#vaiterBRT

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

José Ronaldo: Com determinação, coragem e mais trabalho

José Ronaldo no Seminário de Prefeitos Eleitos da Bahia
Foto: Divulgação

Os desafios da administração municipal para o ano que vem e as medidas de gestão fiscal para o mandato 2017-2020 foram temas discutidos durante o Seminário de Prefeitos Eleitos da Bahia, organizado pelos partidos Democratas, PMDB, PSDB, PTB, PSC, PPS, PV, PRB, SD, PHS, PMB, PSDC, PEN e PTC e suas fundações. 
O evento ocorreu no Fiesta Convention Center, na segunda-feira, 5, em Salvador, e foi mediado pelos prefeitos de Salvador ACM Neto e de Feira de Santana José Ronaldo, ambos reeleitos. Eles tiveram oportunidade de relatarem as suas experiências à frente das duas maiores cidades do Estado.
No "Correio", a opinião do prefeito José Ronaldo sobre situações de crise como a que o país e consequentemente os prefeitos têm enfrentado. Para ele, "são vencidas com mais trabalho. Disse mais que "é preciso ter muita determinação e coragem também, além de uma boa equipe de governo que vai lidar com suas pastas com muito zelo e transparência".
Para José Ronaldo, a reavaliação dos gastos deve ser feita constantemente. "Fazemos isso com frequência. Checamos os gastos todo mês e avaliamos como podemos diminuir despesas, e continuar evoluindo em áreas como saúde, educação e infraestrutura sem aumentar tanto esses custos. Uma das estratégias é conhecer projetos vitoriosos pelo país e ver se tais experiências podem ser aplicadas a nossa realidade".
Ao jornal "A Tarde", José Ronaldo se mostrou preocupado com o aumento do salário mínimo, a partir de janeiro de 2017. "Todo aumento de despesa preocupa. Aumenta o custo da máquina, mas tem que ter receita que acompanhe, e isso não está acontecendo. A precisão é que nossa receita de 2016 seja menor do que em 2015", disse.
Segundo a "Tribuna da Bahia", José Ronaldo também ressaltou a importância da "austeridade na gestão dos municípios diante da turbulência econômica pela qual passa o país". Para o prefeito de Feira de Santana, "É preciso arrecadar e fazer bem feito, retornando para o povo".
Matéria publicada no jornal "NoiteDia", edição desta sexta-feira, 9

Desinformação

Quem se orientar pelo espaço "Cinema na Cidade", no jornal "Folha do Estado", edição desta sexta-feira, 8, quebra a casa. 
Programação do Orient Cinemas Boulevard de semana anterior é que está sendo anunciada.
A Orient Cinemas informa a programação de cada semana em dia de terça-feira.

Receitas e despesas das campanhas

Por Dimas Oliveira
Na sua campanha para prefeito de Feira de Santana José Ronaldo (Democratas) destinou o aporte de R$ 79.011,40 (7,76%). Foram arrecadados R$ 1.017.469,37, sendo R$ 800 mil (78,63%) doados pela Direção Nacional dos Democratas. Pessoas físicas doaram R$ 134.990,00 (13,27%). Como os demais candidatos, a campanha tinha limite de gastos de R$ 1.587.234,71.
Enquanto isso, quem mais colocou recursos próprios na campanha foi Jairo Carneiro (PP), com R$ 322 mil (99,69%). As despesas contratadas foram da ordem de R$ 321.639,95. A campanha contou com R$ 1.000,00 de doação de pessoas físicas.
Zé Neto (PT) gastou R$ 187.512,20 (45,85%) em sua campanha. O total arrecadado foi de R$ 409.015,20 e a despesa foi de R$ 397.015,19. Pessoas físicas doaram R$ 221.500,00 (54,15%). O PT não fez nenhuma doação.
Ângelo Almeida (PSB) investiu R$ 40 mil (35,15%). O total arrecadado em sua campanha foi R$ 113.782,35, com despesas de R$ 102.898,39. O PSB contribuiu com R$ 22.782,35 (20,12%). As doações restantes - R$ 51 mil (44,82%) foram de pessoas físicas.
Jhonatas Monteiro (Psol) não colocou nada em sua campanha. Foram gastos R$ 58.105,76 e a receita foi de R$ 56.499,27. A campanha arrecadou R$ 1.000,00 pela Internet. Pessoas físicas doaram R$ 32.604,00 e o Psol contribuiu com R$ 22.894,50.
A campanha de Leonardo Pedreira (PCO) recebeu recursos de R$ 1.347,10, fruto de doação do Partido da Causa Operária. Não foi registrada nenhuma despesa.

