário é pior que ser mendigo. Esforce-se como mendigo e ganhe mais do que um estagiário. Estude a vida toda e peça esmolas; é mais fácil e melhor que arrumar emprego.
Tem mais: mendigo não é obrigado a pagar 1/3 do que ganha para sustentar nenhum político e não paga Imposto de Renda!
Portanto, aos que encontram-se desempregados e os que estão terminando a faculdade, está difícil? Corram para o sinal, pois dá dinheiro...

“De tanto ver crescer a INJUSTIÇA, de tanto ver agigantar-se o poder nas mãos dos MAUS, o homem chega a RIR-SE da honra, DESANIMAR-SE da justiça e TER VERGONHA de ser honesto”. Ruy Barbosa

Uma "verdade" a cada momento

Como o jornalista Reinaldo Azevedo tem reiterado em seu blog, o senador Renan Calheiros (PMDB), presidente do Senado, “é um verdadeiro obcecado pela verdade: tanto é que tem um monte delas. Uma ‘verdade’ vai para o brejo, junto com as suas vacas milionárias, e ele logo arruma outra”.
Pois é.

Promoções de brindes e convites de filmes

Três promoções relativas a filmes estão sendo colocadas no ar e os leitores do Blog Demais podem disputam sorteio de brindes (convites e bonés) do filme “Treze Homens e um Novo Segredo”, em cartaz no Orient Cineplace, a partir desta sexta-feira, 22. A promoção é em parceria com a Espaço/Z Marketing de Entretenimento e a distribuidora Warner Bros.
Outra promoção com a mesma parceria é de brindes (blocos de notas) do filme “Zodíaco”, em cartaz no Orient Cineplace, a partir desta sexta-feira, 22.
Por fim, promoção deste Blog Demais em conjunto com o programa “Rádio Repórter”, na Rádio Subaé AM, com leitores e ouvintes disputando sorteio de brindes (porta-retratos) do filme “Não Por Acaso”, também em cartaz no Orient Cineplace, a partir desta sexta-feira, 22. Esta promoção é em parceria com a Espaço/Z Marketing de Entretenimento e a distribuidora Fox Film do Brasil.
Os interessados em participar devem mandar e-mail para oliveiradimas@bol.com.br.

Dez artistas plásticos em "Lua Azul"

A exposição “Lua Azul” será aberta na noite desta quarta-feira, 20, na Galeria de Arte Aliomar Simas, do Centro de Cultura Maestro Miro. Trata-se de uma realização do Projeto de Arte Contemporânea de Feira de Santana (Proarc) e do Núcleo de Arte Contemporânea de Feira de Santana (NAC), com apoio da Prefeitura de Feira de Santana, através da Secretaria da Cultura, Esporte e Lazer e da Fundação Cultural Municipal Egberto Tavares Costa.
São dez artistas plásticos integrantes dos dois grupos que expõem suas obras recentes, dentro dos estilos “Contemporâneo” e “Arte Natural”, visando “levar arte da melhor qualidade para o público”, como considera Herivelton Figuerêdo, um dos artistas que expõe e coordenador da mostra.
Para ele, “as obras de arte são de um rigor técnico e artístico que impressionam e nos levam a entrar em contato com um mundo elevado em arte e cultura”.Os demais artistas são: Ara Santana, Danilo (Dandrade), Hélia Oliveira, Hélio Braz, Jacy Santana, Leidi Velame, Manoel D’Eça, Miguel Galindo e Yone Fernandes.