Os dados das contas eleitorais estão divulgados no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Coluna publicada no jornal "NoiteDia", edição desta sexta-feira, 9

Balaio Político desta sexta

Chance
Com a possibilidade da deputada federal Tia Eron (PRB) ser secretária de ACM Neto (Democratas) e o deputado federal Antonio Imbassahy (PSDB) assumir a Secretaria Particular do Gabinete da Presidência no lugar de Geddel Vieira Lima (PMDB), Feira de Santana pode ser contemplada com um deputado federal. Se concretizada for, o empresário Zé Chico (Democratas) poderá assumir.
Cadastro de eleitores
Desde o dia 28 de novembro, a Justiça Eleitoral reabriu o cadastro de eleitores na Bahia. Com a reabertura do cadastro, que estava fechado deste maio deste ano em função das eleições municipais, os cartórios eleitorais de todo o Estado voltaram a realizar diversos serviços, a exemplo do alistamento de novos eleitores e transferência de domicílio eleitoral.
Diplomação
A solenidade de "Diplomação do Pleito de 2016" de Salvador será realizada na quinta-feira, 15, às 16 horas, na sede do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), na 1ª avenida do Centro Administrativo da Bahia. Serão diplomados 58 políticos que venceram as eleições municipais. Nesse bojo, estão: o prefeito reeleito da cidade ACM Neto, vice-prefeito Bruno Reis, 43 vereadores e mais 13 suplentes. 
Educação
O Plano Municipal de Educação, de autoria do Poder Executivo, foi discutido e aprovado na Câmara Municipal no início desta semana. Os vereadores excluíram a ideologia de gênero do projeto de lei 74/2016 que institui a peça. O Plano tem vigência de 10 anos e terá acompanhamento do Conselho Municipal de Educação. A sua execução será coordenada pela Secretaria de Educação.
Jornalista
O jornalista Biaggio Talento, que atuou como articulista do jornal "A Tarde" até outubro passado, com larga experiência na imprensa, foi anunciado pelo prefeito eleito de Camaçari Antônio Elinaldo (Democratas) como coordenador de Comunicação do Governo. Ele também foi correspondente na Bahia do jornal "Folha de S. Paulo", durante quase 20 anos.
Coluna publicada na edição desta sexta-feira, 9, do "NoiteDia"

Índios no cinema 2: Geronimo


O chefe índio apache Geronimo foi personagem de vários filmes. Começou com “Geronimo” (Geronimo), de Paulo Sloane, 1939, com o ator índio Chief Thundercloud interpretando o personagem, o que se repetiu em "I Killed Geronimo", de John Hoffman, 1950.
Depois, Tom Tyler atuou como Geronimo em "O Vale do Sol" (Valley of the Sun), de George Marshall, 1942.  Jay Silverheels, conhecido por interpretar Tonto nos filmes de Zorro, fez o personagem em "Flechas de Fogo" (Broken Arrow), de Delmer Daves, 1950; em "O Levante dos Apaches" (The Battle of Apache Pass), de George Sherman, 1952; e em "Honra de Selvagens" (Walk the Proud Land), de Jesse Hibbs,  1956. 
John War Eagle, de origem índia, também fez Geronimo. Foi em "A Revolta dos Apaches" (The Last Outpost), de Lewis R. Foster, 1951. Um ano depois, "Rebelião de Bravos" (Indian Uprising), de Ray Nazarro, 1952, com Miguel Inclán.
Outro ator índio, Chief Yowlachie, atuou em "O Cavaleiro Relâmpago" (Son of Geronimo: Apache Avenger), de Spencer G. Bennet, 1952.
Em 1954, a vez de Ian MacDonald interpretar o chefe índio em "Herança Sagrada" (Taza, Son of Cochise), de Douglas Sirk, 1954. No mesmo ano, Monte Blue apareceu como Geronimo em "O Último Bravo" (Apache), de Robert Aldrich, 1954.
Geronimo foi ainda personagem principal e título original de dois filmes: "Sangue de Apache" (Geronimo), de Arnold Laven, 1962, com Chuck Connors (Foto: Reprodução); e "Geronimo: Uma Lenda Americana" (Geronimo: An American Legend), de Walter Hill, 1993, com Wes Studi, outro ator de origem índia.

"Lei Rouanet rendeu R$ 1 bilhão a dez empresas"




Dez empresas podem ter faturado mais de R$1 bilhão utilizando-se dos benefícios da Lei Rouanet, de incentivo à cultura somente entre os anos de 2010 a 2015. Os "maiores proponentes" de recursos públicos por meio do Ministério da Cultura foram compilados pelo deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), um dos mais ativos da CPI da Lei Rouanet, que afirma sua disposição de passar o escândalo a limpo.
Bolso cheio
O Itaú Cultural, que certamente não tem problemas de caixa, obteve R$ 131,73 milhões com base nos "incentivos" da Lei Rouanet.
Cartão de visita
Somente em 2011, primeiro ano da era Dilma Rousseff, artistas "amigos" (sobretudo da Lei Rouanet) faturaram R$ 182,84 milhões.
Vacas obesas
Em 2010, último ano do governo Lula, o total de recursos arrancados dos cofres públicos com a lei de incentivo totalizou R$ 137,43 milhões.
Caixinha
A Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira recebeu R$ 99,1 milhões e a Fundação Bienal, R$93,2 milhões.
Fonte: Cláudio Humberto

ACM Neto defende o nome de Imbassahy para articulação de Temer



"Antônio Imbassahy é um nome importante e pode ajudar muito o presidente Temer na articulação com o Congresso, empresários, trabalhadores, governadores e prefeitos", disse o prefeito ACM Neto (Democratas) ao defender o nome do líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy, para ocupar a Secretaria Geral de Governo, que tem status de Ministério, em lugar do ex-ministro Geddel Vieira Lima. 
"A habilidade política do deputado Imbassahy e a sua capacidade de articulação com o Congresso e diversos setores da sociedade são importantes para ajudar o governo neste momento difícil que o país atravessa", analisou Neto. 
O prefeito de Salvador lembrou ainda que o momento é de diálogo e que essa é uma das principais virtudes de Imbassahy. "A capacidade de conversar, ouvir e apontar o melhor caminho. Isso será importante no trato com os prefeitos e governadores que têm que ajustar as suas agendas com o governo".
(Com informações da Agecom - Assessoria Geral de Comunicação)

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Índios no cinema 1: Cochise

Jeff Chandler como Cochise no clássico "Flechas de Fogo"
Foto: Reprodução

O ator Jeff Chandler foi quem mais interpretou Cochise, chefe apache, em filmes. Foram três vezes. Primeiro em "Flechas de Fogo" (Broken Arrow), clássico de Delmer Daves, 1950. Depois em "O Levante dos Apaches" (The Battle at Apache Pass), de George Sherman, 1952; e em "Herança Sagrada" (Taza, Son of Cochise), de Douglas Sirk, 1954, em aparição.
Quem primeiro apareceu como o índio no cinema foi Antonio Moreno em "O Vale do Sol" (Valley of the Sun), de George Marshall, 1942. Depois, Miguel Incan em "Sangue de Heróis" (Forte Apache), de John Ford, 1948.
Cochise ainda apareceu em "A Revolta dos Apaches" (The Last Outpost), de Lewis R. Foster, 1951, com Chief Yowlachie; "Conquista de Apache" (Conquest of Cochise), de William Castle, 1953, com John Hodiak; e "Os Rifles da Desforra" (40 Guns To Apache Pass), de William Witney, 1966, com Michael Keep.

Equipamentos estratrégicos

Por Dilson Barbosa
Apesar da crise econômica e política que o país atravessa, Feira de Santana pode ser considerada um caso a parte neste universo de incertezas para o próximo ano, quando nem se tem garantia se o presidente Michel Temer resistirá ao processo de anulação da eleição no TSE, já que uma decisão desfavorável não mais atingiria a ex-presidente Dilma que foi afastada por impeachment.
Porém, como Feira de Santana é uma cidade que resiste ao mau humor da economia devido a sua situação geográfica (maior entroncamento rodoviário do país) e possuidora de um comércio forte e uma indústria pujante, certamente terá fôlego suficiente para enfrentar 2017, que, segundo o economista Maílson da Nóbrega (revista "Veja") a nossa economia ainda não chegou ao fundo do poço e só depois de chegar lá (provavelmente, segundo ele, no segundo trimestre de 2017) é que começará a fase de reação econômica. 
O que fez oxigenar a economia de Feira é uma boa administração do prefeito José Ronaldo que atraiu para esta cidade grandes empresas do ramo atacadista que estão gerando tributos e empregos, turbinando a construção de obras públicas como os túneis das avenidas Maria Quitéria (construído) e o da João Durval (em construção) aquecimento do mercado de toda a cadeia da construção civil; desde o fornecedor de pedras, blocos, tijolos, cimento e ferro até elétrico, transporte e insumos gerais e principalmente mão de obra operária. Se o prefeito José Ronaldo aguentar o tranco da economia até a o final do primeiro semestre de 2017, certamente o município vai "atravessar de braçada" esse mar de incertezas do Brasil. 
Obviamente que o empresariado que veio investir na cidade, avaliou o desempenho da administração municipal, cercando-se de informações e cuidados e percebeu que aqui seria um porto mais seguro para aplicar  recursos e agora tem a certeza que haverá continuidade e confiança  no prefeito que se reelegeu. 
Esse mérito é de Ronaldo: Ele conseguiu resgatar aconfiança dos investidores nesta cidade e por isso ele não pode recuar um milímetro dos grandes projetos, sendo o BRT um deles, mas outros são aguardados, como a luta pelo Centro de Convenções, não desistir de cobrar do governo estadual e federal a ampliação do Aeroporto João Durval, duplicação e urbanização do Anel de Contorno (setor noroeste), uma Ceasa fora do perímetro urbano, o prometido shopping popular, Zona Azul, projeto centro (urgentíssimo) apoiar incondicionalmente o Fluminense de Feira, entre outros, que se constituem em equipamentos e instituições estratégicos para elevar a autoestima da cidade e atrair ainda mais grandes empreendedores para o município, que inspire segurança para quem vem de fora e para os nativos que sempre apostaram na "energia positiva" de Feira de Santana.

Indenização aos anistiados políticos soma mais de R$ 5 bilhões

A reparação econômica aos anistiados políticos perseguidos pela ditadura militar já custou R$ 5,2 bilhões aos cofres públicos desde 2002. A indenização é concedida a todos os anistiados políticos que, no período de 18 de setembro de 1946 até 5 de outubro de 1988, foram impedidos de exercer suas atividades profissionais por motivos exclusivamente políticos.
A Lei nº 10.559, de 13 de novembro de 2002, que regula a indenização, estabelece duas formas de reparação econômica: em prestação única ou prestação mensal, permanente e continuada.
A primeira consiste no pagamento de 30 salários mínimos a todos aqueles que não puderem comprovar vínculos com a atividade laboral no período considerado, valor que não pode ser superior a R$ 100 mil.
A indenização parcelada beneficia os que tenham como comprovar vínculos trabalhistas e tem valor igual ao da remuneração que o anistiado receberia se estivesse na ativa, considerada a graduação a que teria direito.
Ao anistiado também são assegurados os benefícios indiretos mantidos pelas empresas, como assistência médica, odontológica e hospitalar, financiamento ambiental e planos de seguro.
No caso de falecimento do indenizado, a Lei assegura a transferência do direito da reparação econômica aos seus dependentes. A legislação também garante para o punido na condição de estudante a conclusão do curso em escola pública, a partir do período letivo interrompido.
Os R$ 5,2 bilhões pagos pelo governo federal, referem-se a indenização aos anistiados políticos nos termos da Lei nº 10.559 e ao pagamento de valores retroativos estabelecido pela Lei nº 11354, de 19 de outubro de 2006. Só este ano, o orçamento prevê que R$ 1 bilhão seja pago aos anistiados.
Os dados levantados pelo Contas Abertas foram retirados do Sistema Integrado de Administração Financeira do governo federal (Siafi) e inclui os valores das prestações mensais permanentes e continuadas (R$ 3,9 bilhões) e da indenização retroativa (R$ 1,3 bilhão), detalhadas nas ações orçamentárias 0739 e 0C01.
Anistiados
De acordo com a Comissão de Anistia do Ministério do Justiça, criada em 2001, aproximadamente 73 mil requerimentos de anistia política já foram recebidos. O total de processos apreciados compreende, além dos deferidos e indeferidos, também os revisados, os retificados e aqueles arquivados em decorrência de aplicação de enunciado administrativo do órgão.
Do total, 63 mil foram julgados e 10 mil aguardam para serem julgados. Dentre o processos já apreciados 40,3 mil foram deferidos. Nem todos os deferimentos referem-se ao pagamento de indenizações financeiras (alguns se referem apenas à reparação moral – reconhecimento da condição de anistiado político e pedido oficial de desculpas do Estado).
É a Comissão que decide sobre o valor destinado a cada caso de concessão de reparação, mas são os Ministérios do Planejamento, no caso de anistiados civis, e da Defesa, no caso de militares, os órgãos responsáveis pelos pagamentos.

Meia atacante disponível

Peixinho, quando jogava no Atlético Goianense e quando treinou no Vitória
Fotos: Arquivo pessoal

Um jogador disponível no mercado do futebol é o meia atacante Peixinho, que está morando em Feira de Santana. Diego Almeida Peixinho Souza é tocantinense de Porto Nacional e tem 21 anos.
Seu primeiro clube foi o Atlético Goianiense, onde atuou entre 2011 e 2014. Teve passagens pelo Amadense (de Sergipe), pelo Bahia e Vitoria, ambos sem contrato, e Bahia de Feira. Mais recentemente atuou pelas seleções de Santo Antônio de Jesus (2014), Coaraci (2015) e Valença (2016) nas disputas do Campeonato Intermunicipal.

Master Chef de primeira

Concorrido Master Chef, como companheirismo do Rotary Club de Feira Santana, ocorreu no Flor Do Maracujá, na noite de quarta-feira, 7. 
Os pratos servidos foram à base de frutos do mar - risoto e bobó de camarão, mariscada, além, de salmão e tilápia.
Rotarianos e esposas se confraternizaram na noitada especial preparada pelo presidente Cleber Gonçalves (Carolina) e equipe.
Os cantores Marcel Torres e Camila Pereira (Foto 5) desfiaram repertório de qualidade com sucessos da MPB no entrecho musical com voz e violão. Os rotarianos Dimas Oliveira, Ivan Kruschewsky Filho, José Arruda e Renato Ribeiro também cantaram.
Entre os chefs Dázio Brasileiro (Lenice) e João Barreto (Tânia), José Adson (Nádia), Cleanto Lacerda (Ana Paula) Mark Robson (Rosângela) e Cristiano Oliveira (Janaína), Ivan Kruschewsky Filho (Deborah) e Dion Vital (Eurielza), o governador Orlando Braga (Lígia), do Rotary Club Feira Leste, com José Arruda (Nilza Maria).
Presentes os companheiros Hugo Dórea e Cristina Dórea, José Rosa e Yolanda Gassmann, Jolival Soares e Márcia Villar, Deonilso Bueno e Eliana Amorim, Gilberto PImentel e Gislene Gomes.
Também presentes: Adauto Franco e Elsízia, Adauto Franco Júnior e Sara, Alpiniano Reis e Marluce, Antonio Gonçalves Júnior e, Antonio Washington Almeida e Mabian, Dimas Oliveira e Doralice, Jamerson Ribeiro (Fernanda), José de Anchieta Leite e, José Eduacy Lins e Lígia, José Raimundo de Azevêdo e Sarah, Márcio Lara Medrado e, Marcos Régis Andrade e Christiane, Mário Sérgio Bacellar e Isadora, Nilson Coelho Lopes e Marlene, Peron Queiroz e Eliene Oliveira, Renato Ribeiro e Alessandra, Ruy Sandes Leal e Ana Margarida, Thiago Barreto e Fernanda, Waldécio Vita e Karine .
Mais presenças: Pierina Brescianini Erbano, Carlos Antonio Nunes, Dario Mascarenhas Filho, Luiz da Costa Neto, Miguel Dórea, Ricardo Gassmann, Sérgio Aras.
Ainda presentes familiares de rotarianos - filhos e netos, genros e noras -, como Thomas Rabelo e Mabel Claudino, Pamela Oliveira, Dázio Brasileiro Neto e Aline, Karlson Cavalcante e Amanda Brasileiro Cavalcante, Victor Brasileiro.

"Renan inaugura no STF a politização do Judiciário"

Se o afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado foi um ato de "judicialização da política", como definem no Congresso as sentenças envolvendo parlamentares, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de desautorizar um dos seus ministros, desrespeitado e até insultado na véspera pelo próprio senador, indica a "politização do Judiciário". Um "acordão" manteve Renan na presidência do Senado.
Estava escrito
A suspeita de "acordão" surgiu quando o ministro Celso de Mello foi o primeiro a votar. Como decano, ele é sempre o último a votar.
Seguindo o mestre
Quando Celso de Mello propôs a manutenção de Renan na presidência do Senado, outros ministros se sentiram encorajados a seguir seu voto.
Acordão com assessoria
Já pela manhã, para preparar o ambiente, o STF antecipou a jornalistas amigos que os ministros manteriam Renan na presidência do Senado.
Armação suprapartidária
Fontes ligadas ao STF garantem que participaram da armação pró-Renan políticos do PSDB, PMDB e PT, e até o Palácio do Planalto.
Tucanos na operação
No Supremo Tribunal Federal informa-se que o "acordão" para salvar Renan foi pilotado por vários políticos, incluindo os senadores tucanos Aécio Neves e Antonio Anastasia, ambos de Minas Gerais.
Ironia de ministro
Logo após a sessão de ontem do STF, o ministro Marco Aurélio foi convidado a conceder entrevista à rádio Bandeirantes, mas ele declinou se utilizando de ironia: "Procure o ministro Celso de Mello...". Ele se referia ao ministro que liderou a derrota da sua liminar.
Prisão domiciliar
Após a decisão que livrou Renan da perda da presidência do Senado, políticos já tentam articular no STF a prisão domiciliar para Eduardo Cunha, que ainda se encontra preso em Curitiba.
Lanterna de popa
O eventual substituto de Renan Calheiros na presidência do Senado, Jorge Viana (PT-AC), a qualquer momento pode virar réu no STF pelos crimes de sonegação, improbidade, abuso de poder político etc.
Pensando bem...
...o STF decidiu que Renan Calheiros não tem a ficha suficientemente limpa para presidir a República, mas para presidir o Senado, vá lá.
Fonte: Claudio Humberto

72 anos do Feira Tênis Clube

Nesta quinta-feira, 8, 72 anos da fundação do Feira Tênis Clube. Foram sócios fundadores: Hermínio Francisco dos Santos - primeiro presidente -, Hamilton Saback Cohim, Cerilo Maia Mousinho, Quintor Café, Ideval Alves, Newton da Costa Falcão, Cícero Freitas de Carvalho, José Joaquim Lopes de Brito, Osvaldo José Leal, Antonio Lima Torres, Jairo Cavalcanti, Antônio Juvenal Guerra, Humberto Portela, Antônio de Oliveira Matos, Tito Barreiros Machado, Francisco Menezes Góis, Florisval Mendes de Albuquerque, Áureo de Oliveira Filho, Adroaldo Góis, Manoel Matias de Azevedo, Antônio Rosas, Carlos Rubinos Bahia, Humberto Alencar, Osvaldo Brito, Osvaldo Abreu Boaventura, Alexandre Ribeiro Falcão e Isaías Mendes, com está no livro ata

CDL faz balanço do comércio em 2016

Enviado por Silvana Ferraz, da Assessoria de Comunicação da CDL

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Filmes em Exibição no Orient Cinemas Boulevard

LANÇAMENTOS NACIONAIS
O VENDEDOR DE SONHOS, de Jayme Monjardim, 2016. Com Dan Stulbach, César Troncoso, Dani Antunes e Leonardo Medeiros. Drama. Um homem desconhecido tenta salvar um suicida. Segundo ele, a sociedade se tornou um hospício global e busca cativar pessoas para lhe ajudar a vender sonhos. Mas isso não é visto com bons olhos por algumas pessoas que julgam o homem como um louco. Não recomendado para menores de 10 anos. Duração: 100 minutos. Horários: 19h20 e 21h30. Sala 2 (158 lugares). 
A ÚLTIMA RESSACA DO ANO (Office Christmas Party), de Will Speck e Josh Gordon, 2016. Com Jennifer Aniston E Jason Bateman. Comédia. Com a morte recente do pai, os irmãos Clay e Carol disputam o controle da empresa de tecnologia por ele criada. Presidente da companhia, ele é ameaçado por ela, que planeja demitir todos os funcionários. Visando impressionar um novo cliente que pode representar sua garantia no poder, Clay pede que seu braço direito, Josh, organize uma festa de Natal. Não recomendado para menores de 16 anos. Duração: 103 minutos. Horários: 14 horas, 18h40, com cópia dublada, e 21 horas, com cópia legendada. Sala 1 (240 lugares).
MASHA E O URSO (Masha and the Bear), de Oleg Kusovcov. Classificação livre. Animação. Masha é uma menina atrapalhada e inquieta que vive em uma floresta e adora brincar. Um dia, ela conhece um pacato urso. Duração: 75 minutos. Horários 15 e 17 horas. Sala 2 (158 lugares).
TAMO JUNTO, de Matheus Souza, 2016. Com Leandro Soares, Sophie Charlotte e Fábio Porchat. Comédia. Rapaz termina um intenso relacionamento e se vê solteiro pela primeira vez em muito tempo. Livre, leve e solto, ele planeja cair na gandaia, mas logo descobre que o novo estado não é tão divertido quanto ele idealizava. Não recomendado para menores de 14 anos. Duração: 100 minutos. Horários: 14h30, 16h40, 19 horas e 21h10. Sala 4 (261 lugares).
CONTINUAÇÕES
O ÚLTIMO VIRGEM, de Rilson Baco e Felipe Bretas, 2014. Com Guilherme Prates, Bia Arantes e Fiorella Mattheis. Comédia. Dudu é um garoto tímido e virgem. Esta situação faz com que ele seja alvo constante de buylling de seus amigos. Ao término do ano letivo, ele é convidado pela professora Débora a ter aulas extras em casa. A situação logo faz com que seus amigos acreditem que ela esteja dando em cima dele. Em segunda semana. Não recomendado para menores de 14 anos. Duração: 82 minutos. Horário: 16h20. Sala 4 (261 lugares).
JACK REACHER: SEM RETORNO (Jack Reacher: Never Go Back), de Edward Zwick, 2016. Com Tom Cruise, Cobie Smulder, Aldis Hodge e Danika Yarosh. Ação e aventura. Jack Reacher retorna à base militar onde serviu na Virgínia, onde pretende levar uma major local, Susan Turner, para jantar. Só que, logo ao chegar, descobre que ela está presa, acusada de ter vazado informações confidenciais do exército. Estranhando a situação, ele resolve iniciar uma investigação por conta própria e logo descobre que o caso é bem mais pessoal do que imaginava. Em terceira semana. Cópia dublada. Não recomendado para menores de 14 anos. Duração: 120 minutos. Horário: 20h50. Sala 1.
ANIMAIS FANTÁSTICOS E ONDE HABITAM (Fantastic Beasts and Where Find Them), de David Yates, 2016. Com Eddie Redmayne, Johnny Depp, Colin Farrell, Katherine Waterston, Zoe Kravitz e Jon Voight. Aventura e fantasia. Um excêntrico magizoologista carrega uma maleta cheia de animais mágicos coletados durante suas viagens pelo mundo. As criaturas acabam saindo de sua mala em Nova York, e agora ele precisa usar suas habilidades para capturá-las. Cópia legendada, Em quarta semana. Não recomendável para menores de 12 anos. Duração: 135 minutos. Horários: 15h10 e 18 horas. Sala 3 (165 lugares).
ENDEREÇO E TELEFONES 
Orient Cinemas Boulevard - Multiplex do Boulevard Shopping, telefax 3225-3185 e telefone 3610-1515 para saber informações sobre programas e horários.
(Com informações do Departamento de Marketing do Orient Cinemas)

Trump é a personalidade de 2016

O presidente eleito dos Estados Unidos, o bilionário Donald Trump, foi escolhido a personalidade de 2016 pela revista norte-americana "Time". O anúncio foi feito nesta quarta-feira, 7.

Funcionamento do comércio pelos festejos natalinos

Através do Decreto nº 10.112, de 6 de dezembro de 2016, o prefeito José Ronaldo está autorizando o funcionamento de estabelecimentos comerciais em horários excepcionais.
Considerando as comemorações dos "Festejos Natalinos", Considerando que no transcurso de tal evento a demanda de atividades comerciais acresce sobremaneira,
Considerando a celebração do Acordo entre o Sindicato do Comércio e do Sindicato dos Empregados no Comércio de Feira de Santana, sobre o funcionamento do comércio,
Artigo 1º - Fica autorizada, excepcionalmente, a extensão do horário para o funcionamento de estabelecimentos comerciais no Município de Feira de Santana, no período abaixo especificado:
I - dia 3 de dezembro de 2016 (sábado), até às 15 horas;
II - dia 4 de dezembro de 2016 (domingo), das 9 às 15 horas;
III - dias 5 a 9 de dezembro de 2016 (segunda à sexta-feira), até às 19 horas;
IV - dia 10 de dezembro de 2016 (sábado), até às 15 horas;
V - dia 11 de dezembro de 2016 (domingo), das 9 às 15 horas;
VI - dias 12 a 16 de dezembro de 2016 (segunda à sexta-feira), até às 20 horas;
VII - dia 17 de dezembro de 2016 (sábado), até às 18 horas;
VIII - dia 18 de dezembro de 2016 (domingo), das 9 às 17 horas;
IX - dias 19 a 23 de dezembro de 2016 (segunda à sexta-feira), até às 20 horas;
X - dia 24 de dezembro de 2016 (sábado), até às 16 horas.
Artigo 2º - O disposto no artigo anterior não impede o pagamento de horas extraordinárias, assim como de qualquer outro adicional devido, consoante à legislação trabalhista ou acordo coletivo de trabalho.

Artigo 3º - O presente Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário, retroagindo os seus efeitos a 3 de dezembro de 2016. 
Fonte: Página do Prefeito José Ronaldo no Facebook

"Os sucessos de Trump, mesmo antes da posse"


Temos 1.100 famílias felizes e uma mídia incapaz de relatar o sucesso
Na história, ganhar aumenta a probabilidade de ganhar. Perder aumenta a probabilidade de perder.

Por Newt Gingrich

Temos um bem-sucedido presidente eleito antes mesmo de tomar posse. Temos 1.100 famílias entusiasmadas e ansiosas por um feliz Natal, quando durante semanas estiveram angustiadas por preocupação com seu futuro. E temos uma mídia incapaz de divulgar este sucesso.
Como? O presidente eleito Donald Trump convenceu a Carrier a manter 1.100 postos de trabalho nos Estados Unidos. Ele foi ajudado pelo vice-presidente eleito Mike Pence, que tinha interesse adicional em alavancar esta decisão, porque é o governador de Indiana, onde a Carrier está localizada. As pessoas empregadas na Carrier estão em êxtase. Eles estavam prestes a enfrentar um Natal sombrio. Agora têm seus empregos e estão emocionados que o Presidente eleito tenha intervindo decisivamente e com sucesso.
Esta foi a segunda intervenção do Trump. (Antes ele convencera a Ford a não mudar uma de suas linhas de montagem para o Mexico).
Mas, como a mídia se concentrou nos 1.100 postos de trabalho, e porque a administração da Carrier tinha sido muito mais pública sobre sua determinação de mudar para o México, o caso Carrier adquiriu muito mais intensidade e importância do que a Ford.
Há vários pontos importantes sobre essa conquista.
Primeiro, isso é puro trumpismo. Não espere a posse. Não gaste muito tempo com o pessoal estudando a questão. Não delegue a outra pessoa e espere o melhor. O trumpismo inclui decisões intuitivas seguidas por uma intervenção rápida e pessoal para forçar o sucesso. Seu mais óbvio antecessor no estilo era o presidente Theodore Roosevelt. Trump é semelhante a Roosevelt na pura energia exuberante com a qual ele vive todos os dias.
Winston Churchill escrevia bilhetes na Segunda Guerra Mundial que diziam "Ação Hoje" (Action This Day). Ele os usava para itens importantes num esforço para forçar a burocracia a se mover mais rápido. Trump é um exemplo vivo de "Ação Hoje".
Em segundo lugar, Trump entende que ganhar as vitórias simbólicas rapidamente pode ter consequências muito grandes. Scott Adams escreveu brilhantemente sobre esta técnica. Milhões de americanos que se preocupam com seus empregos sentem-se melhor hoje sabendo que Donald Trump se importou o bastante para agir antes mesmo de ser empossado. Embora a mídia de propaganda (anteriormente a mídia de notícias) e os críticos possam pensar que essa foi uma pequena conquista, simbolicamente e emocionalmente é muito  grande.
Terceiro, Trump entende que vencer é sempre melhor do que perder. Os americanos viram Barack Obama não salvar empregos. Na verdade, ele zombou de Trump e publicamente perguntou se ele estava indo para acenar uma "varinha mágica" para salvar empregos na Carrier. Agora é Obama quem parece impotente e incompetente - e Trump parecendo ter mesmo uma varinha mágica.
Na história, ganhar aumenta a probabilidade de ganhar. Perder aumenta a probabilidade de perder. Hoje, o presidente eleito Trump parece um vencedor.
Finalmente, o trumpismo está transformando os papéis de nossos dois partidos políticos. Enquanto os elitistas democratas estão zombando da conquista da Carrier e minimizando sua importância, milhões de trabalhadores americanos estão contentes por alguém finalmente se importar com eles.
Resultados: o isolamento dos democratas num clube esquerdista de elitistas tolos e que não se importam com os trabalhadores, e a transformação do Partido Republicano no partido que se preocupa com as famílias e aumenta empregos.
Mil e cem famílias felizes no Natal é um grande negócio. Este ano é de Donald Trump. É uma conquista a sete semanas de ser juramentado como presidente dos Estados Unidos.
Tradução e divulgação: Heitor De Paola
Fonte: "Mídia Sem Máscara"

"Sortudo, Temer se livra de Cunha, Geddel e Renan"



Sujeito de sorte, Michel Temer: ao contrário dos antecessores Lula e Dilma, só para citar estes dois, é o primeiro presidente a se livrar das principais razões de dores de cabeça de todos os ocupantes do cargo, no Planalto: o ex-deputado Eduardo Cunha e o senador Renan Calheiros, ambos do PMDB. De quebra, ainda se livrou do ex-ministro Geddel. Melhor: Temer nada precisou fazer para que isso acontecesse.
Garimpeiros
Cunha, Geddel e Renan, principais "garimpeiros" do PMDB, são os maiores especialistas em atormentar os presidentes que apoiam.
Dupla sertaneja
Incorrigível contador de vantagens, Geddel constrangia Temer. Mas problema mesmo, no "toma lá, dá cá", era a dupla Cunha-Renan
Jogo de paciência
Após a posse, Temer viu Cunha tentando subjugar o seu governo. Só precisou de paciência para aguardar o fim dramático do ex-deputado.
Jogadores
Dilmista, Renan vendeu caro o apoio a Temer, após ajudar a violentar a Constituição inventando cassação sem perda de direitos políticos.
Fonte: Cláudio Humberto

Faltam 24 dias


Jornalista na Comunicação de Camaçari

O jornalista Biaggio Talento (Foto: Bocão News), com larga experiência na imprensa baiana e nacional, vai ser o coordenador de Comunicação na gestão do prefeito eleito Antonio Elinaldo (Democratas) em Camaçari. Ele foi correspondente na Bahia do jornal "O Estado de São Paulo", durante quase 20 anos. Estava como repórter e articulista no jornal "A Tarde".

Trailer de "O Vendedor de Sonhos"


Assista

Trailer do drama "O Vendedor de Sonhos", baseado no livro homônimo de Augusto Cury, que tem lançamento nacional nesta quinta-feira, 8, no Orient Cinemas Boulevard.

Trailer de "A Última Ressaca do Ano"


Assista

Trailer da comédia "A Última Ressaca do Ano", que tem lançamento nacional nesta quinta-feira, 8, no Orient Cinemas Boulevard.

Trailer de "Tamo Junto"


Assista

Trailer da comédia "Tamo Junto", que tem lançamento nacional nesta quinta-feira, 8, no Orient Cinemas Boulevard.

Drama, comédias e animação


1. César Troncoso e Dan Stulbach em "O Vendedor de Sonhos"
2. Jennifer Aniston em "A Última Ressaca do Ano"
3. Leandro Soares e Sophie Charlotte em "Tamo Junto"
4. Animação russa "Masha e o Urso"
Fotos: Divulgação

Adaptação do best-seller homônimo do psicoterapeuta e escritor Augusto Cury, "O Vendedor de Sonhos" é a principal das quatro novidades desta 50ª semana cinematográfica do ano, a partir desta quinta-feira, 8, no Orient Cinemas Boulevard.
As outras novidades são as comédias "A Última Ressaca do Ano", com Jennifer Aniston e Jason Bateman e "Tamo Junto", esta brasileira, mais a animação russa "Masha e o Urso".
Continuam em cartaz: a comédia brasileira "O Último Virgem", em segunda semana; o filme de ação "Jack Reacher: Sem Retorno", em terceira semana; e a fantasia "Animais Fantásticos e Onde Habitam", em quarta semana.
Em "O Vendedor de Sonhos", de Jayme Monjardim, Júlio César (Dan Stulbach), um psicólogo decepcionado com a vida em geral, tenta o suicídio, mas é impedido de cometer o ato final por intermédio de um mendigo, o "Mestre" (César Troncoso). Uma amizade peculiar surge entre os dois e, logo, a dupla passa a tentar salvar pessoas ao apresentar um novo caminho para se viver. Ainda no elenco tem Leonardo Medeiros, Thiago Mendonça e Dani Antunes.
Trata-se da primeira adaptação de livro de Augusto Cury para o cinema. O autor publicou mais de 20 livros e ultrapassa a marca de 20 milhões de livros vendidos no Brasil.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Lembrando "O Belo Antônio"

"O Belo Antonio" (Il Bell'Antonio), de Mauro Bolognini, 1960, com Marcello Mastroianni, é um clássico do cinema italiano, em preto & branco, que tenho em minha coleção de DVD. 
Adaptação de Pier Paolo Pasolini do romance homônimo de Vitaliano Brancati, o filme conta a história de Antonio, que se casa com a mulher que ama (Claudia Cardinale) e, à custa de muita idealização da figura feminina, não consegue concretizar a união conjugal. Ele é impotente e só consegue concretizar uma relação quando dissocia o amor e o sexo.
Tanto o romance como o filme são considerados como um forte ataque ao autoritarismo pela combinação machista e religiosa que regia a sociedade siciliana da época. Não deixa de ser também uma crítica à burguesia italiana.
Desde o lançamento do filme - em Feira de Santana foi exibido no então Cine Madrid - há mais de meio século, a expressão "belo Antônio" definia homens de virilidade duvidosa. Outra curiosidade é que o Simca Chambord, carro lançado em 1958 no Brasil, era tido como "o Belo Antônio, pois bonito, mas que não funciona".


Jantar do Abraço Fraterno

Para encerrar as atividades do ano, o Abraço Fraterno promove o #jantardoabraço no próximo dia 13.
Trata-se de um jantar na rua, precisamente na rua Vasco Filho (ao lado do Terminal Rodoviário), onde o grupo se reunirá com “irmãos em situação de rua para trocar ideia, fazer um som e compartilhar o pão”.
Quer saber como ajudar? "Precisamos de voluntários, pessoas cheias de amor no coração e com vontade de fazer a diferença, para ajudar a preparar este momento. Nos ajude doando grana, roupas, alimentos, orando pelas vidas dos envolvidos e estando presente no dia da ação".